hyperfan  
 

Birds of Prey # 14

Por Igor Appolinário

O Dom — Parte III
O Canto do Canário

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Birds of Prey
:: Outros Títulos

Torre do Relógio — Gotham City

O som do ar se deslocando é a única coisa que se escuta nesta sala no momento. Isso e ocasionais sons de coisas se quebrando. Vasos... móveis... ossos...

Cassandra Cain, filha do mercenário David Cain e atual protegida de Bárbara Gordon, e Lady Shiva, assassina profissional e mestre em artes marciais, se digladiam na pequena sala do apartamento de Babs. (*)

Cada soco, cada chute, cada intenção... Shiva e Cass são capazes de ver tudo e conseguem se livrar facilmente uma da outra. O combate já dura vários minutos, algo inimaginável para Shiva.

— Você é boa, garota, mas vamos ver se é tão boa mesmo...! Kyyyyaaaahhhhhh!!!!

Sala virtual — Torre do Relógio

— Rápido, Zatanna, faça algo ou ela vai morrer! Vamos nos teleportar para algum hospital!

— Não, Bárbara. Muitos dos graves ferimentos de Dinah foram causados por magia. Apenas a magia pode salvá-la.

— Então, a salve! Eu não vou perder Dinah desse jeito!!

— OK. Vou tentar um encantamento muito antigo, a restauração completa. Mas não garanto que vá funcionar, eu nunca tentei antes...

— Por favor, qualquer coisa para salvá-la. Qualquer coisa!

CRASH

— O que foi isso?

— Não se preocupe, Zatanna. Eu vou dar uma olhada. Concentre-se em salvar a vida da minha amiga.

Bárbara deixa a sala com um olhar desolado. Zatanna percebe a profunda ligação que existe entre essas mulheres e decide se esforçar o máximo.

Departamento de biofísica — Universidade de Nova York — N.Y.

Marcus Oebius, professor e chefe da equipe de pesquisas da Universidade de Nova York, anda impaciente por entre as mesas de seu laboratório. Suas pesquisas na área de biologia, mais especificamente no trabalho com bactérias, já estão bem atrasados. Agora, a construção de um acelerador temporal é imprescindível para que seu trabalho tenha avanços reais.

— Professor Oebius. — diz um jovem ao entrar na sala — Os técnicos disseram que o senhor já pode trazer as amostras para o experimento controlado.

— Obrigado, Alexander. Eu já estou indo.

Oebius pega alguns vidros cilíndricos e achatados, cheios de uma gelatina incolor salpicada de diversas manchas coloridas, e sai da sala. Alguns andares abaixo do térreo, cientistas o aguardam ao lado de uma grande máquina quadrada com uma janela de vidro fosco do tamanho de um homem. O professor Oebius entra no recinto e entrega os vidros ao homem mais próximo da janela. Este aperta um dos vários botões da máquina e observa a janela se abrir parcialmente. Apoiados em um braço mecânico, os vidros são colocados dentro da janela atrás de uma "cortina" de raios multicoloridos.

Entropia, lar dos Homens Lineares, seres dedicados a manter a coerência do fluxo temporal. Liri Lee, a única mulher do grupo, observa atentamente os monitores. Algumas ondulações provenientes de nossa época a intrigam.

— Talvez Tempus deva ser informado desse pequeno sinal...

— Liri Lee! — grita Hunter, outro integrante da equipe — Radicais do século 67 estão tentando impedir que as caravelas de Cristóvão Colombo cheguem a América. Vamos!

Liri Lee desaparece no fluxo logo após a partida de Hunter. Mas um sinal de preocupação se cristaliza em sua imagem residual.

Babs chega à sala o mais rápido que sua condição permite e se depara com algo completamente inesperado. Shiva e Cassandra se enfrentam sem um segundo de descanso. Alguns de seus golpes mal podem ver entrevistos.

— Shiva! — grita Bárbara, fazendo a assassina parar — O que você quer aqui?!

— Ora, uma nova jogadora. E parece que me conhece. Canário Negro não sabe mesmo guardar um segredo.

— O que você quer?

— Eu quero vingança! (**) Segui Canário Negro até aqui e a espionei. Aqui é sua base. Dela e do misterioso "Oráculo"...

— ...solep sotirípse ed arortuo, euq o oçitief es aulcnoc!

Zatanna brilha em meio a uma nuvem multicolorida. As brumas do feitiço envolvem o corpo de Canário Negro e fecham seus ferimentos com uma perfeição espantosa. Ao concluir o encantamento, Zatanna fica exausta e observa Dinah, que dorme tranqüilamente.

— Eu fiz tudo o que eu podia. Espero que tenha funcionado... por dentro. Onde está Bárbara?

Zatanna deixa a sala virtual e vai até os outros cômodos, procurando por Oráculo.

Museu de História — Gateway City

Uma tempestade atinge as janelas do museu de Gateway. Sombras misteriosas caminham pelo lado de fora do prédio, procurando algo.

KABOOM!!! CRASH!!!

Um trovão explode contra uma janela e um vulto caminha pelos pisos de mármore do museu. Ele se aproxima de uma cúpula de vidro, dentro da qual está uma estátua de ébano que representa uma deusa.

Zatanna se aproxima da sala de estar do apartamento de Bárbara e se depara com as três mulheres em um momento tenso.

Zatanna começa a gesticular e a pronunciar um encanto, mas Shiva percebe sua chegada e prontamente ataca a bruxa. Um rápido golpe na boca do estômago tira o ar de suas palavras e uma batida na nuca a coloca a nocaute.

Oráculo aproveita a distração e aciona tasers estrategicamente inseridos em sua cadeira. Shiva, em uma fração de segundo, desvia dos dardos eletrizados e rende Bárbara, ameaçando quebrar seu pescoço...

— Agora me diga! Onde estão Canário Negro e Oráculo?!

— Meu Deus! Isso deve ser a Mãe de todas as ressacas! — diz Canário Negro, se levantando levemente tonta do chão da sala virtual — Cada parte do meu corpo dói e eu mal consigo lembrar meu nome...

Dinah coloca-se de pé e apóia o corpo contra uma parede. A sala gira por alguns instantes e, quando tudo volta à estagnação, ela vê pela fresta da porta entreaberta a claridade invadindo a escuridão do lugar.

— OK, eu sou Canário Negro, Dinah Lance para os mais íntimos, bem... "tchutchuquinha" para os bem íntimos... — diz Canário para si mesmo, saindo pela porta — E pelo jeito estou de volta à Torre do Relógio após ser atropelada por um caminhão vindo de Oz. Até aqui tudo b... o quê?

Canário observa a fresta da porta seguinte e vê Shiva, Babs e Cassandra na sala de estar.

Em algum lugar do Oriente Médio

Uma jovem caminha por um corredor de pedra iluminado por archotes. Ela já fez esse caminho dezenas de vezes, em dezenas de lugares diferentes, e se pergunta o porquê de sempre tornar a fazê-lo.

"Porque eu devo a ele..."

Ela se aproxima de uma grande porta de ferro e a abre com um estrépito. O homem sentado no trono de pedra no outro lado do salão pára de conversar com o gigante branco ao seu lado e se vira para a jovem.

— Então? Me traz notícias? — pergunta com uma voz serena, mas autoritária, encarando-a com um rosto que mal passou da meia-idade e com olhos que viram séculos.

— Sim, senhor. Seus planos seguem como devem. O mapa logo será trazido à sua presença.

— Sim, isso é perfeito. Perfeito...

O braço de Shiva aperta o pescoço de Bárbara, quase deixando-a totalmente sem ar. Em uma tentativa de se libertar, Babs tateia os braços de sua cadeira e retira dois bastões de combate de um compartimento secreto, atingindo então Shiva em locais sensíveis. A assassina se afasta e Cassandra aproveita a oportunidade para atacá-la.

As duas voam pela sala e Shiva coloca Cass em uma posição desfavorável, deixando-a encurralada e suscetível a um golpe fatal. Canário vê a cena, mas seu corpo mal responde, sendo incapaz de agir. Contudo, assim que Shiva levanta seu punho, um calor espectral enche seu peito.

— Não!! Skrrrrrriiiiiiieeeeeeee!!!!!!!!!

O grito sônico de Canário Negro joga Shiva para o outro lado da sala. A garganta de Dinah queima como se pegasse fogo, seus olhos lacrimejam de dor. Cassandra pega a vilã e a lança para longe, dentro da sala dos computadores. Canário reúne suas forças e emite outro poderoso grito, desmaiando logo em seguida.

— Skrrrrrriiiiiiieeeeeeee!!!!!!!!!

Shiva é içada do chão pelo poder do grito e é jogada contra o vidro do relógio, caindo para fora do prédio. Bárbara vai até Dinah e Cassandra corre para o relógio. Ela olha para baixo, mas não vê nenhum sinal de Shiva.

— Dinah! Graças a Deus você está viva...!

Em algum lugar de Gotham

Um homem corre desesperado pelas ruas desertas de Gotham. Ofegante e apavorado, de tempos em tempos ele olha por sobre os ombros, sem parar de correr. Um pequeno grupo de pessoas o segue bem de perto.

O homem entra em um beco e, para seu espanto, dá de cara com uma parede. O destino sorri mais uma vez, irônico. O homem olha para trás e encara seus perseguidores, que começam a revelar pistolas e metralhadoras. O homem volta a encarar o muro, toma impulso e pula para o telhado logo acima. Os homens armados esbravejam.

O perseguido olha aliviado para baixo e, com um sorriso irônico, se vira. O sorriso morre em seus lábios enquanto ele estrebucha no chão após seu corpo ser conspurcado por dezenas de balas saídas das armas dos homens que o aguardavam no telhado.

— Suvenires! — diz um deles, eufórico, tirando uma faca do cinto.

Epílogo 1

Pequenos cacos de vidro são lançados em uma bandeja de metal. O sangue que escorre deles forma poças na superfície não plana.

Shiva pega um rolo de gaze e começa a enfaixar seus ferimentos. A dor de alguns deles a incomoda, mas o que batuca em sua mente é a imagem de uma garota asiática que ousou desafiá-la.

Epílogo 2 — Torre do Relógio

— Isso é magnífico! — diz Dinah, com uma voz rouca, mas firme.

— Eu sei! Z disse que o encantamento recupera o organismo da pessoa completamente. Pelo jeito restaurou seu dom com perfeição.

— E como! Só tenho que voltar a me acostumar com ele. Mas espero que esse feitiço não tenha completado meu organismo tão perfeitamente assim...

— Por quê?

— Ora, a minha primeira apendicite já doeu o suficiente pra eu ter que passar por outra!

— Bebezona...! — diz Babs, alegre — O que houve, Cassandra?

— Nada... nada... — diz Cassandra, pensando em quando Shiva voltará para sua segunda revanche.

Epílogo 3 — Subsolo de Gotham

— Sadroc! — cordas surgem do nada e prendem as pernas de alguns homens que correm pelos encanamentos do esgoto de Gotham — Mais três lacaios da Cabala Negra pra minha lista.

Zatanna continua caminhando pelos corredores pútridos e caçando os seguidores do Zephiroth.

"Até o dia que aquele pulha der as caras novamente..." — pensa ela, concentrando-se para lançar outro feitiço em mais um grupo de fugitivos.


:: Notas do Autor

(*) Na edição anterior. voltar ao texto

(**) Saiba o porquê da fúria de Shiva lendo a minissérie Birds of Prey: When the Birds Pray. voltar ao texto



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.