hyperfan  
 

X-Cluded # 09

Por Danilo 'Doc Lee' Anastácio

Glasnost

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a X-Cluded
:: Outros Títulos

Eles foram ameaçados. Eles foram seqüestrados. Eles foram amordaçados. Eles foram levados para o meio do nada. Eles estão bebendo café expresso.

As vítimas de tais injúrias indizíveis (ainda que já ditas) são os X-Cluded, que estão tendo um simpático bate-papo com a russa Fantasia num pequeno compartimento da nave.

— Então, — diz ela, sentada diante dos quatro mutantes amarrados — Essa coisa toda de volta do comunismo que a gente pretende é sério mesmo. Não podemos agüentar a Mãe Rússia como ela está hoje em dia.

— Sei como é. — diz Mentor. Mentir não é do feitio dele, só o faz em casos especiais. E este não é um deles — Quando eu criei o X-Cluded, tinha mais ou menos a mesma idéia, pelo menos basicamente. Ir contra a estrutura já proposta de mutantes superpoderosos e...

A história de Mentor é interrompida com a chegada de Dínamo Escarlate.

— <Fantasia! O que está fazendo?> — pergunta, no idioma russo.

— <Ah, eu estava me sentindo meio isolada no meio de vocês. Tem idéia de como é ser a única mulher do grupo?>

— <Aah, por favor, não comece. Hm, Perun, Vostok e Guardião Vermelho estão vindo pra começar o interrogatório.>

— <Humpf.> — Fantasia fica emburrada ao ter seu momento de diversão interrompido.

Quando os outros três integrantes da equipe russa chegam, Fantasia tira as xícaras das mãos atadas dos X-Cluded e sai em seguida.

— Muito bem, — diz o Guardião Vermelho, calmamente, enquanto se senta de frente para os mutantes americanos com seu escudo sobre as pernas — Vocês... como é o nome de vocês mesmo?

— X-Cluded. — responde Mentor.

— "Blábláblá, olhem pra mim, eu sou comunista, como é o nome de vocês mesmo?" — Texano ironiza, murmurando para Gozma, que faz um "shh!" pedindo para ele ficar quieto.

— X-Cluded. — pensa em voz alta o líder da Guarda Invernal — Muito bem, "X-Cluded"... — ele faz as aspas com os dedos — Receio que a vinda de vocês até a Mãe Rússia seja apenas mais um motivo para que vocês possam espalhar o american way of life pelo mundo, estou certo?

— Está. — diz Texano.

— De modo algum! — responde Mentor, rapidamente.

A Guarda Invernal se entreolha. Kate nota que de repente Gozma começa a ficar cada vez menor.

— <Estão se contradizendo...> — analisa Vostok, o sintozóide comunista.

— <São um bando de mentirosos.> — afirma Perun, o Thor soviético.

— <Calma, ainda é cedo pra afirmarmos isso.> — diz Guardião Vermelho. Ele se vira para os mutantes em seguida — Seus mentirosos! Onde vocês pensam que estão? Aqui é o nosso território, acham que podem vir aqui fazer o que quiserem, é isso?

— Vocês não estão nos entendendo, Guardião Vermelho... a questão é que... — tenta explicar Mentor.

Oh, say! Does that star-spangled banner yet wave, o'er the land of the free... (*) — cantarola Texano, até ser interrompido pelo ameaçador machado de Perun sendo apontado para seu rosto.

— Muito bem, vocês vão ficar parados aí. — diz o líder da Guarda Invernal, como se os X-Cluded pudessem fazer alguma outra coisa — Vostok, inicie o processo.

O ser metálico pega uma TV antiga, um radioamador ainda mais antigo, uma câmera VHS dos anos 80 e um notebook com um processador Pentium II. Todos equipamentos comprados com o dinheiro pechinchado da Guarda Invernal que, como se pode notar, ainda não se adequou ao sistema de produção capitalista.

Com seus poderes, Vostok começa a mexer nos mecanismos dos aparelhos, na tentativa de formar um grande sistema de comunicação com o mundo exterior.

— <Ei, se tu conseguia fazê isso, por que não consertô a nave também?> — pergunta uma voz vinda de outro compartimento da nave.

— <Hã, Dimitri (**), por favor...> — diz Guardião Vermelho.

— <Não tenho culpa. Não consegui me adaptar aos aparelhos mais novos, e creio que era o necessário para a nave.>

— <Ah, Então tá.> — diz o mecânico, comendo uma maçã. Em seguida, senta-se na mesma caixa onde estão os X-Cluded e oferece a maçã a Mentor, que nega com a cabeça.

— <Dimitri, eu disse que era pra você ficar ali no outro compartimento, por favor...>

— <Ah não, Guardião. Aqui tá mais legal.> — responde Dimitri, desta vez oferecendo a maçã a Kate, que também recusa.

— <Vá pra lá logo, mecânico!> — berra Perun para Dimitri.

— <Ei! Quem cês pensam que são, pô? Eu sou só um trabalhadô que...>

— <Ele é do proletariado, pessoal. Acho que devemos concordar que ele é um de nós e pode ter sua chance de decidir.>

— <Eu já disse que não tive culpa... do que ele está falando?>

— <É coisa do Dínamo Escarlate, isso.>

— <Não me mete no meio, Perun. Foi você que...>

Texano cutuca Mentor com o braço.

— Do que diabo esses caras tão falando?

— Hm, eles falam muito rápido. Vou dizer para eles pararem de brigar, em russo. Deixe-me lembrar das palavras...

Mentor pensa, enquanto os russos falam todos ao mesmo tempo. Até que ele se lembra das palavras e diz no idioma local:

— <As mães de vocês são tão gordas que deveriam ter CEP próprio.>

A Guarda e Dimitri param e olham para Mentor. Talvez não fossem as palavras certas.

— <OK, tudo bem, tudo bem, vamos todos nos acalmar e fazer o que viemos fazer.> — aparta Guardião Vermelho.

— <Há ódio por toda parte.>

— <Deixe suas bioleituras para mais tarde, Fantasia.> — diz ele para a heroína, que acaba de voltar ao recinto — <Agora, Vostok, por favor. Arrume todo o necessário para fazermos a transmissão.>

— <Transmissão?> — pergunta Dimitri.

— Ei, eu entendi essa última palavra. O que vocês querem dizer com "transmissor"?

— Não é "transmissor", é "transmissão". — explica Guardião Vermelho a Mentor. — Uma transmissão a ser levada pela TV para toda a Rússia.

— Por quê?

— Vocês já vão descobrir. Estou pondo em prática uma idéia que me foi dada por Dínamo Escarlate.

Dínamo cumprimenta Guardião Vermelho fazendo um sinal com a cabeça, agradecido pelo reconhecimento de seu bom trabalho.

Está tudo pronto, Guardião Vermelho.

— Ótimo.

Guardião Vermelho, Perun e Dínamo Escarlate se ajeitam na frente da câmera dos anos 80, tentando aparecer na imagem.

Chegue mais para a sua direita, Perun. Não, a sua direita. — explica o sintozóide, vendo a imagem final pelo computador — Um pouco mais para trás, Guardião Vermelho. Isso, isso, continue... não, espere, volte um pouco. Não fique na frente dele, Dínamo Escarlate. Vá um pouco mais para a esquerda. Não, a minha esquerda. Isso! Calma, ninguém se mova, por favor.

Nenhum deles pensa na possibilidade de tentar mover a câmera.

Pronto. Vocês vão entrar no ar em três, dois, um...

Após a contagem, Vostok clica no botão Enter. Nesse momento, todas as televisões da Rússia (e alguns países próximos de importância política fundamental, tais como Turcomenistão e Letônia) são invadidas pela imagem de três homens fantasiados com roupas vermelhas.

— <Povo da Mãe Rússia. Eu sou o Guardião Vermelho, e estes ao meu lado são Dínamo Escarlate e Perun. Nós três fazemos parte de uma equipe de super-heróis chamada Guarda Invernal, alguns de vocês devem se lembrar de nós.> — enquanto o Guardião fala, Fantasia traduz tudo para o inglês para os X-Cluded — <Estamos entrando em sua casa neste momento para um comunicado importante, e ele é dirigido em especial para o atual presidente do nosso amado país. Não temos o costume de agir deste modo, mas a atual situação nos levou a isso. Prestem atenção.>

Ele sai da imagem, assim como Dínamo Escarlate. Perun não. Prefere ficar paralisado.

Não que ele "prefira" com tanta veemência, como um teimoso, mas seu corpo não consegue mover um músculo no momento, de tanto nervosismo diante da câmera.

— <Hã, Perun.> — pede Guardião Vermelho, discretamente. Pigarreia em seguida, tentando chamar atenção. Não adianta. Dínamo Escarlate passa na frente da câmera, pega Perun e sai com ele puxando pelo braço. O líder prossegue:

— <Estas pessoas que vocês estão vendo são os X-Cluded. Eles são mutantes americanos. A missão deles aqui é espalhar por toda a Rússia o american way of life. Eles são apenas um exemplo do que o mundo se tornou. E é por isso que nós nos dirigimos ao presidente para exigir que seja instaurado um novo regime comunista, por bem ou por mal. Caso você,> — ele aponta para a câmera - <presidente da Rússia, não mude a casa do governo para o antigo Kremlin e volte com o comunismo, este grupo de mutantes não sairá vivo daqui. Exigimos um resgate de 20 milhões de dólares para arcar com os gastos do novo governo. Isto é um ultimato. Obrigado a todos, tenham um bom dia.>

Vostok aperta no Enter novamente, a programação normal volta à TV da Rússia e de certos países de enorme influência política mundial (como, por exemplo, Moldávia e Azerbaijão).

Enquanto a Guarda Invernal tenta acordar Perun (que desmaiou de emoção) e Texano volta a falar mal dos russos para Mentor, Kate nota a ausência de um membro de sua equipe. E nota também que, há alguns minutos, a corda que lhes amarra os deixara mais soltos.

Numa sala escura cheia de telas de televisão, um homem enorme recebe uma visita.

— Chefe, o radar indicou que eles estão se aproximando.

— Deixem eles. Não vão passar de onde estamos. (***)

Um flash acerta os olhos de três dos X-Cluded. É Fantasia batendo fotos deles com uma câmera digital.

Mandei o e-mail pro governo russo reiterando nossa posição, Guardião Vermelho.

— Ótimo. Agora mande aquele release que eu escrevi hoje para os jornais e sites de todo mundo.

Sim, logo após eu atualizar nosso blog e o fotolog com as fotos atuais.

— Ei, ei, ei! — exclama Dínamo Escarlate. Todos prestam atenção nele — Vocês notaram que tem um americano a menos aqui?

— Tem? — pergunta-se Perun, e começa a contar os X-Cluded — É verdade!

— Onde está seu colega verde? — pergunta Dínamo Escarlate para Texano. O cowboy responde com um assovio e um repentino interesse pelas paredes da nave. Perun revolta-se e ergue Texano pelo colarinho.

— Ele te fez uma pergunta, americano! — berra Perun, furioso.

— Há ódio por toda parte.

— Deixe suas bioleituras para mais tarde, Fantasia. — diz Guardião Vermelho — Guarda Invernal, tenhamos calma! Vamos achar o mutante verde. Perun, Dínamo Escarlate, Vostok, sigam-me, vamos procurá-lo nos outros compartimentos da nave. Fantasia, fique aqui e cuide deles.

— <E eu?>

— <Você fica aí quieto, Dimitri.>

Os russos saem da sala. Fantasia esquece a ordem de Guardião Vermelho e volta para a cozinha para pegar mais café.

Alguns minutos se passam, e os quatro integrantes da Guarda Invernal voltam à sala. O último a chegar, Perun acaba sendo surpreendido pelo ataque de uma meleca verde cobrindo sua cabeça inteira. Consegue-se distinguir o som de um berro vindo de dentro da gosma que se tornou a cabeça de Perun.

Perun, não se mexa! Eu vou... — a frase de Vostok é terminada na metade quando seu colega, desesperado, começa a atirar raios de seu machado a torto e a direito. O sintozóide acaba no chão, assim como Dínamo Escarlate e vários pedaços das paredes da nave. Perun nunca gostou muito mesmo daquele troço enorme de metal com asas.

É aí que Gozma usa o peso de seu corpo para empurrar a cabeça de Perun contra uma parede próxima, saltando antes de atingí-la.

— Tcharam! — vangloria-se George Ekows — Que tal? Gostaram dessa?

— Interessante. — responde Mentor, sem interesse — Agora, tire-nos daqui, por favor.

— Mas o que você fez, Ekows? — pergunta Texano, enquanto Gozma desfaz o nó da corda que prendia os outros X-Cluded.

— Ah, não é óbvio? Eu só deixei o meu corpo mais fino e fui escorregando até o chão. Simples e eficiente.

Próximos deles, Fantasia e Guardião Vermelho estão pasmos com o repentinamente adquirido poder de combate de Gozma. Texano lhes oferece um sorriso vitorioso e irônico.

— Hã...

— Nada de "hã", vermelhinho. — diz Billy Puzo — Agora é a nossa vez.

O caipira usa sua velocidade para puxar Fantasia e Guardião até a caixa onde os X-Cluded estavam sentados até alguns segundos atrás, pondo ao lado deles os outros integrantes da Guarda Invernal, todos prestes a acordar. Ou de ter suas funções eletro-biológicas restituídas, no caso de Vostok.

— Não façam nada conosco, por favor. — diz Guardião Vermelho.

— Ah, hahah! Pedir é muito fácil, não é?

— Calma, Texano. — diz Mentor — Mas agora é nossa vez de falar.

Todos os X-Cluded fazem caras de maus, como se fossem os piores gângsteres mutantes no espaço aéreo russo. É claro que, tirando a parte dos gângsteres, o resto é tudo verdade. Dimitri vai para o lado deles e tenta fazer uma cara parecida, sem sucesso (não que os X-Cluded tenham tido sucesso em sua tentativa de parecerem maus).

— A questão é a seguinte: vocês estão redondamente enganados sobre nós. — explica Mentor, com uma certa dose de ódio subindo à cabeça — Nós não viemos para a Rússia para espalhar o american way of life, muito menos ameaçar o comunismo, ou mesmo acabar com os estoques de vodka de vocês. Estamos aqui atrás de um homem que não sabemos quem é, mas que ultimamente tem atrapalhado muito a nossa vida. Não temos mais tempo pra perder com seqüestro, comunismo, câmeras VHS e sintozóides com uniformes estranhos. Ou seja, estamos muito, muito bravos com esse atraso que vocês nos causaram. E estamos muito, muito bravos com a recepção que nós tivemos aqui na Rússia graças a pessoas vestidas com uniformes coloridos como vocês. Fui suficientemente claro?

Ninguém se atreve a dizer uma só palavra. Mentor ajeita seu sobretudo e seus óculos, como que voltando ao seu estado psicológico normal.

— Mas o café expresso estava muito bom. — ele faz questão de acrescentar.

Segundos depois, o único a ter coragem de pigarrear e falar em seguida é Guardião Vermelho, como líder que é:

— Bom... então acho que realmente estávamos enganados. Inclusive, a nossa outra missão atual é ir atrás de um vilão americano que está em um navio no norte da Mãe Rússia, pra que a gente possa ganhar uma notoriedade no país. Esse vilão está envolvido com tráfico de armas e tecnologia, talvez seja quem vocês procuram.

— Hm, muito interessante. — admite Mentor.

O líder dos X-Cluded pergunta o nome do vilão, e Guardião Vermelho responde.

— Putz. — diz Gozma.

— Quem é esse cara? — pergunta Texano.

— Já ouvi falar nele, — diz Mentor — É um gângster sem muita fama. Mas já percebemos que ele pode ser perigoso. De qualquer modo, podemos ver que nossos grupos têm a mesma missão. Por que, então, não nos juntamos para acabar de uma vez por todas com esse mal?

— Acho uma ótima idéia. Todos da Guarda Invernal concordam?

Os russos assentem com a empolgação de um time que acaba de perder a única chance que tinha para chegar à final do campeonato, e que tem que esperar até o ano seguinte para tentar de novo, já sem uma previsão muito otimista, uma vez que o técnico deverá continuar o mesmo (o que é um problema, já que ele é péssimo), o time idem, mas talvez com menos patrocinadores e com salários menores, e o único jogador que tinha alguma qualidade fora vendido para um time grande de outro estado há dois jogos atrás.

Algum tempo depois de os, agora unidos, X-Cluded e Guarda Invernal jogarem muita conversa fora, ouve-se um "blim" vindo do computador. Dínamo Escarlate vai até ele.

— Opa, acabamos de receber um e-mail! É a resposta do governo russo sobre a nossa proposta.

— Então leia, Dínamo! — pede Guardião.

— OK. "Guarda Invernal"... blablablá... "nossa contra-proposta de pagamento do resgate são..."

— São...?

— Hã... no máximo cinqüenta dólares e uma caixa de vodka.

Os russos se entreolham.

— Isso que dá seqüestrar esses manés. — diz Dínamo Escarlate — Da próxima vez, podemos tentar o Clash.

Os X-Cluded ficam sem saber se vêem isso pelo lado bom ou pelo ruim.


:: Notas do Autor

(*) Esse é o início no hino nacional norte americano. voltar ao texto

(**) Não sabe quem é Dimitri? Então volte para ler a edição anterior. voltar ao texto

(***) E você que pensou que essa figura tinha sumido, hein? voltar ao texto





 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.