hyperfan  
 

Ultimate Liga da Justiça # 30

Por Igor Appolinário

Em Nome dos Deuses — Parte III
A Resistência de Atlas

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Voltar a Ultimate Liga da Justiça
:: Outros Títulos

A Pedra da Eternidade

— Você foi o escolhido do destino, jovem Williem.

Billy Batson olha aturdido para o ancião de longas barbas brancas à sua frente. Imponente em seu trono de pedra, ladeado por uma grande pirâmide e um globo. O ancião se levanta, muito mais alto que o adolescente, e se aproxima de Billy, pegando-o pela mão e o puxando para uma sala ao lado.

Na nova sala, uma grande bacia de água negra preenche o ambiente, iluminado também por archotes. O ancião larga Billy de um lado da bacia e contorna para o outro lado, passando a mão no líquido escuro, que começa a borbulhar e ondular.

— Quem é você?! Como eu vim parar aqui? Eu estava correndo pelas ruas do Egito minutos atrás... (*)

— Para entender o que você enfrentará no futuro, você precisa entender o passado... — a água volta a ficar calma e imagens se formam no líquido enquanto o ancião narra o que acontece.

"Um mal muito antigo foi libertado, jovem Williem. Um mal que infelizmente eu fui o responsável por criar... milênios atrás, quando a Terra era muito mais simples e mais brutal, as pessoas, que não eram muito mais do que o primórdio dos seres humanos que hoje habitam o planeta, dependiam por demais de seus deuses. Eu era então jovem e decidido, líder do meu clã. Mas éramos presas fáceis de nossos inimigos, uma nação muito mais poderosa, beligerante e descrente nos poderes superiores. Versado nas artes antigas de meu povo, eu era um guia espiritual muito sensível, em constante cuidado com nossos deuses."

Billy vê se materializar nas águas agitadas da bacia uma longa planície de terra semi-árida, onde dois exércitos se encaravam. Um deles com guerreiros vorazes e bem armados e o outro compostos de alguns poucos armados e em grande maioria fazendeiros. Os dois líderes caminham para o meio do campo de batalha e se cumprimentam a pouca distância, iniciando uma conversa que o garoto não consegue distinguir.

"Desafiados para um conflito decisivo, onde meu povo ou morreria ou seria feito escravo, sem dúvidas, eu roguei aos nossos deuses que nos dessem a solução para os nossos problemas, em troca de meu próprio sacrifício, se necessário... e os deuses me ouviram."

As águas ficaram turvas por um momento e no campo de batalha nuvens começaram a bloquear o sol, emergindo todos em uma treva sinistra. Os dois líderes olharam para os céus, intrigados com a repentina tempestade que se anunciava. O líder da pequena tribo murmurou algo que Billy não conseguiu entender, e com um estrondo magnífico, um raio atingiu o campo de batalha, acertando em cheio o local onde os líderes se encontravam. Depois que a fumaça se dissipou, Billy contemplou atônito o líder da grande tribo morto no solo e o outro líder intacto, ornado por um grande amuleto em forma de raio que antes não estava ali.

"Os deuses me escolheram como recipiente para seu poder e de cada uma de nossas seis divindades eu recebi uma dádiva para defender meu povo. Aquela batalha foi ganha e nenhuma outra vez meu povo foi ameaçado. Era vez então dos deuses cobrarem minha dívida. Durante séculos foi poupado da decrepitude e da velhice para servir como justiceiro em honra aos meus deuses, desfazendo as injustiças e protegendo os inocentes. Porém, a dádiva divina deveria ser passada adiante e foi aí que cometi meu maior erro..."

Delta do Nilo — Egito

A poderosa entidade que despertou no deserto sobrevoa agora a planície do delta do rio Nilo, contemplando o local onde antes havia erguido seu majestoso palácio. Ele mergulha pelo terreno arenoso, criando uma grande tempestade de areia que aos poucos vai desenterrando diversas ruínas do deserto.

Um beduíno, cruzando a região meio pantanosa, meio desértica, observa a magnífica manifestação da natureza, não imaginando sua real origem, e quase cai de seu camelo quando consegue divisar, em meio à cortina de areia, os contornos de um imenso castelo.

A Pedra da Eternidade

Billy olha do ancião para a bacia de água mística, espantado com o que ouviu e viu. O velho respira fundo, se preparando para continuar sua narrativa. Com um gesto sobre a água, a bacia começa a mostrar uma nova imagem: pirâmides em meio ao deserto egípcio e construções antigas, há mais de 5.000 anos.

"Muito tempo se passou até que eu encontrasse alguém fiel aos Deuses e suficientemente honrado para assumir a tarefa. Eu encontrei um jovem agricultor de uma tribo singela que acabara de ser anexada ao grande império egípcio, e fiz dele meu sucessor. Ele ficou conhecido como Teth-Adam, o 'humano magnífico', campeão do Egito e braço direito do monarca Khufu. Porém, no coração dos homens nem sempre a sua verdadeira intenção se mostra a princípio. Teth se tornou muito confiante de seu poder e incitando as guerras por território do antigo império acabou por trazer a tragédia para o seu próprio povo. Kandahq, sua tribo, foi destruída em uma terrível guerra, sua família foi torturada e morta... o outrora campeão dos deuses enlouqueceu."

Na bacia, Billy vê os terríveis atos de guerra, a morte de milhares e o desespero no rosto de Teth ao ver o corpo inerte de sua pequena filha. Em um flash, Billy vê Adam sobrevoando uma tribo de escravos, reconstruindo a região.

"O campeão se tornou um tirano e arrancou a região de Kandahq do domínio egípcio, criando para si um império de dor e sofrimento. Foi assim, que em concílio com os deuses, decidi destronar o ditador, tirando dele os poderes por mim ofertados. (**) Khem-Adam, o 'humano sinistro', foi condenado ao esquecimento das eras. Porém não para a eternidade como eu pretendia..."

Billy vê o corpo de Teth ser encerrado no sarcófago e esquecido dentro da pirâmide que ele mesmo construíra. Uma tempestade de areia soterra a estrutura e somente milênios depois ela é desencavada pelos pais do jovem. Horrorizado, Billy vê o momento em que seus pais encontram o sarcófago maligno e são assassinados pelo misterioso Theo Adam.

Omolu

Um raio vermelho e azul corta o ar em superssom e despedaça as asas de um caça, ao mesmo tempo em que a ponta de um outro é arrancada por uma aparição dourada e um terceiro é desmontado em pleno vôo por pequenos gnomos de energia esmeralda.

Super-Homem, Mulher-Maravilha e o Lanterna Verde resgatam os pilotos dos caças da OTAN que acabaram de destruir e os deixam em uma ilhota próxima a Omolu, junto a alguns de seus colegas tirados de batalha.

Aquaman nada pelas águas claras próximas a ilha ao lado de Borracha que, em forma de barco, carrega Flash ao encontro da frota naval inimiga. Flash salta do barco improvisado e corre para dentro de um dos navios, destruindo rapidamente seus sistemas de armas. Aquaman se aproxima de outra fragata e, usando seu tridente místico, abre um rombo no casco, afundando-o lentamente.

Rei Orin dispara para fora da água, caindo sobre o cais da maior embarcação da frota. Ele caminha imponente em meio aos marinheiros, que recuam à visão imponente do monarca. O comandante da frota se posta antes o rei, desafiando a invasão ao seu barco.

— Saia do meu navio, seu monstro!

— Só depois que vocês explicaram o que estão fazendo aqui! — diz Aquaman, apontando ameaçadoramente seu tridente.

— Não! Por que meus pais!? Por quê!?

— Eles foram apenas artifícios do destino, meu jovem. Mas cometeram um pecado terrível ao desvelar o corpo do maior inimigo da humanidade...

— Pecado?! Como você ousa...!?

— Pare! — ordena o Mago, fazendo Billy estacar em meia-sentença — Você é herdeiro de seus pais e agora deve herdar o dever de encerrar o mal que libertaram! Eu sou o guardião da Pedra da Eternidade e através de mim os deuses agora sentenciam: diga a palavra e seja o novo campeão!

— "A palavra"? Você é um velho maluco!!!

— A sabedoria de Salomão! — um raio parte da mão do ancião e crepita na parede da sala cavernosa, marcando um "S" em fogo na pedra — A força de Hércules! — um novo raio se segue — A resistência de Atlas! O poder de Zeus! A coragem de Aquiles! E a velocidade de Mercúrio! Contemple o poder cedido pelos novos deuses!

Quando o último raio esfria em seu escrito, Billy consegue ler a palavra de fogo. Olhando da parede para o Mago, o jovem está verdadeiramente intrigado.

— Este é o meu nome, meu jovem. Diga-o!

Shazam!

KRAKOOM!!!

Vindo de lugar algum, um raio irrompe pela sala e atinge o jovem Billy Batson em cheio bem no peito. Ele é elevado alguns metros do chão, um grito congelado em seu rosto espantado. E no flash do raio, seu corpo se transforma, se tornando mais alto, forte e irradiando uma forte aura dourada.

O homem parado imóvel no local onde antes estava o jovem Batson, se ergue de sopetão, seu corpo retesado dentro do estranho uniforme de couro avermelhado, uma capa de tecido grosso e branco, arrematado por uma faixa dourada e enfeites.

— Você entende agora sua missão? — pergunta o Mago, admirando o novo homem.

— Sim, Mago. Eu devo parar o mal, a todo custo. — com essas palavras, ele alça vôo, partindo da Pedra da Eternidade de encontro ao seu destino.


Continua...


:: Notas do Autor

(*) Veja a edição anterior. voltar ao texto

(**) Em Ultimate Liga da Justiça # 28. voltar ao texto




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.