hyperfan  
 

Ultimate Liga da Justiça # 16

Por Igor Appolinário

Cinco anos atrás.

Um conversível vermelho corre velozmente pela estrada deserta que contorna as Montanhas Rochosas. Um jovem casal conversa animadamente.

— Lindo dia para um passeio, hein querida?

— Sim, John, que lugar maravilhoso — responde a esposa, alegre.

— Sabe, Alissa, eu quero compensar o tempo todo que passamos distantes...

— John, eu tenho algo pra te contar... eu estou grávida!

John se espanta com a notícia e larga o volante do carro, abraçando efusivamente a esposa, que chora de emoção. Sem que eles vejam um grande caminhão vem em sua direção. No último segundo, John desvia do veículo, mas entra no meio da mata, atingindo um grande cervo.

Sonhos & Destinos — Parte I
Sonhos de Uma Noite de Verão

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Ultimate Liga da Justiça
:: Outros Títulos

Nova sede da ONU — Genebra — Suíça — hoje

Rei Orin caminha lentamente pelo tapete aveludado dos bastidores. Ele se sente desconfortável no ambiente burocrático, e mais ainda no terno de corte rente, mais estranho ao corpo que suas vestes atlantes. Ele aguarda ao lado do novo Secretário-Geral da ONU, (*) que o apresentará à bancada.

— Nervoso? — pergunta o Secretário-Geral, o brasileiro Armando Salles de Moraes — Eu também fiquei na primeira vez que me apresentaram formalmente a eles. É estranho falar com os maiores líderes do mundo em uma posição de certa importância.

— Imagino, nunca tive essa sensação em Poseidônis... É algo bem novo para mim — responde Orin, ajeitando a gola apertada do terno.

Orin é encaminhando por uma abertura na cortina de veludo e sai em frente à bancada do principal auditório do novo prédio hi-tech da ONU. Ele se coloca no palanque, limpa a garganta e se direciona aos líderes mundiais.

— Senhoras e Senhores. Líderes do Mundo Livre. Eu sou Orin Art-Uriak, soberano da Atlântida e, agora, Embaixador da Liga da Justiça. Não estamos declarando independência de parte alguma deste planeta, estamos declarando independência dos governos mundiais. Não seremos a tropa de elite de ninguém... nosso objetivo principal é a defesa da Humanidade como um todo.

Na platéia, Diana de Themyscira assiste emocionada ao discurso de abertura do novo embaixador. Não muito longe dali, Batman, Átomo e Caçador Marciano investigam um misterioso roubo em uma indústria química francesa.

— Não sei por que vocês me chamaram — diz Batman, recolhendo algumas amostras de um beiral do prédio — Tenho coisas mais importantes a fazer em Gotham...

"Suas habilidades investigativas são sempre necessárias" — diz Caçador Marciano telepaticamente — "Este não foi um roubo comum, principalmente referente às substâncias envolvidas".

— Sim, tovarisch, o composto armazenado nestes tambores... — diz Átomo, saindo de dentro de um grande tambor metálico — É algo inacreditavelmente novo. Um tipo de ácido polimérico de elastano, provavelmente utilizado pra flexibilização de estruturas sólidas...

— Sim, muito revolucionário — diz Batman em tom de enfado — Mas a Liga não foi formada para resolver espionagem industrial.

"É verdade, Batman" — termina J'onn — "Mas pense nas implicações que um grande roubo desse pode causar. Terrorismo, Guerra Química, Batalhas Industriais, Corrida Armamentista... os humanos são capazes de muitas coisas pela posse de tecnologia, como eu constatei".

Do outro lado do Mundo, uma grande barragem feita de energia esmeralda contém uma onda gigante que avança sobre uma pequena ilha. Dois raios vermelhos cruzam os litorais do lugar e transportam os habitantes para as regiões das montanhas.

Lanterna Verde, assim que a onda recuar, venha ao topo da montanha e construa um abrigo — ordena Super-Homem pelo comunicador.

— Ok, Super-Homem — responde Jordan — Flash, estou avistando alguns nativos na costa oeste.

Ok, Lanterna. Já estou indo.

Os três justiceiros confrontam os efeitos causados por um grande meteorito que cruzou a atmosfera em direção ao Oceano Pacífico, ameaçando a população de uma pequena ilha. Após o resgate e abrigo de todos os habitantes, os três conversam em uma região isolada.

— Todos são, salvos e secos — brinca Flash, parando ao lado do Lanterna Verde — Gostei do desenho do abrigo, Lanterna.

— Obrigado, me lembra uma das casas que morei quando criança. Mas e o meteorito, será que vai causar alguma outra conseqüência imediata?

— Creio que não — diz Super-Homem, olhando para o horizonte com sua visão de raio-x — Ele está alojado em uma pequena cratera no fundo do Oceano. Não consigo ver o interior, mas ele parece bem sólido e assentado. Não vai mais causar problemas...

Washington, DC — EUA

— Está tudo dando certo, meu amor. Logo estaremos juntos novamente...

John Doe observa a esposa Alissa deitada em uma cama de hospital. Ele relata a mulher os resultados de seus experimentos, uma experiência para recuperação de coma usando recursos cibernéticos, esperançoso dos avanços da pesquisa, que pode salvar Alissa, em coma desde o acidente nas Montanhas Rochosas.

— Os animais-teste se recuperaram imediatamente do coma induzido após a aplicação do sistema cibernético. Eu tenho 100% de certeza que logo você se beneficiará disso... Eles não querem que eu faça testes em humanos ainda, mas eu sei que a técnica funciona... você verá...

Tarde da noite no Hospital de Estudos Avançados em Neurologia, o Dr. John Doe empurra a maca onde repousa sua esposa por um longo corredor. Neurologista renomado, ele abandonou tudo pela busca incessante por uma cura para sua querida mulher, uma cura que ele crê estar há um passo de distância.

John D. conecta os fios da sua "maquina dos sonhos", apelido dado pelos técnicos do laboratório ao sistema anti-coma, em Alissa e inicia os sistemas. Os monitores que controlam os fluxo de dados registram o coma profundo em que Alissa se encontra. Depois de alguns minutos, os impulsos magnéticos do sistema começam a mostrar resultados e o nível de consciência da mulher começa a se alterar.

— Isso! Isso!!! — grita John D. eufórico. De súbito, os níveis começam a oscilar e o equipamento começa a emitir estranhos ruídos metálicos e bipes de alerta — Não! Preciso desligar isso!

John D. começa a desconectar cabos dos aparelhos, mas o bipes continuam e o barulho aumenta. De repente, tudo explode, envolvendo a sala em uma bola de fogo e estilhaços metálicos. John é lançado contra uma parede, caindo inconsciente.

Ao redor do mundo

Belo discurso, Orin — diz a Mulher-Maravilha, através do intercomunicador, agarrando o tentáculo de um grande monstro marinho no fundo do Atlântico — Eles ficaram ao mesmo tempo intrigados e aturdidos por suas palavras.

— "Sim, princesa" — responde Aquaman, com sua telepatia limitada, enquanto finca outro tentáculo no solo com seu tridente — "Mas a grande maioria achou uma ousadia termos um embaixador na ONU. Desde o início eles têm nos acusado de ameaçar a soberania alheia".

O monarca atlante se impulsiona no fundo oceânico e dá um golpe do encéfalo superdesenvolvido da criatura, que tomba com o peso do próprio corpo. Com a união da força dos dois, eles empurram o monstro para dentro de uma fenda marinha.

Só espero que eles entendam nossa missão de Paz, neste mundo monoteísta.

— "Eu também espero, princesa, ou teremos que nos prepara para uma verdadeira guerra...".

Em Metropolis, um grande baile beneficente toma lugar no maior centro de convenções da cidade. Cobrindo o evento para o jornal Planeta Diário, Clark Kent observa aos casais dançando na pista. De repente um casal se desequilibra durante uma pirueta exagerada e tromba com ele.

— Desculpe senhor, minha parceira é entusiasta do twist, mas precisa de mais treino... ah é você.

Bruce Wayne se virá e vê Clark Kent emburrado. Ele dá um beijo na mão de senhora, já idosa, que dançava com ele, liberando-a para retornar ao marido.

— O que você está fazendo aqui, Kal-El? — sussurra Wayne em seu soturno tom de Batman.

— É o mesmo que pergunto a você, Bruce. Não tinha que aterrorizar algum bandidinho da sua cidade?

— Eu estou seguindo uma pista de contrabando de jóias — diz Batman irritado com o comentário — O marido daquela mulher é um provável receptador.

— Hum, então Bruce Wayne se torna Batman e vice-versa. Você anda confundindo suas facetas, Bruce.

— Pelo menos eu sei quem eu sou, Kal-El.

— Ora, ora, ora... Quem eu encontro aqui!

Lex Luthor cruza o salão em direção a Clark e Bruce. Os dois ficam desconfortáveis com a aproximação, mas disfarçam a tensão entre eles, saudando Lex.

— Um repórter do grande jornal metropolitano e um companheiro empresário. Não sabia que você e Bruce Wayne eram amigos, Clark.

— Não somos amigos — responde Clark, secamente — Eu conheci Bruce em Smallville a muitos anos atrás, mais ou menos quando vocês se encontraram.

— Sim, agora o garoto-Smallville está querendo uma entrevista com o solteirão mais cobiçado dos EUA — diz Bruce, com uma piscadela para Clark — Você sabe como os repórteres não saem da minha cola.

— Interessantíssimo. Mas, Bruce, podemos conversar sobre aquela proposta de troca de tecnologia? Creio que a Waynetech e a LexCorp tem muito a cooperar — diz Luthor, sutilmente puxando Wayne para o outro lado do salão, deixando Clark em um canto, desconfiado.

Do outro lado do Continente, em Las Vegas, Rasputin Palmovitch e Kyle Allan Jordan discutem algum projeto, sobre esboços na prancheta do Lanterna Verde.

— Sim, concordo com você, seria interessante mantermos um meio de transporte espacial para nossa equipe.

— É, nem todos podem viajar pelo espaço sem auxílio e mesmo o meu Anel pode se exaurir em meio a um combate e uma nave seria de grande ajuda.

— Os esboços que você desenhou são bem interessantes, temos que investir nesse projeto.

— Eu preciso dar uma melhorada no aspecto geral, que tem que ser funcional e ao mesmo tempo "impressionante".

— Sim, entendo — diz Palmovitch rindo — E você sabe que eu e Flash podemos ajudar com toda a parte de equipamentos, é só dizer...

De volta a Europa, Barry Allen e J'onn J'onzz estão parados em um balcão de bar em uma casa noturna londrina. Barry olha animado para as garotas, enquanto J'onn, metamorfoseado como um inglês comum, tenta entender o motivo de tanto barulho.

— Você tem que se soltar, cara!

— Me soltar? Mas não há nenhum tipo de amarra sobre mim...

— Ah! Você tem que ser mais extrovertido, por exemplo, está vendo aquela garota? Vai até lá e passa uma cantada nela... E não vale ler os pensamentos da gata!

J'onn cruza a pista em direção a uma jovem de cabelos e olhos castanhos e pele levemente bronzeada, que toma seu drink displicentemente ao lado da pista.

— Oi, tudo bem? Você sabia que eu sou de outro planeta?

— Ah! Pode parar de tentar dar uma de Douglas Adams pra cima de mim! (**) — diz a jovem, dando um tapa em J'onn e saindo do local, deixando-o confuso.

Hospital de Estudos Avançados em Neurologia — Washington, DC — EUA

— Alissa... Alissa...

John D. acorda murmurando o nome da esposa. Ele se vê em uma cama de hospital, o braço direito enfaixado e um dos seus técnicos assistentes sentado em uma poltrona ao seu lado.

— Olá, John D.

— O que houve, Karl? — pergunta John, sentando-se na cama.

— As máquinas superaqueceram, D. Eu sinto muito, mas chegamos tarde... Alissa se foi...

Não!!! Não! Não! Não! Ela não pode ter morrido! Estava funcionando, eu sabia que ia funcionar! Vocês me disseram que seria loucura, mas eu consegui! Eu consegui! — John D. pára de gritar e chora copiosamente — Ela era minha vida... e vocês tiraram ela de mim! Vocês me sabotaram! É a única explicação!!

Las Vegas — Nevada — EUA

TRRRRRRIIIIIIIMMMM!!!

Kyle Allan Jordan larga a lapiseira sobre a prancheta e esfrega os olhos. Aquela já era a quinta interrupção da noite e o projeto da nave para a Liga já estava ficando cada vez mais confuso. Ele caminha para o telefone, decidido a tirá-lo da tomada, mas é tomado pela súbita vontade de atender.

— Alô?

— Kyle! Você precisa me ajudar, tem alguma coisa muito estranha acontecendo aqui...

— Karl? É você? Você não deveria estar trabalhando no Hospital?

— Jordan, me ajude!!!

TU. TU. TU. TU.

A ligação cai, deixando Jordan intrigado, segurando o fone mudo.

Caverna do Morcego — Gotham City

Batman examina um pedaço de tecido sob o microscópio, quando ouve o bip do commlink com Oráculo. A voz metálica digital do informante preenche a caverna.

Batman, na escuta?

— Sim, Oráculo. Qual o problema? — pergunta o homem-morcego, já antevendo as más notícias.

Um hospital em Washington foi atacado por algum tipo de anomalia energética. Uma bolha cristalina de origem desconhecida está cobrindo o lugar.

— Comunique a Liga. Eu vou direto para Washington.

Omolu — águas internacionais do Atlântico

— VocêsreceberamoavisodoBatman? — pergunta Flash, eufórico, chegando à sala de reuniões de Sephiroth.

— Devagar ligeirinho — brinca Lanterna Verde — Só estamos esperando Aquaman chegar para podermos partir.

— Aqui estou — diz o Monarca Atlante, surgindo da porta que conecta o salão aos tanques d'água — Eu tenho um mau pressentimento sobre este comunicado. Grandes energias espirituais estão em movimento...

— Agora que já contatamos todos, podemos ir — diz Super-Homem, alçando vôo e sendo seguido pela Mulher-Maravilha, Caçador Marciano e Lanterna Verde, que carrega os não-voadores em uma naveta esmeralda. Flash percorre o oceano correndo e encontra com os companheiros na capital federal dos EUA. Escondido em um parque, um avião pequeno em forma de morcego é o ponto de encontro.

— O alvo é aquela anomalia energética — diz Batman, apontando a estrutura a alguns metros. Um grande contingente de militares cerca o local, em prontidão caso algo saia de lá.

— Como vamos entrar com o exército cercando tudo? — pergunta Palmovitch — Você sabe que eles não são grandes admiradores da Liga.

— Flash, providencie uma distração — diz Batman olhando para a bolha cristalina — O resto agrupe-se e vamos usar a velocidade dos voadores.

Os soldados observam atentamente a estrutura energética à sua frente. De repente um pequeno furação toma conta da linha de fronteira, cobrindo todo o lugar com uma poeira espessa. Desapercebidos, os integrantes da Liga atravessam a barreira militar e cruzam a bolha cristalina, sendo seguidos por um borrão vermelho.

Pirâmide de Khufu — Egito

Cécil Batson e sua esposa Marianne limpam algumas peças antigas retiradas do fundo da câmara que eles acabaram de descobrir. Experientes arqueólogos franceses, o casal armazena com cuidado as descobertas em caixas protegidas, enquanto os ajudantes percorrem o local em busca de novos artefatos.

De repente, Cécil pisa em uma laje solta e uma câmara secreta ao lado de Marianne se abre. O casal entra na câmara e vê um sarcófago muito bem lacrado, marcado com uma insígnia de trovão. Marianne limpa a superfície e sua mão bate em um objeto sobre a tampa, um grande medalhão em forma de escaravelho.

— < Veja, Cécil, que lindo! Nunca vi joalheria tão fascinante! > (***)

Marianne ergue o escaravelho sobre sua cabeça, tanto avaliar os detalhes na luz que vem de fora da câmara. Nesse instante, Theo Adam, chefe dos escavadores ajudantes e amigo do casal Batson, surge na porta da câmara e vê o amuleto nas mãos da mulher. Um súbito desejo pelo objeto surge em sua mente e Theo entra na câmara, os olhos com um brilho gelado.

Ahhhhhhh!!

Um grito feminino é ouvido do lado de fora da pirâmide. Após alguns minutos, Theo sai correndo da câmara principal para o ar livre, em suas mãos ensangüentadas o amuleto de escaravelho. Ele corre alguns metros, quando de repente...

KRRAAKOOOOMMMMM!!!!

Um raio corta o céu, atingindo Theo Adam em cheio. Deixando na areia seu corpo fumegante em um entorno de vidro.

Ao cruzar a fronteira cristalina que recobre o Hospital de Estudos Avançados em Neurologia em Washington, DC, a Liga se vê em uma imensa e densa floresta. Pássaros cantam entre as árvores e o Sol se põe lentamente no horizonte, compondo uma paisagem impossível.

— Mas que lugar é esse? — pergunta Super-Homem atordoado pela paisagem.

— Isso deve ser algum tipo de ilusão — raciocina Batman — O espaço interno é muito maior que o externo e essa fauna e flora não são compatíveis com esse continente.

— Mas é tudo tão real... — diz Mulher-Maravilha, vendo um pássaro pousar em seu ombro.

— Vejam, lá no alto! — grita Átomo, apontando para o alto de um morro.

Eles avistam uma torre ao longe, porém à medida que olham, as formas difusas do hospital parecem emergir da estrutura. Os membros da Liga caminham por uma trilha na floresta, mas ela vai ficando mais e mais densa, até que eles não conseguem mais ver uns aos outros.

Aquaman consegue se livrar da vegetação e dá de encontro a um penhasco que cai para o mar. Ele olha para os lados e não vê mais ninguém ao redor.

— Super-Homem!? Batman!? Diana...?


Continua...


:: Notas do Autor

(*) A destruição da antiga sede da ONU em Nova York ocorreu durante o arco "Pedra Fundamental", em Ultimate LJA # 01 a # 09. voltar ao texto

(**) Douglas Neal Adams, famoso escritor inglês, é autor, entre outros, da série de ficção científica cômica "Mochileiro das Galáxias", onde um simples sujeito inglês se vê jogado no espaço após a destruição do planeta Terra. O diálogo citado pela mulher refere-se ao bon vivant extraterrestre Zaphod Beeblebrox, que conquista a jovem Trillian com essa cantada. voltar ao texto

(***) Traduzido do francês. voltar ao texto




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.