hyperfan  
 

Birds of Prey # 20

Por Igor Appolinário

Uma jovem de longos cabelos loiros caminha por uma rua. Ela toma um sorvete e pára ao lado de uma banca de jornais, lendo as manchetes. De repente, toda a banca começa a tremer e a se torcer como se fosse esmagada por uma força invisível. O jornaleiro se joga para fora a tempo de evitar ser prensado, caindo sobre uma pilha de revistas com a foto do velocista Flash estampada nas capas.

Vingança Magnética
Estágio Gotham

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Birds of Prey
:: Outros Títulos

Torre do Relógio — Gotham City

— Lembre-me de nunca mais aceitar uma missão com vocês. — diz Caçadora, entrando na sala de Oráculo, seguida por Canário Negro. As duas cobertas de lixo.

— Eu disse pra você parar a maldita moto, irgh! — diz Dinah, tirando um pedaço de alface do cabelo.

— Deveria ter avisado alguns metros antes da gente chegar no caminhão de lixo!

— Meninas... — diz Bárbara, entrando com sua cadeira de rodas na sala — O importante é que pegamos os traficantes e amanhã de manhã as únicas coisas que as crianças vão encontrar são bichinhos de pelúcia sem estofo.

— É, muito original da parte deles. — diz Helena Bertinelli, a Caçadora, jogando-se em uma cadeira.

— Helena. — diz Babs, se aproximando da vigilante — Não sei se você reparou, mas ultimamente temos trabalhado muito juntas...

— Pois é, minha vida social virou fumaça nas últimas semanas...

— Bem, eu gostaria de fazer um convite. Cassandra partiu há algum tempo (*) e, mesmo contra minha vontade, ela ajudou muito esta equipe. Sentimos a falta dela e precisamos de mais ajuda...

— Pára de me enrolar, Oráculo. Você quer que eu faça parte dessa equipe, não é? Vocês são complicadas demais pra mim... e eu não sou tão boa assim pra trabalhar em grupo. Mas eu vou pensar...

Waynetech Tower — Gotham City

Uma figura esguia sobrevoa a entrada principal da Waynetech Tower, sede dos centros de pesquisa das Empresas Wayne. Ela se eleva lentamente até o décimo-quinto andar, onde pára, flutuando em frente a janela espelhada. Qualquer pessoas que estivesse olhando a figura do outro lado da janela veria apenas o brilho metálico de sua roupa. Subitamente a janela se torce, o vidro explodindo em milhões de pedaços, a moldura sendo arrancada da parede. A figura entra na sala e se dirige a uma grande porta metálica na parede oposta. O metal começa a borbulhar e se abre como um redemoinho. A figura caminha em direção a nova passagem, mas quando está quase dentro do cofre alarmes disparam, luzes vermelhas brilham e a figura foge, segundos antes que paredes de concreto selem o andar.

Torre do Relógio

"... e me avise se encontrar qualquer indício de quem fez isso. Espionagem industrial é bem mais sério se você pode arrombar uma sala a mais de 60 metros de altura. Câmbio, desligo."

— Claro, de nada. — murmura Oráculo para ninguém em especial. Ela inicia seus servidores e com alguns comandos rápidos começa a pesquisar registros da internet, da imprensa e policiais. Depois de alguns minutos de trabalho árduo, ela encontra algo do outro lado do país — Interessante, um assalto em uma empresa de tecnologia em Keystone City. (**) Mas que tipo de aparelho eles estão procurando?

— Eu já disse que não! — grita Caçadora, se lançando do alto de um prédio.

— Você precisa ser tão cabeça-dura? — diz Dinah, acompanhando o salto.

— Se isso é mais uma tática para me fazer parte do seu grupinho, esqueça! — diz a outra vigilante, aterrissando em um telhado.

— Viu, é disso que eu estou falando! Você não dá o braço a torcer, é como se achasse que todos querem te ferrar.

— E não querem? Cansei de ser aceita e rejeitada pelo morcegão...

— Oráculo não faria isso com você.

— Ela não gosta de mim, não depois do que houve com o "gatão-prodígio". Você também não parece querer ser minha melhor amiga.

— É, quanto a isso você pode até estar certa...

Waynepower — Gotham City

A esguia figura flutua por entre as grandes torres de transmissão de energia. A eletricidade estala em seu caminho, criando curvas magnéticas entre as torres. A figura se aproxima da porta da grande central de controle e com um gesto a arranca do batente. Alarmes disparam, mas desta vez a figura não se preocupa, não há nada que possa prendê-la ali.

Oráculo detecta o pedido de ajuda da central energética e contata rapidamente Canário Negro:

— Dinah, uma invasão na Waynepower. Creio que é o mesmo invasor da Waynetech, os funcionários podem estar em perigo, vá o mais rápido possível.

OK, Oráculo. Logo estaremos lá.

— Estaremos...?

— E, afinal, quem está fazendo esse fuzuê todo na companhia elétrica? — pergunta Caçadora, na garupa da moto de Canário Negro.

— Ainda não sabemos, mas Oráculo está investigando.

— Nossa, vocês já ouviram falar de pesquisa prévia? Que desorganização!

— Pesquisa prévia!? Não vamos enfrentar um mafiosinho que almoça todo dia no mesmo restaurante, é um meta-humano poderoso que pode arrancar metal concretado em uma parede no décimo-quinto andar de um prédio!!

— Uau, vocês sabem se divertir, não?

Canário Negro e Caçadora chegam na entrada da Waynepower e vêm pessoas correndo desesperadas de dentro do prédio. Elas entram e encontram a figura em meio as torres de transmissão, o metal se contorcendo ao seu redor, os transformadores explodindo em grandes chuvas de faíscas.

SKRIIIIIIEEEEEEEEE!!!!!!!!!!!!!

Canário Negro usa seu grito supersônico para chamar a atenção da figura, que momentaneamente esquece os transformadores e parte para cima das vigilantes. Canário e Caçadora observam estarrecidas enquanto a figura passa incólume pelas chuvas de faíscas, revelando seu uniforme metálico, prata e cor-de-rosa, seus longos cabelos cobertos por uma camada de metal cinza. Os olhos, outrora azuis, agora cobertos com uma película prateada, observam as duas intrusas. Magenta, a ex-Titã, navega as ondas de magnetismo e encara Canário e Caçadora.

— Vocês estão atrapalhando. — diz calmamente, lançando massas de metal retorcido contra as duas mulheres.

Dinah e Helena correm para o lado, evitando a massa metálica. Caçadora dispara sua balestra seguidamente, mas as setas com ponta de metal simplesmente desviam de Magenta, caindo no chão inertes. Canário Negro tenta novamente o grito sônico, mas as ondas sonoras não conseguem atravessar o escudo magnético da oponente. Magenta se concentra e um pulso eletromagnético acaba de vez com os transformadores de energia. Ela então parte, deixando Dinah e Helena soterradas por pedaços de metal.

Torre do Relógio

Iniciando sistema reserva de energia. Suporte de sistemas operacionais será reiniciado em alguns minutos. Aguarde.

— Droga! Nosso inimigo misterioso fez a festa na Waynepower. Agora ele deve estar a caminho da Waynetech para pegar o componente no cofre de segurança.

"Mas por que ele precisa de um componente eletrônico?" — pergunta-se Oráculo, enquanto lentamente seus computadores voltam a funcionar. Ela havia encontrado as plantas de construção e sabia que juntamente com o componente de Keystone e mais um, ele poderia criar um disruptor vibracional — "Mas para quê?"

Oráculo! Ela fugiu, estamos enfrentando uma meta-humana muito perigosa, é Magenta!!

Waynetech

Sid era um bom zelador. Em 15 anos, nunca havia deixado que qualquer um dos 30 andares do prédio ficassem sem papel, luz ou ventilação adequada. Mas nada nesses anos haviam preparado-o para a imagem que via agora no subsolo do prédio: uma mulher usando um colante metálico despedaçando os geradores de energia reserva, que ele havia ligado há pouco tempo, com as mãos nuas. Escondido atrás de uma coluna, ele está indeciso se deve atacar com a chave de fenda que está nas suas mãos ou correr desesperado pela saída de incêndio. A corrida está decididamente vencendo o embate. A sinistra mulher segue para o poço do elevador e sobe sem ajuda aos andares superiores, chegando novamente à sala do cofre.

Canário Negro e Caçadora param a moto na entrada do prédio da Waynetech, a tempo de ver a grande e nova janela do décimo-quinto ser lançada para fora da moldura. As duas se jogam para o lado, enquanto vêem a moto de Canário ser esmagada.

— Droga, é a terceira esse mês!

— Eu posso não gostar muito de você, mas você tem estilo. — diz Caçadora, olhando para o alto e vendo Magenta sair do prédio tranqüilamente — O que vamos fazer agora?

Canário, aqui é Oráculo, responda.

— Estamos aqui, Oráculo, mas perdemos ela. Magenta conseguiu pegar o que estava no cofre.

Não vamos perder a esperança, Canário. Eu sei o que Magenta pretende. Ela está construindo um aparelho e eu sei onde ela vai agora.

— Onde?! — perguntam Canário e Caçadora, em uníssono.

Metropolis...

Interlúdio — Washington, DC — quartel-general da CIA

— Alguma notícia, agente Taylor?

— Bem, não sei exatamente. Estão havendo alguns distúrbios em Gotham City, agente Jordan, mas não parecem ser diretamente ligados a Oráculo. Uma estação de energia que abastece o lado leste foi desativada e o prédio da Waynetech foi invadido e roubado por uma meta-humana com poderes magnéticos. A identificação está sendo processada agora...

— Mas isso realmente nada tem a ver com Oráculo! Você me chamou aqui a toa! Um dia desses, Taylor...

— Calma, calma! No último caso, do roubo, foi também avistada a vigilante conhecida como Canário Negro, que nós já sabemos ter alguma participação no esquema de Oráculo...

— Muito bem, Agente Taylor, continue. Eu quero saber exatamente o que foi roubado da Waynetech.


Continua...


:: Notas do Autor

(*) Na edição anterior. voltar ao texto

(**) Como visto em Birds of Prey # 13. voltar ao texto




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.