hyperfan  
 

Mulher-Hulk # 14

Por Josa Jr.

O Retorno do Cachovinho Bobo
Parte I
(Dedicado à Nanda, filha de nosso querido editor-chefe, Fernando Lopes)

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Mulher-Hulk
::
Outros Títulos

Enquanto pensa na sorte que teve por Hércules pagar seu primeiro almoço decente em dias, a Mulher-Hulk imagina alguma forma de conseguir dinheiro. Desempregada e desesperada, sua primeira opção seria integrar um supergrupo, como os Vingadores ou a Liga da Justiça, mas ninguém pareceu interessado em convidá-la. Somando alguns números no papel da bandeja da lanchonete, Jennifer quase não consegue chegar a uma solução para os gastos daquele mês.

Mulher-Hulk se mantinha concentrada nesse assunto até que, de repente, uma agitação maior nas crianças que lancham neste momento no Tio Pança de Gateway City chama a sua atenção. A heroína olha para a janela e, surpresa, vê a nave do Besouro Azul estacionada ao lado de sua janela.

"Droga! Só me faltava um encontro com personagens da Justiça Jovem. Essa mania do Josa de querer promover seus títulos já está me enchendo o saco. Se bem que eu acabei encontrando aquele gato do Super-Homem, e isso foi interessante. Mas esses dois... O Besouro Azul nunca termina seus regimes, e o Gladiador é o cara mais canastrão que conheço. Talvez, se eu me esconder direito, eu consiga..."

Oi, Mulher-Hulk! — O Gladiador Dourado acena, enquanto Besouro cobre seu rosto com a mão direita, balançando a cabeça negativamente. — Vem aqui dar um beijão no seu namorado!

— Hã? Ah, não... — Jennifer olha para o alto e grita. — Peraí! Essa é outra edição de casamento?

— O que você disse?

— Nada não, Gladiador. Que história é essa de "namorado"? Quer apanhar, é?

— Tsc. Hã... Mulher-Hulk... — Besouro Azul toma a palavra antes que seu amigo piore a situação. — Não leve a sério. O Mike tem essas bobagens às vezes, mas foi só uma piada.

— Espero que sim. Mas o que estão fazendo aqui? Que coincidência, não? — "Típica de um escritor ruim que precisa de um crossover para atrair leitores", pensa Mulher-Hulk.

— Nós viemos até Gateway para conversar com a mãe da Garota-Maravilha, mas o paspalho do Gladiador não sabe o endereço dela(*). Então, resolvemos almoçar e procurar uma lista telefônica. E você? Se mudou de novo?

— Vim... hã... ajudar o Hércules nessa confusão dos deuses. Só que ele me esqueceu aqui, e eu não tenho como voltar para Nova Iorque.

— Ei! Tive uma idéia, Ted!

— Isso não vai dar certo...

— Calaboca. Olha só, Jen. Posso te chamar de Jen, certo?

— Não.

— Hmpft. Tudo bem... Eu e o Ted estamos fazendo uma investigação e íamos começar por Nova Iorque. Podemos te dar uma carona até lá, se você nos ajudar.

— Quanta nobreza... Mas tudo bem, eu aceito. O que vocês estão investigando?

— O desaparecimento de um dos nossos colegas mais queridos da Liga da Justiça: G'Nort, o cãozinho Lanterna Verde.

— Eu deveria imaginar... Bem, então vamos para Nova Iorque.

Depois de Gladiador e Besouro almoçarem, os heróis partem na Nave-Besouro. Com a viagem programada para aproximadamente trinta minutos, resolvem traçar os planos para a busca de G'Nort, e Ted Kord explica à Mulher-Hulk o que descobriram até então.

— Neste lugar foi a última vez que viram G'Nort. — Besouro Azul aponta uma rua em um mapa de Nova Iorque. Para Jennifer, aquele é um lugar familiar.

— Peraí, esse não é o endereço do Warrior's, o bar do Guy Gardner?

— Isso mesmo, Mulher-Hulk. — Gladiador responde.

— Argh! Odeio o Guy. Mas... pelo que vocês descobriram numa ligação para ele, o G'Nort ficou por ali, agindo como um cãozinho normal, depois que a Tropa dos Lanternas foi destruída, certo? — Os dois colegas respondem positivamente com as cabeças e Jennifer prossegue. — Só que também souberam que ele sumiu há uma semana. Tsc... Afinal, porque diabos estão procurando o cara?

— Recentemente, nós viajamos até o planeta-natal de G'Nort(**), e lá ele é dado como morto. — Besouro olha com desaprovação para Gladiador, que revida da mesma forma. — Aí o Mike meteu uma idéia na cabeça de que éramos responsáveis por ele, e deveríamos saber o que aconteceu com ele. Graças a Deus, ele não envolveu a JJ com isso...

— Graças a Deus mesmo, assim podemos contar com a ajuda da Mulher-Hulk. — Com seu braço direito, o Gladiador envolve Jennifer. — E aí, Verdinha, já sabe o que vai fazer depois dessa missão?

— Sei. — Delicadamente, a Mulher-Hulk segura a mão do galanteador e a afasta de suas costas. — E com certeza não vou fazer com você.

— BWAHAHAHAAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Nova Iorque

Os funcionários do Warrior's sempre rezam para que nada de ruim aconteça quando seu chefe, Guy Gardner, está fora. Um bar dedicado a super-heróis pode atrair grandes problemas, como ataques de supervilões ou vinganças de chefões do crime. Apesar de tudo, eles estão preparados para eventualidades do tipo.

— BWAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA! Levou um fora da Mulher-Hulk!

— Seu idiota! Você deixou o auto-falante da nave ligado! Todo mundo tá ouvindo.

— Eu sei! BWAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!

— Eu te mato, Josa...

Por isso, nada pode assustar mais os empregados de Guy que a chegada da Nave-Besouro ao prédio principal do Warrior's. A fama dos ex-colegas de Gardner já os precede, e só resta aos funcionários orarem mais que de costume. Os três heróis saem da nave e conversam com o encarregado pela gerência do bar quando o dono não está presente.

— Bem, nós não temos certeza de onde o chefe está, senhores(***). — O gerente leva os três até uma sala de comunicações, com um telefone dourado no centro. — Mas talvez vocês possam contatá-lo por essa linha particular que ele nos deixou. Não sei bem como funciona, mas talvez algum de vocês possa...

— Me parece que é feito com o anel de Guy, senhor Sprouse. — O Besouro Azul segura o telefone e o entrega à Mulher-Hulk. — Fale com ele, Verdinha. É mais fácil ele ajudar uma gata que outro de nós. Acho que é só apertar esse botão e usar sua força de vontade.

— Difícil alguém ter vontade de falar com Guy Gardner, mas vamos lá... — Com suas forças, Jennifer se concentra ao máximo no ex-Lanterna, e fala no fone. — Alô? Guy, você está aí?

A voz de Gardner, abafada por algumas explosões, ecoa na sala.

(( Alô? Quem está falando? ))

— É a Mulher-Hulk, Guy. Estou no Warrior's e...

(( A GOSTOSA da Mulher-Hulk? O que você quer? Veio visitar o papai aqui, é? ))

— Não, seu porco. Eu estou participando de uma investigação, e preciso saber se você tem alguma informação sobre o G'Nort. Soube que você estava cuidando dele...

(( Sim, eu estava... Um momento... Morra canalha! Bwahahaahaahahahahahaaha! Oi. Eu estava cuidando dele, mas como arrumei um emprego extra, deixei um dos seguranças responsável por ele. É o Alvin. Fala com ele. Preciso desligar. Um beijão, gostosa. Tchau! É isso, manézada! Vamos fud... click ))

— Argh... continua tão agradável quanto eu me lembro.

— Hmmm... Nós podemos falar com esse tal Alvin, sr. gerente?

— Ele se demitiu há uma semana, Gladiador. Parece que se assustou com uns supostos fantasmas que apareceram aqui...

— Fantasmas? Que saco, isso já está ficando complicado demais.

— Mas é verdade, senhor Besouro. — De repente, um dos seguranças sai de sua posição e começa a tremer enquanto conta sua história. — Um dia desses, estávamos eu, o Alvin, o Gerard e os outros, quando apareceram imagens de Lanternas. O tal Kilowog, a dona Arísia, Hal Jordan... um monte. Eu os reconheci pelas estátuas de cera que temos no bar. O cachorrinho que vocês tão procurando deve ter se assustado também, e fugiu.

— Droga, isso torna tudo mais difícil, Ted. — Gladiador começa a desanimar de sua busca, mas agora é tarde. Já estão mais envolvidos que queriam no mistério. — Como eram os fantasmas? Usavam lençóis brancos e coisas assim?

— Ridículo, Gladiador. Não existem fantasmas assim, e dúvido que sejam fantasmas. O Lopes não ia deix...

— Lopes? Do que você esta falando, Verdinha? Como eram os fantasmas, moço?

— Os fantasmas eram meio esverdeados, "seu" Gladiador. Bem mais claros que a Mulher-Hulk, e brilhavam um pouco.

— Eureka! — Ted Kord sorri, pois chega a uma conclusão ao ouvir as palavras do segurança. — É óbvio que não eram fantasmas. Deviam ser imagens criadas pelo anel do G'Nort. Talvez o anel tenha voltado a funcionar, e ele desejou ver a Tropa de novo, ou algo assim.

— É uma boa conclusão, mas porque o anel voltaria a funcionar, cara?

— Existem rumores de que há algo grande acontecendo, em relação aos Lanternas Verdes e à Tropa. Talvez o anel voltar a funcionar seja algum efeito colateral... sei lá. Vai ver, ele voou para longe daqui(****).

A Mulher-Hulk responde, tentando disfarçar que leu as últimas edições de Lanterna Verde. Ao mesmo tempo, Jennifer amaldiçoa seu escritor, pelo péssimo costume de fazer propagandas de outros personagens em suas histórias.

— A gente pode encontrá-lo com um desses medidores de energia esmeralda que a Liga usa. Na nossa época de LJI, eu e Kilowog começamos a construir algo assim, e devem ter aperfeiçoado. Vamos para minha nave

Os três heróis entram no Besouro, depois de agradecerem aos funcionários pela ajuda. Ao mesmo tempo, os empregados do Warrior's agradecem aos céus por nada de ruim ter acontecido. Dentro da nave, Besouro configura seu comunicador para a frequência da Torre de Vigilância da Liga.

— Espero que alguém legal esteja no monitor.

"Pelo padrão de escrita do Josa, só pode ser o..."

— Super-Homem! Oi, tudo bem, Super?

— Olá, Besouro. — O Homem de Aço sorri, e percebe os dois rostos curiosos atrás de Ted Kord. — Oi, Gladiador e Mulher-Hulk. Algum problema em que possa ajudá-los?

— Apenas...

— Nada muito complicado, Super! — Jennifer, sem conter a empolgação interrompe o Besouro Azul. — Vocês ainda têm aqueles instrumentos que calculam flutuações de energia dos Lanternas na Terra? Precisamos saber se há algum foco novo.

— Tudo bem. Vou checar. — O kryptoniano aperta alguns botões e espera o resultado. — Hã... essa pesquisa tem a ver com Hal, por acaso?

— Não, com G'Nort. — Responde Gladiador.

— Ah, tudo bem, então... O aparelho encontrou um foco... na França? Estranho.

— Será que é um Padeiro Verde? Bwahahahaha!

— Horrível essa, Ted. Super, não poderia ser o Lanterna Verde?

— Pelo que sei, ele está no espaço, Gladiador. Seria ótimo se vocês investigassem isso para a gente.

— Vou receber salário?

— Hã... Converse com Batman sobre isso, Jennifer.

— Então, esquece. Valeu, Super. Até a próxima!

— Adeus, pessoal. Qualquer coisa informem a Liga.

Jennifer, Ted e Mike ficam em silêncio por alguns segundos, depois que a tela de comunicações é desligada. Gladiador tenta imaginar o que G'Nort estaria fazendo na França. Besouro calcula quanto combustível precisará para chegar até a Europa. Mulher-Hulk tem questões mais importantes em mente.

— Ei, se nós vamos pra França, temos que passar em casa e pegar o Wyatt!

A seguir: Nossos heróis chegam à Paris. E o mistério de G'Nort chega ao final.

:: Notas do Autor

* E Justiça Jovem # 11
** Em Justiça Jovem # 09 e 10
*** Saiba onde Guy Gardner, o chefe, está em The Clash!
**** Saiba mais sobre o que está acontecendo nas edições de Lanterna Verde.



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.