hyperfan  
 

Mulher-Hulk # 02

Por Josa Jr.

Você já viu pessoas indo parar no Limbo? Sabe, é uma coisa terrível para se fazer com alguém. Elas somem da sua cronologia, e você nunca mais as vê. Às vezes, você mandou propositalmente uma pessoa pra lá. Não sei se é tão ruim quanto mandá-la pra lá sem querer.

Mas existe uma coisa ainda pior que tudo isso que eu disse: é quando você se auto-exila no Limbo. Por vontade própria (ou não), você resolve que deveria sumir de um certo universo.

Mas aí um autor maluco aparece e resolve te resgatar deste lugar terrível. Às vezes, isso também acontece. Bom, essa é a parte boa.

— Você tá todo filosófico nessas últimas edições, né Josa?

[— Não posso evitar, Jenny, preciso ser aceito no Vertigo Knights. :P]

— Palhaço! Essa piada foi ótima!

[— Um dia... um dia...]

Minha Vida é um Limbo Aberto

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Mulher-Hulk
::
Outros Títulos

O cenário é desolador: milhares de personagens esquecidos por escritores e leitores reunidos em um prédio abandonado. Em cima de um palanque improvisado, um homem fala à multidão, um monte de entusiastas de sua idéia bizarra.

— Temos de nos rebelar contra esses malditos editores, escritores e leitores! Fomos enviados para o Limbo por diversos motivos, todos injustos! Alegam que somos ridículos, que ninguém se interessa por animais poderosos, que só deve existir um kryptoniano, que causamos problemas na cronologia! Isso deve acabar! Liderados por mim, o Doutor Bong, nós teremos lugar no universo, seremos relembrados e celebrados!

Jennifer se assusta com o que vê e imagina todo o problema que uma idéia dessas pode causar. Mas, no fundo, ela sente pena desses seres. Poderia ser ela entre aquele pessoal — versões femininas de heróis não costumam ser vistas com bons olhos, como a Supermulher e Batmulher no canto do palanque poderiam confirmar. Tais pensamentos são esquecidos quando ela percebe que alguma coisa está roçando em seu tornozelo e olha para baixo.

— Miau...

— Essa não... não me diga que...

Um gato com capa de herói já deveria ser esquisito para uma pessoa normal, porém a situação se torna mais bizarra ainda quando o animal levanta vôo. O felino pára no ar, como um gato comum e olha para a pasma Mulher-Hulk.

— Hã... V-você é Raiado, certo? O S-supergato, de Krypton?

O gato balança a cabeça positivamente.

— Josa... Raiado? Isso tá ficando ridículo demais! Até para você! O que mais falta acontecer?

Antes que o escritor possa responder qualquer coisa, alguém toca o ombro de Jenny. Beppo, o Supermacaco, puxa o cabelo da Mulher-Hulk e faz um sinal para que ela e Raiado saiam da Sala de Justiça. Mesmo contrariada pela humilhante situação, Jennifer resolve seguir o macaco e o gato voadores.

Dotados de superinteligência, os Super-Animais não têm tanta dificuldade em se comunicar com humanos. Rabiscando na areia, o Símio de Aço consegue passar a mensagem que pretendia.

— "Precisamos deter o Bong. As pessoas caíram no discurso dele, acham que podem voltar às histórias, mas não existe lugar para tantos pesos-mortos no Hyperfan." — Jennifer concorda com os heróis peludos, mas estranha o fato deles não apoiarem a manifestação. — Mas vocês não querem voltar às histórias?

O gato balança a cabeça negativamente e, usando sua visão de calor, escreve na parede da Sala de Justiça a resposta para a pergunta de Jenny.

— "Se os escritores quiserem nos trazer de volta, nós voltaremos. Krypto aparece nas aventuras do Superboy, assim como o cavalo Cometa aparece nas histórias da Supermoça. Temos de ser responsáveis quanto a isso. Fomos inspirados pelo maior herói de todos. Não devemos ser negligentes com o 'S'".

[Nota do Josa: Gostaria de avisar aos defensores dos Super-Animais o quanto estou me sentindo ridículo por escrever tais personagens.]

[Nota do Mordred: Três vivas para a Legião dos Super-Animais! Hip! Hip! Hurra!]

— Bom, então vocês acham que temos de atacar o Doutor Bong antes que seja tarde demais. Então, o que estamos esperando? Vamos lá!

Assim, os três heróis avançam contra os seguidores de Bong. Voando, Raiado e Beppo chegam rapidamente ao palanque onde se encontra o vilão e o atacam com a visão de calor. Enquanto isso, Jennifer ainda está na porta, tentando abrir espaço por entre os moradores do Limbo, ainda surpresos pelo ataque dos bichos. Ela aproveita para procurar o verdadeiro motivo de sua visita ao Limbo — o Fantasma Gay, personagem desaparecido há anos.

— Josa, eu vou te matar depois que sair daqui! Eu prometAAaaaaargh!!!

Nossa heroína é interrompida por um adversário poderosíssimo — o monstro conhecido como Hulk 2099. Só então ela nota que os seguidores de Bong já se organizaram e iniciam uma reação contra ela e os super-animais. Além da versão futurística do Hulk, a Bucky de "Heróis Renascem", Aquamoça e estranhas versões do Capitão Marvel também a atacam.

No palco montado por Doutor Bong, os super-animais também têm seus problemas. Uma multidão de Lanternas Verdes, criminosos kryptonianos esquecidos e personagens do Novo Universo Marvel tentam vencê-los. No meio da confusão, Bong sente alguma coisa puxar sua capa.

— Quem ousa?

Uma estranha personagem vestida com o uniforme do Quarteto Fantástico faz sinal para que o Doutor venha até ela. Antes de ir, ele verifica se seus adversários estão devidamente entretidos com a batalha. O vilão se aproxima desta entidade misteriosa maligna™ e logo repara estranhos detalhes na mulher que o deixam admirado.

— Hã... Como ousa? Sou o grande Doutor Bong!

— Tchau. Venha com eu.

— Certo. Não tenho mais opções com toda essa bagunça que aquela maldita heroína causou. O que há com seu uniforme? Ele está errado!

— Pssst. Venha, mim ajudar você fugir.

— Você se parece com...

— Não fale nada. Mim tem que ser revelada no fim da edição. Mim é vilã misteriosa™. Leitores não poder desconfiar quem é mim.

A vilã misteriosa™ leva o Doutor até o Supercarro. Lá dentro, Bong é surpreendido pela presença de mais um passageiro. Só que este está amordaçado e amarrado em um canto do antigo veículo do Super-Homem.

— Quem é esse?

— Fantasma Gay. Mulher-Hulk procura ele. Vamos levar ele ao meu planeta.

— Um refém, hein? Poderei me vingar da maldita verdona! Hahahahaha... Diga-me, para qual planeta iremos?

— Mundo Bizarro. Diga "Oi". Nós ir embora daqui.

"Enquanto isso, na Sala de Justiça..."

— Vocês ouviram? Tem um cara que fica gritando isso toda hora!

Mas ninguém está interessado no comentário de Jennifer, a sala se tornou um imenso campo de batalha entre todos os conceitos esquecidos das Histórias em Quadrinhos. Jennifer vê o quanto será inútil discutir nesses termos.

Com um salto, a Mulher-Hulk consegue chegar até o palanque. Na mesa de som, ela configura o volume do microfone de Bong para o máximo possível. A vingadora abre seus braços e, numa velocidade quase imperceptível aos olhos humanos e força incalculável, ela os fecha, causando um barulho ensurdecedor com suas palmas.

O som, ampliado pelo microfone, faz a batalha cessar por alguns instantes e todos voltam sua atenção para a Mulher-Hulk. Ela faz sinal para que Beppo diminua um pouco o volume e começa a falar.

— Som. Pessoal, um minuto de sua atenção, por favor! Pronto? Oi, eu sou a Mulher-Hulk. Acho que boa parte de vocês me conhece. Bom, vocês repararam que seu líder sumiu? Isso mesmo, ele viu a confusão e abandonou todos vocês. Olha, eu sei que muitos de vocês estão confusos, ou magoados por seus criadores terem mandados vocês para o Limbo. Mas eu quero fazer um trato. Eu prometo que, enquanto meu título não for cancelado, eu vou trazer de volta cada um de vocês.

[Nota do Josa: Quê? O Lopes vai me matar!]

[Nota do Lopes: Pelo menos você é consciente...]

— Calaboca. E eu sei que você adora esses lixos, Josa! Isso mesmo, pessoal. É só vocês serem pacientes. Vejam, quem imaginaria que algum dia a Mary Marvel saíria daqui? E agora ele está brilhando nas páginas de Justiça Jovem (Josa, você me paga por essa propaganda). E o Abelha Vermelha? Ele apareceu numa edição americana de Starman! E então, vocês serão pacientes?

Os personagens esquecidos se entreolham e, numa decisão mútua, resolvem aceitar o trato de Jennifer. A multidão começa a se dispersar e Jennifer volta a sua verdadeira missão no Limbo das HQs.

— Ei, pessoal! Esperem um pouco! Hã... algum de vocês conhece o Fantasma Gay? Eu gostaria de falar com ele. O meu escritor deve ser bicha pra ir atrás de um cara desses. Hmmm... que frase estranha quando fora do contexto.

Uma mulher de cabelos castanhos e face completamente branca se aproxima da Mulher-Hulk e pede para que ela desça do palanque. Jenny se aproxima da estranha, acreditando que ela tem alguma informação importante.

— Hã... oi?

— Tchau. Mim ser Lois Lane Bizarro. Desprazer em conhecer você, Mulher-Hulk.

— Lois Lane Bizarro? Putz... já tô ficando com medo do que vem por aí... Você sabe alguma coisa sobre o Fantasma Gay?

— Mim ver Fantasma Gay sequestrado por vilã misteriosa™ do Mundo Bizarro.

— Sério? Quem fez isso?

— Sua cópia, Mulher-Hulk.

— Hein? Que cópia?

— Mulher-Hulk-Bizarro.

— Caramba... Isso tá ficando cada vez pior!

Na próxima bizarra edição: Uma bizarra viagem ao mais bizarro de todos os planetas deste bizarro universo: o Mundo Bizarro! Será... hã... bizarro! Oi, até... digo: Tchau! Até próximo mês :P

:: Notas do Autor



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.