hyperfan  
 

Ultimate Liga da Justiça # 20

Por Igor Appolinário

Irlanda do Norte (Ulster) — 10 anos atrás

— Vamos, papai! — grita um jovem, puxando seu pai pelo braço em direção à grande fila de uma roda-gigante.

— Patrick, cuidado. Você comeu rápido demais e agora está correndo por todo o parque como um louco.

— Vamos, não quero perder esse... argh!

Patrick dá um gemido e aperta a barriga. Matthew o pega no colo e o carrega até uma pequena barraca médica no meio do parque, olhando para o filho com uma expressão séria, porém reconfortante.

— Eu avisei... agora fique aqui que eu vou pegar um refresco pra nós. — Matthew deixa o filho sob os cuidados de uma enfermeira e vai até a barraca de refrescos do outro lado. Da fila, ele acena para Patrick, que acena de volta para o pai, conseguindo dar um sorriso.

BOOM!!!

A barraca de refrescos explode em uma bola de chamas, lançando entulho para todos os lados. Patrick olha atônito a cena, enquanto é arrastado para longe pela enfermeira.

Deus Mate a Rainha (*) — Parte I
A Lula e a Enguia (**)

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Ultimate Liga da Justiça
:: Outros Títulos

London Eye (***) — Londres — Inglaterra — hoje

— Ah, Barry! Que vista linda!

A jovem Íris Brighton, secretária de uma grande multinacional britânica, olha encantada pela janela de uma das gôndolas da gigantesca roda. Ao seu lado, seu noivo Barry Allen, funcionário do governo e agente secreto, olha para a moça deleitada.

— Fico feliz que você tenha gostado. Foi um trabalhão, mas consegui reservar uma gôndola só para nós. Tudo para me desculpar pelos meus sumiços.

— Ah, não pense que vai ser tão fácil assim!

Íris se vira e beija o noivo carinhosamente. Eles se abraçam e a roda pára de girar, deixando a gôndola onde eles se encontram no topo da volta.

— Barry, você pediu pra que eles parassem aqui em cima? Que lindo... — diz Íris, olhando Londres pelas janelas.

— Magnífico, querida, mas eu não pedi nada... — diz Barry, olhando desconfiado pela janela, em direção à cabine de controle.

BOOM!!!

A cabine explode e a London Eye se desequilibra. Íris e Barry cambaleiam dentro da gôndola e a jovem bate a cabeça em uma balaústra, desmaiando. Barry aproveita a oportunidade e veste seu uniforme de Flash, usando os poucos segundos antes da roda-gigante cair no rio para tirar as pessoas de dentro dela.

Segundos após o barulho do choque entre metal e água, Flash percorre a área do parque. Sem necessidade de muita busca, em meio às pessoas atônitas ele encontra um homem que ri alucinadamente, segurando um objeto semelhante a um botão interruptor e gritando.

Morram, porcos imperialistas! Anglicanos malditos, vão para o inferno!! A fúria do IRA jamais será contida!!!

Flash pega o homem pelo colarinho e o arrasta até as autoridades mais próximas, deixando-o aos seus cuidados. Ele tenta controlar sua raiva enquanto observa o entorno, certificando-se que todos estão bem. Em um canto escondido, vultos se espremem pela fenda de uma construção.

Omolu — águas internacionais do Oceano Atlântico — laboratório forense

— Enquanto o resto da equipe continua as buscas, podemos começar o trabalho forense para chegar ao culpado pela explosão. — diz Palmovitch, o Átomo, se debruçando sobre o microscópio.

— Isso é um desperdício de esforços. — diz Batman, verificando uma tabela nos monitores — Por que não deixamos Flash cuidar disso sozinho? Super-Homem realmente não deveria querer tanto ajudar a melhorar a imagem da Liga com o mundo... não é essa nossa função.

— Ora, tovarisch, estamos tentando impedir a perda de outras vidas aqui. Se no final salvarmos uma vida que seja, terá valido a pena o esforço.

— ... — Batman olha pelas lentes de um microscópio — Isso foi o maior clichê que eu já ouvi.

— Eu sempre fui um nerd, assisti a filmes demais na minha juventude. — diz Átomo com um sorriso, também observando uma amostra no microscópio — Ahá! Encontrei alguma coisa aqui.

Átomo e Batman observam um grande monitor, que mostra a analise do componente observado por Palmovitch. Após alguns segundos, dezenas de informação surgem na tela.

— Tipo raro de cerâmica, proveniente da costa do canal norte da Grã-Bretanha. — diz Batman, resumindo as informações.

— Irlanda do Norte...

Nova ONU — Suíça

— Silêncio, senhores, por favor. — pede o secretário-geral da ONU, Armando Salles de Moraes — Vamos manter o mínimo de civilidade dentro desta casa.

— Secretário Salles, o senhor deve estar louco em defender a atitude desta chamada "Liga da Justiça"! — grita o secretário de segurança dos EUA — Serei obrigado a solicitar o veto do conselho de segurança a qualquer outra manifestação deste... embaixador!

Rei Orin observa a discussão acalorada na sala de reuniões. Estando ali como embaixador da Liga da Justiça, ele fica devastado com a reação que o início de seu discurso teve.

— Eu concordo com o sr. secretário de segurança. — diz o primeiro-ministro britânico — A Liga da Justiça cometeu um ato imperialista contra um país soberano, invadindo seu território e atrapalhando o trabalho militar instaurado...

— Atrapalhando?! — exclama Orin — Se não fosse a intervenção da liga em Washington, (****) John D. teria matado todos os reféns e com certeza facilmente subjugado seu exército.

— Isso são especulações, "majestade". — diz o secretário de segurança — Nenhum dos testes processados no criminoso apontaram inclinações meta-humanas ou mutações. O que está em questão aqui é a falta de preocupação da Liga com os governos soberanos. Eu, como atual presidente do conselho de segurança, exijo julgamento internacional da Liga da Justiça pela invasão, intervenção e prática de ato imperialista em solo americano.

— Creio, sr. secretário de segurança, — diz Lanterna Verde, que observava o debate da arquibancada, e agora sobe ao palanque ao lado de Aquaman — que seja possível algum tipo de entendimento para evitar um dissabor entre a Liga e o seu governo.

— Estamos aqui — diz Mulher-Maravilha, juntando-se a eles — para pacificar o mundo, e não criar mais disputas.

Domo do milênio — Londres

J'onn J'onzz observa as imediações do domo, usando seus olhos extremamente adaptados para analisar cada fissura. Flash percorre a região como um borrão vermelho disforme, enquanto Super-Homem sobrevoa baixo o grande domo.

"Encontraram alguma coisa?" — questiona o Caçador Marciano, telepaticamente.

"Ainda não J'onn." — responde Flash, seus pensamentos tão rápidos que passam como uma mancha pela mente do marciano.

"Tudo parece no lugar e não vejo ninguém agindo suspeitamente." — responde também Kal-El.

"Esperem..." — J'onn se aproxima de uma fresta em uma construção e retira um material estranho — "É um tipo de material plástico, nada que eu tenha visto antes..."

"Vamos voltar a Omolu e verificar." — diz Barry, resoluto.

Dublin — Irlanda (Éire)

— Chefe, chefe!

Dois homens entram correndo em um armazém. O mais rápido deles chega a uma sala escura e pára na soleira da porta. Logo atrás o mais jovem também pára, ofegante, apoiando as mãos nos joelhos e respirando fundo para recuperar o fôlego.

— O que foi? — diz uma voz sinistra de dentro da sala, vindo de trás de uma cadeira virada com as costas para a porta — Mais algum fracasso, como o desta manhã?

— Ah... o senhor já sabe... — diz o jovem, encabulado.

— Não foi nossa culpa, chefe! — diz instintivamente o mais velho — O Flash apareceu e toda a Liga logo depois! O'Reilly foi preso na hora, ele simplesmente surtou!

— Walsh e O'Brien... — diz a voz sinistra — Não podemos mais perder tempo com joguinhos e super-heróis. É chegada a hora da nossa vingança final.

— Não é só porque lhe demos a cidadania americana que vamos permitir que interfira em nossa política externa!! — grita, já descontrolado, o secretário de segurança dos EUA, encarando a Mulher-Maravilha.

— Cuidado com suas palavras, sr. Secretário. — diz Aquaman, seus olhos azuis faiscando — Você está se dirigindo a uma princesa.

— Devo concordar com o rei Orin, sr. Secretário. — diz o secretário-geral, até o momento olhando incrédulo a discussão — Essa é uma casa de paz e devemos mantê-la assim.

— Você! — grita o secretário estadunidense, apontando o secretário-geral — Você é um fantoche! Nós comandamos esse jogo! Eu imaginei que você suportaria essa palhaçada, Armando. Eu trouxe reforços para impedir que passassem por cima de nossa soberania.

A porta na entrada do salão se abre, e um homem vestindo uma mescla de uniforme militar e cota de malha entra caminhando com passos pesados. O grande escudo circular preso ao seu braço direito brilha nos holofotes do palanque no momento em que ele se coloca ao lado do secretário de segurança americano.

— Capitão América... — murmura Kyle, vendo pessoalmente pela primeira vez um de seus ídolos.

— Isso não é nem ao menos razoável ou racional! — tenta argumentar o secretário-geral — Vamos tentar manter essa conversa nos trilhos.

— Isso aparentemente não é mais possível. — diz Steve Rogers, ao lado do secretário — Esses meliantes estão querendo usurpar a soberania americana e tudo o que eu represento.

— Meliantes?! — exclama Lanterna Verde, incrédulo, a névoa de admiração caindo por terra — Nós somos um grupo idôneo e bem esclarecido, jogamos aberto com o público e a mídia. Diferentemente daquele seu grupo de destruidores que detonou Nova York ano passado ao combater o Hulk! (*****)

— E então? — diz Flash,impaciente, batendo o pé tão rápido que o barulho é um silvo ultrassônico.

— Após analisar o material que vocês encontraram — diz Batman,olhando furtivamente para o pé de Flash — Temos quase 100% de certeza de que se trata de um tipo de material biológico modificado por produtos inorgânicos.

— Na verdade, um produto muito específico. — diz Átomo — O mesmo que foi roubado naquela indústria francesa algumas semanas atrás. (******)

— E o que isso tem a ver com o atentado? Temos que descobrir logo quem fez isso! — diz Flash, exasperado.

009, está me ouvindo? — diz a inconfundível voz de M, no segundo comunicador auricular de Flash — Alguma informação sobre o atentado desta manhã?

— Não se preocupe, Flash. — diz Super-Homem — Com essas informações, vamos investigar mais e descobrir quem fez isso...

— E nossa primeira pista nos leva direto para a Irlanda do Norte. — diz Batman, soturno.

— Sim, M... — responde Flash, como se falasse consigo mesmo — E parece que é um inimigo mais do que conhecido...


:: Notas do Autor

(*) Trocadilho com o nome do hino nacional britânico, "God Save the Queen" (Deus Salve a Rainha). voltar ao texto

(**) Referência ao filme indie "A Lula e a Baleia". voltar ao texto

(***) Também conhecida como a Roda do Milênio, roda-gigante montada ao lado do rio Tâmisa em comemoração a virada do milênio. voltar ao texto

(****) No arco "Sonhos e Destinos", em ULJ #16 a #18. voltar ao texto

(*****) No arco "Super-Humano", de Ultimates # 01 a # 06, publicado no Brasil pela Panini na revista Marvel Millennium. voltar ao texto

(******) Também em ULJ #16 a #18. voltar ao texto



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.