hyperfan  
 

Liga da Justiça # 24

Por Robson Costa

Ecos do Passado

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Liga da Justiça
:: Outros Títulos

A plataforma de petróleo queima, liberando muita fumaça. As explosões são sucessivas, deixando os operários atarantados. O desespero aumenta entre eles, quando corre a notícia de que o fogo estava impedindo de alcançarem os barcos salva-vidas. O último pedido de socorro havia sido enviado a poucos momentos, porém uma explosão lançou uma viga sobre a sala de rádio, deixando isolados do mundo. Alguns homens rezam. Um jovem, tomado pelo desespero, lança-se ao mar. Os colegas tentaram impedí-lo, sabendo que ele morreria logo que atingisse a água. Mas, de repente, ele retorna à base trazido pelo Capitão Marvel.

— Calma, meu rapaz. A Liga da Justiça chegou!

Dos céus, aparece Super-Homem. Rapidamente, os dois heróis detêm o fogo, resgatam os feridos e trazem navios para socorrerem a todos. Algumas horas depois, o incêndio foi controlado e as explosões cessaram. O gerente aproxima-se emocionado dos heróis.

— Muito obrigado. Em todos os meus anos em exploração de petróleo, nunca vivi uma situação como esta. Agradeço em nome de todos os homens que trabalham. Vocês três têm a nossa eterna gratidão.

"Três?!" — Billy Batson olha espantado para o gerente e para o Super-Homem. De repente, escuta uma voz ao seu lado.

— Este é o nosso trabalho, meu caro. Adeus, amigos.

Capitão Marvel e Super-Homem vêem o Gavião Negro ganhar os céus, até desaparecer diante dos seus olhos.

Central City

Um carro atravessa velozmente a avenida Infantino. O assalto ao Banco Lee rendeu muito dinheiro. Scar é o melhor motorista para fugas da costa oeste e já tinha deixado os policiais longe. O seu comparsa comemora quando escuta um palavrão na boca de Scar.

— Merda! É o Flash!

Fly olha para trás e apenas percebe um borrão vermelho aproximando-se cada vez mais, por mais que Scar pise no acelerador. Flash sorri. Já sabe que eles não terão chance. De repente, um pequeno tremor acontece. Wally West perde o equilíbrio e cai. Quando se levanta, ele acha que perderá mais tempo na busca aos vilões. Mas, para a sua surpresa, vê o carro dentro de um buraco. Ele se aproxima e vê que os dois bandidos estão desmaiados devido à queda.

— Pronto, companheiro! Desculpe ter atrapalhado a sua caçada, mas quis dar uma mãozinha.

Wally vira-se para o local de onde veio a frase e, para o seu espanto, dá de cara com Vibro.

Nova York

Kyle Rayner pousa em um dos prédios onde se localiza um teletransportador da Liga. Ele sabe que poderia ir voando até a base na lua, mas está muito cansado após uma última missão. Ele pisa no aparelho que o identifica como membro da Liga e, em segundos, desaparece. Contudo, ao terminar o processo, Kyle percebe que não está na lua, mas em uma caverna.

— Mas que diabos aconteceu com o teletransportador?

Um alarme é disparado e logo surge na sua frente a equipe de heróis mirins conhecida por Justiça Jovem.

— Lanterna Verde? — pergunta Robin — O que você está fazendo aqui? Algum problema com a Liga?

— Não! Acho que houve um problema com o teletransportador que eu usei. Em vez de ir para a lua, fui enviado para cá. Estranho... que eu saiba, os teletransportadores que haviam aqui foram todos desativados. Quando chegar na lua, vou falar com o Aço. Até mais, garotos.

Kyle aciona o seu anel, envolve-se com um campo de força verde e parte velozmente para o céu. Em minutos, ele já alcança a lua e a base.

— Aço! Acho que precisamos verificar o teletransportador que eu utilizo em Nova York. Em vez de ele me enviar para cá, ele me...

O Lanterna Verde pára de falar. Na sua frente, ajoelhado mexendo nas aparelhagens, está alguém que ele achava que nunca mais veria: Kilowog. O alienígena xinga em todas as línguas que conhece, enquanto termina o serviço.

— Eu sabia que mais cedo mais tarde esta tecnologia thanagariana daria problemas. — ele fala — Aqueles passarinhos só sabem fazer asas gigantes e... quem é você? Não te conheço.

— Kyle Rayner, Lanterna Verde da Terra. — cumprimenta o jovem, espantando em ver o alienígena.

— Outro Lanterna?! Este setor espacial tem mais Lanternas que uma galáxia inteira.

Kyle observa Kilowog retornar ao seu trabalho, quando surgem Fóton e Aço.

— Então? Tão surpreso quanto a gente? — pergunta Mônica Rambeau.

— Mas, como?! Que eu saiba, ele foi morto pelo Hal...

— Se você não sabe, — fala Aço — muito menos nós. Ele apareceu de repente, consertou e aperfeiçoou uma série de aparelhos.

De repente, como surgiu, Kilowog some diante dos olhos dos justiceiros. O teletransportador avisa da chegada de dois membros a bordo. Assim, surge primeiro Super-Homem, seguido de Flash. A feição tensa de Kal-El surpreende a todos.

— Aço! Convoque uma reunião com Eléktron e Batman imediatamente!

— Vocês viram alguma coisa? — pergunta Flash, aproximando-se de Rayner e Mônica.

Logo os três narram os acontecimentos que acabaram de presenciar, enquanto dirigem-se à sala de reunião. Super-Homem conversa com Batman através de um videocomunicador.

— Muito estranho, Clark! Parece ser os mesmos acontecimentos que o Extemporâneo e Parallax causaram.

— Foi o que achei também. Você poderia vir para cá?

— Infelizmente, estou no meio de um caso importantíssimo aqui em Gotham. Talvez Eléktron e Aço sejam mais úteis nesta missão.

— O doutor Palmer já está vindo para cá. — avisa Aço.

— Ótimo. Mas de qualquer forma, podemos entrar em contato com você para discutirmos?

— Se precisarem, poderei auxiliá-los. Câmbio.

Bruce Wayne desliga e fica pensando no que poderia estar acontecendo. Este caso lembra outros pelos quais a Liga passou anteriormente. O computador indica que recebeu os dados enviados por Aço para que ele possa analisar. Neste momento, Alfred surge:

— Senhor, temos visitas.

Batman estranha o modo como Alfred está se comportando. Ele parecia assustado. Como tivesse visto um fantasma ou visão.

— Olá, Bruce! Batgirl está pronta para a sua missão.

Batman surpreende-se. Na sua frente está Bárbara Gordon, em pé, vestida com o seu uniforme de Batgirl.

Base da Liga

Eléktron acaba de chegar à base e agora colhe os dados com os seus colegas. Super-Homem, Flash, Fóton e Rayner contam-lhe sobre os últimos acontecimentos.

— Muito estranho, Super-Homem! — diz Ray Palmer — Não tenho explicação lógica para o que vocês presenciaram.

Enquanto ele discursa sobre o que pode estar acontecendo, Palmer percebe que os seus colegas olham para ele espantados. Antes que possa falar qualquer coisa, ele vê que o seu uniforme mudou.

— Mas que roupa é esta? — pergunta Fóton — Espada?

Antes que o diminuto herói possa explicar alguma coisa, o seu uniforme altera-se novamente, voltando ao que ele utiliza atualmente.

— Pelo jeito, — fala Aço — estas anomalias temporais estão ficando cada vez piores.

— Estou tão surpreso quanto vocês. — fala Eléktron.

De repente, o alarme da Base soa.

— Onde estão nos atacando? — pergunta o Super-Homem.

— Segundo os controles, — fala Wally West — o ataque é aqui na sala de reuniões.

Surge então Immortus diante dos heróis. A versão futura de Kang observa os justiceiros reunidos. Mesmo surpresos com a sua chegada, eles já estão prontos para um ataque.

— Quem é esse cara? — pergunta Kyle Rayner

— Ele se chama Immortus e se considera uma espécie de guardião do tempo. — fala Mônica Rambeau.

— Liga da Justiça! — fala Immortus — Como senhor do Limbo, presenciei as anomalias temporais que estão ocorrendo, e, como responsável pela manutenção da ordem do espaço-tempo, eu os culpo pela desordem que está ocorrendo. Por isto, vocês devem ser retirados agora desta dimensão.

— Espere! — fala Super-Homem

Mas já é tarde. Antes que os heróis possam reagir, um raio os atinge, fazendo com que desapareçam. Eles são seguidos por Immortus. A base fica abandonada.


Continua




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.