hyperfan  
 

Lobo # 19

Por Lucio Luiz

A Luta do Milênio
Parte I

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Lobo
::
Outros Títulos

O F*dão do Universo

O título em letras garrafais na entrada do ginásio de lutas Rocky Balboa, no planeta Konnan, já deixa bastante claro o que os espectadores podem aguardar. Alienígenas fãs de luta vindos de todos os cantos do universo brigam pelos últimos ingressos nessa que já é considerada a maior competição do gênero em todos os tempos.

Os maiores lutadores de todas as galáxias se inscreveram para fornecer aos fãs da porradaria um show digno de nota. O campeão dos campeões, além de ser considerado por todos o "f*dão do universo", ainda ganhará o incrível prêmio de 700 mil créditos.

O regulamento do torneio é simples: encha o adversário de porrada até ele cair. Apenas duas coisas são proibidas no ringue: portar armas, a não ser que façam parte de sua própria fisiologia; e matar de propósito o oponente. Ou seja, se durante a briga alguém trespassar o peito do adversário e arrancar seu coração, não há problema. Contudo, se um lutador estiver desmaiado e seu oponente resolver estrangulá-lo até a morte, é proibido. A intenção é aumentar a emoção do público, claro.

Os lutadores são divididos em diversos grupos. A cada luta, os vencedores (ou sobreviventes, dependendo do caso) avançam uma fase. O vencedor será decidido após a grande luta final, que envolverá os mais... bem... os mais f*dões do universo.

É lógico que Lobo não poderia deixar algo assim passar em branco e se inscreveu nos últimos minutos no torneio.

Seu energúmeno! Asno! Imbecil!

Na pequena sala dos coordenadores do evento, um irritado senhor de pele púrpura com bolinhas amarelas entra xingando seu companheiro. Essas duas figuras são, respectivamente, Abynk e Gásbek, sub-gerentes da Dolph Lundgren Porradary Enterprises, entidade mantenedora do concurso "O F*dão do Universo".

— Que é isso, Abynk? — pergunta, assustado, um jovem azul-esverdeado ainda imberbe e cheio de espinhas no rosto.

— Eu não falei que não era pra fazer a divulgação do concurso no quadrante 256?

— Ops... não era... 265?...

— Não, sua anta! Era 256!!

— Mas... qual era mesmo o problema?

— Cacilda! É que agora aquele maníaco do Lobo soube do concurso e se inscreveu!

— Lobo? Pô, mas ele é f*dão, mesmo. Os outros competidores não vão dar nem pro cheiro...

— Pois, é, sua besta! Ele vai chegar com certeza na última luta e ela não vai durar nem meia hora!

— Xi... então, não vai dar tempo de desviar a verba do torneio durante a última luta e fugir com a grana, como tínhamos combinado...

— E é tudo culpa sua! Vem cá que vou te esganar!

Nem momento de desespero iluminado, o assustado Gásbek tem uma idéia.

— Calma Abynk... gh... larga... meu... pescoço... tive... uma... idéia...

— Fala logo! — Abynk solta o pescoço de seu colega e ouve, ainda irritado, sua idéia.

— Ouvi falar de um planeta... acho que é chamado "Terra". Lá há vários seres poderosos que conseguiriam manter uma luta com o Lobo por mais de uma hora. Pelo menos por tempo suficiente pra gente fazer o que precisa durante a última rodada.

— Terra... ei, esse não é o planeta do Super-Homem?

— Isso mesmo!

— Vamos lá agora mesmo. Vamos trazer o Super-Homem aqui pra manter Lobo ocupado.

— Acho que ele não viria... ele é... como direi?... bonzinho demais.

— Não tem problema. Se este é o planeta do Super-Homem, deve haver alguém tão poderoso quanto e que seja casca-grossa o suficiente pra lutar com Lobo. Vamos até lá urgentemente. Temos poucas horas até do início do concurso!

Na cantina do ginásio Rocky Balboa, Lobo bebe uma cerveja ao lado de seu colega de trabalho Jonas Glim. Sabiamente, Jonas não se inscreveu no concurso, pois tem plena consciência de que seu colega é imbatível.

— Qualé, Lobo? Eu sei que esse concursinho é moleza pra você. Mesmo assim não seria melhor tu treinar um pouco?

— Não enche, Jonas. Me deixa em paz com a minha cerveja. Tu viu os manés que estão por aí? São só oito lutas com alguns desses babacas. Vou detonar todo mundo em menos de uma hora, quer apostar?

— Não. Deixa pra lá. Eu sei que isso vai acabar rápido mesmo.

— Falou.

— Ei, olha ali. Parece que já vai começar.

— Beleza. Tava louco pra dar umas porradas.

Na Terra, dois alienígenas devidamente disfarçados com indutores de imagem que os deixam parecidos com humanos procuram, em vão, um ser tão poderoso quanto o Super-Homem

— E esse tal de Hulk? — pergunta Abynk para seu jovem companheiro Gásbek.

— Muito instável. Não daria certo. Pode no meio da luta virar um cara franzino, pelo que pesquisei.

— Então não sobrou ninguém, pô!

— Dei uma olhada geral por algumas cidades. Tem muita gente poderosa, mas a maioria desses chamados "super-heróis" realmente são bonzinhos demais para serem cooptados.

— Mas temos nosso raio imobilizador.

— Mesmo assim, acho que nenhum deles é páreo para o Lobo. Pelo que andei pesquisando, nem o Super-Homem conseguiria derrotá-lo no sistema do planeta Konnan, pois lá o sol é vermelho e ele perde seus poderes perto de sóis que não sejam amarelos.

— Droga!

— Mas encontrei algo que talvez possa ajudar. Dá uma olhada nisso aqui.

— Mas isso é um gibi. Eles têm essa tranqueira aqui na Terra? Que povinho mais atrasado...

— Sim, é um gibi. Mas veja bem o que ele mostra.

— São lutas entre esses super-heróis. — Abynk começa a folhear a revista — Hum, Super-Homem vence aquele tal Hulk... ei, esse aqui não é o Capitão Marvel, que pensamos em convidar? Ele perde para esse tal de Thor. Nossa! Isso é um verdadeiro compêndio sobre as forças dos heróis da Terra!

— Leia um pouco mais adiante e vê se reconhece quem está aí.

— É o Lobo!

— Sim... e olha o que acontece.

— Ele perde a luta! Mas... será que essa fonte é válida?

— Bem... um menino usando uma camisa escrito "Marvel"...

— Marvel?...

— É. Significa "maravilha" na língua deles, deve ser alguma seita. Mas, como dizia, esse menino, que foi quem me forneceu a revista, me falou que esse Wolverine realmente detona com Lobo.

— Wolverine... precisamos desse cara logo!

— Até porque a competição já deve ter começado a uma hora dessas e temos pouco tempo para levá-lo até lá.

Na arena central do ginásio de lutas Rocky Balboa, Lobo encara seu primeiro desafio. Roughar é um khúndio muito experiente em batalhas. Todos os espectadores que pagaram muito caro para assistirem às lutas esperam por uma luta épica.

O problema é que Lobo põe o adversário a nocaute em apenas dois minutos.

Terra. Em Westchester, nos Estados Unidos, há uma mansão que abriga pessoas alijadas do mundo devido a uma pequena disfunção genética. São os chamados mutantes. Seres que, apesar de odiados por grande parcela da sociedade, devotam suas vidas a salvar os oprimidos.

Eles possuem superpoderes como centenas de outros heróis, mas curiosamente são desprezados pela sociedade porque não ganharam seus poderes por terem vindo de outros planetas ou por terem se encostando em um meteoro radiativo, mas sim por uma peculiaridade de seu DNA. Claro que essa mesma sociedade respeita os portadores de síndrome de Down e de outras anomalias genéticas, o que torna ainda mais estranho esse preconceito específico contra os mutantes.

Os moradores dessa mansão aprendem a fazer o bem e a utilizar seus poderes em prol da humanidade graças a um coroa careca que anda por aí numa cadeira de rodas e tem uma lábia muito boa. Os mutantes bonzinhos ficam por aqui, enquanto os malvados seguem outro coroa que mexe com tudo que é feito de metal. Mas isso não vem ao caso agora.

Como um ser à parte entre os seres à parte no mundo, está Logan, mais conhecido como Wolverine. Um mutante muito forte, com uma capacidade de cura fenomenal, cujos ossos são formados pelo metal inquebrável conhecido como adamantium. Ele ainda possui garras que saem de suas mãos e servem para triturar inimigos ou, às vezes, para abrir tampas de vidros de azeitona.

— Já pedi para não fazer isso com as azeitonas, Wolverine. — reclama Emma Frost, outra mutante moradora da mansão, possuidora de poderes telepáticos.

— Cacete, Emma. Essa droga de vidro não abria de jeito nenhum. Situações extremas exigem medidas extremas, né?

— Esqueça esse papo, Logan. Era só pedir para o garoto novo que tem o poder mutante de abrir vidros.

— Qual? Aquele loirinho com cara de bicha?

— Não, esse é o que tem o poder mutante de fazer desaparecer lingeries femininas.

— Esquece essa lenga-lenga, Emma, e me ajuda aqui a colocar azeitona na empada.

— Tudo bem, Logan. Vou colocar azeitona na sua empada de novo. Mas já estou cansada de lhe ajudar na cozinha. Ontem, você até pediu para eu colocar sua salsicha especial no cachorro-quente.

— E não tava gostoso?

— Sim, muito gostoso... ai, ai...

De repente, surge um garoto cujo poder mutante é de quebrar climas romântico-sexuais gritando:

Socorro! Tem dois alienígenas aí fora dando tiro em todo mundo!

— Wolverine e Emma Frost correm para fora da mansão a tempo de ver Abynk e Gásbek ameaçando com suas pistolas de raios laser alguns mutantes adolescentes.

Um jovem mutante que tem o poder de virar uma bola de futebol é lançado na direção dos alienígenas por um mutante latino, cujo poder é de chutar bolas a alta velocidade. Gásbek é atingido no rosto e desmaia, enquanto Abynk encara um mutante que tem o poder de pular como um canguru dar um salto sobre ele e fugir floresta adentro.

Vendo que o vilão está distraído, Wolverine se aproxima com suas garras a postos e corta a pele do extraterrestre. Contudo, nesse momento, Gásbek acorda e, vendo Wolverine na sua frente, dispara a arma imobilizadora.

Carregando um estático Wolverine debaixo dos braços, os dois alienígenas correm para sua nave e conseguem fugir. Um mutante cujo poder é ter uma pele com a textura de lenço de papel é utilizado por Emma para secar suas lágrimas, pois ela chora pelo destino de seu... ahn... amigo.

Lobo está prestes a concluir sua antepenúltima luta. À medida em que ele galgou seus passos no caminho da vitória, as lutas ficaram um pouco mais complicadas. Às vezes durando longos cinco minutos.

Nos intervalos, Lobo bebia cada vez mais cerveja, o que reduziu seus reflexos, mas nada a ponto de deixá-lo à mercê desses adversários que certamente não merecem o título de f*dão do universo. Os espectadores já não se entusiasmam mais com as lutas de Lobo, pois são ridiculamente rápidas.

— Está combinado, então? — diz Abynk para um ainda paralisado Wolverine — Você luta com Lobo e depois nós te levamos são e salvo pra Terra.

— Caso contrário? — fala, irritado, o mutante.

— Caso contrário a gente volta lá e derruba aquela casinha com todos seus amigos dentro. Temos um acordo?

— Quem é esse tal de Lobo?

— Você... — assusta-se Gásbek — Você não o conhece?

— Acho que já ouvi falar. Ele é algum tipo de vilão?

— A gente viu um gibi em que você ganhou dele em uma única página!

— Em um único quadrinho. — corrige Abynk.

— Gibi? Ah... acho que sei que gibi é esse! Aquilo ali foi um troço que uns caras inventaram pros fãs de super-heróis votarem nos seus preferidos, que ganhariam a briga com outros super-heróis no gibi. Você acha que aqueles heróis iam ficar mesmo brigando uns com os outros na vida real por um motivo tão babaca? Isso foi só pra tirar dinheiro de otário.

— E tem tanto otário assim na Terra?

— Tanto quanto no espaço, pelo que eu tô vendo.

— Afinal... — interrompe Abynk — Temos um acordo ou não?

— OK. Mas se você estiverem de sacanagem comigo, faço questão de picotar vocês pessoalmente.

Algum tempo depois, após sua última briga, Lobo ouve o sistema de comunicação do ginásio avisar:

— Após vencer suas oito lutas, o czarniano Lobo agora enfrentará seu último desafio...

Que porra é essa? — grita Lobo, irritado, para os juízes — Já ganhei as oito lutas! Que luta extra é essa aí?

— Calma, senhor Lobo. — explica, amedrontado, um dos juízes — Segundo o regulamento que o senhor assinou ao se inscrever, consta... hã... a possibilidade de uma luta extra com alguma personalidade do universo. Exigência dos patrocinadores...

— Uma curiosidade: aqui tem cinco juízes, mas precisa de tantos assim?

— Er... não... é que sempre tem um reserva para algum... problema... hein?

Lobo arranca então a cabeça do juiz portador das más notícias. Os outros juízes conferem o regulamento e vêem que não há nada que impeça essa atitude, então Lobo pode continuar no campeonato para a última luta.

— E quem é esse babaca que vai morrer agora? Só tinha franguinhas até agora, será que vem alguém que preste?

Senhoras e senhores! Preparem-se para aquela que certamente será conhecida no futuro como a luta do milênio! À esquerda, o último remanescente do planeta Czárnia, Lobo! À direita, diretamente do planeta Terra, Wolverine!

— Tu é da Terra, babaca? — implica Lobo — Lá só tem viado. Vou acabar contigo em dois minutos.

— Aí, sua besta! — responde o mutante — Eu não ia lutar porra nenhuma, só tava enrolando aqueles ETs imbecis pra me tirarem do congelamento, mas vou ter o maior prazer em quebrar a tua cara!

— Há! Essa eu quero ver!


No próximo capítulo: Parem tudo o que estejam fazendo! Vai começar a luta do milênio! Lobo versus Wolverine no combate que mostrará quem é, definitivamente, o mais f*dão do universo!

Obs.: e não pense que só pelo fato de esse fanfic ser do Lobo, nós vamos facilitar as coisas para ele. Pelo contrário. Quem viver, verá...



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.