hyperfan  
 

X-Men # 20

Por JB Uchôa

Eleições em Genosha
Parte I

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a X-Men
:: Outros Títulos

Genosha

A mutante corre assustada pelos becos escuros, mesmo após a guerra civil que destruiu a condição de Genosha como o menor país mais rico do mundo — muito desse rico, a custo de abuso de milhares de mutantes — para a nação mutante, a guerra não findou como um todo. Facções de mutantes que querem desvincular a ilha de Magneto entram em combate quase que diariamente contra os Acólitos de Magneto. A moça de cabelos castanhos, envoltos em um capuz esmeralda olha ao seu redor e acessa uma estreita porta na lateral de um prédio antigo.

— Você está atrasada. — A mulher com cabelos verdes vira-se para a porta com rapidez. — Por sorte não foi fulminada com uma descarga eletromagnética, já havíamos começado a reunião.

— Deixa de onda, Lorna — a mutante abaixa o capuz, deixando sua grande mecha branca na frente dos cabelos ressaltarem e seus olhos verdes, de cor vibrante, aparecerem a luz. — Charles saberia que era eu.

— Precisamente, Vampira. — Charles Xavier está sentado em sua cadeira de rodas, o dedo indicador esquerdo sobre seus lábios. Rhanne e Danielle Monstar estão ao seu lado. — Já se passaram seis meses e nove dias desde que deixei essa ilha, voltei para os Estados Unidos e deixei Ciclope e Emma cuidando da Escola.

— Emma? — Lorna arqueia a sobrancelha — Emma Frost?

— Sim, Lorna. Emma precisava de um propósito e eu o dei. Qualquer pessoa se torna má se não tiver uma chance. — Charles Xavier sorri — Erik sabe que estou aqui?

— Certamente, Professor. — Vampira sorri com o canto da boca ao ouvir a frase de Xavier. Afinal, ele fez o mesmo por ela quando pediu apoio aos X-Men para ajudá-la a controlar seus poderes, a calar a voz de Carol Danvers dentro de seu íntimo. — Não estive com ele, mas você o conhece melhor do que eu. Erik certamente já sabe que o senhor está aqui.

— Então, se ele sabe é melhor que vocês me digam tudo que viram e ouviram nesses seis meses para meu encontro com Erik ser breve. Se eu passar muito tempo para contatá-lo, Cortez pode faze-lo pensar que estou conspirando.

— Cortez não é o único problema, Professor. — relata Miragem, apoiando-se em Rahnne — existe uma facção que não quer que Magneto seja eleito.

— Lorna já me falou a respeito, Danielle, estou ciente dos atos de vandalismos dessa facção e dos motivos sobre os quais lutam. — Xavier vira-se para a aluna — creio que, quando fizermos os debates, se Erik manter o que propõe, eles o seguirão.

— Creio que não, Professor. — Rahnne olha para Miragem, que retira um envelope de sua bolsa e o entrega a Xavier que o abre prontamente.

— Novos X-Men? — Charles olha para o quarteto diante de si — Quem são esses novos X-Men?

— A facção contrária aos Acólitos, Charles. — Vampira ajoelha-se diante do Professor — Eles querem que o senhor governe Genosha.

Charles Xavier olha para suas alunas e para as fotos em suas mãos, onde ex-mutóides, agora mutantes livres, usam uma variação do primeiro uniforme dos X-Men e picham os muros da cidade com os dizerem "Vinde a mim, meus X-Men!".

Mansão Xavier

Warren Worthington alçou vôo depressa da Sala de Perigo para as dependências da mansão, mesmo com grandes asas ele contorna com suavidade as escadarias e corredores e adentra no quarto onde estava Kitty Pryde.

Betsy! — Ao entrar no quarto ele vê Claire, uma dos quatro irmãos que o X-Factor trouxe de Genosha*, juntamente com Psylocke.

— Warren?? — A mutante de cabelos violetas levanta-se e corre para o banheiro, que estava com a porta aberta.

— Betsy, espere! — O Anjo corre atrás dela e ao entrar vê apenas Agatha sentada no chão com as mãos ao rosto, que grita.

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAaaaaaaaaaaaaaaaa

— Shhhhh, calma pequena. — Warren a pega gentilmente nos braços, olhando para os lados procurando por Elisabeth Braddock. — Calma, não fique nervosa.

Instantaneamente Noturno se teleporta para o quarto juntamente com Kitty, e assusta Claire.

— Calma, Claire — diz Kitty com suavidade — É só o tio Kurt usando seu poder mutante.

A garota continua com os olhos arregalados e acena que sim com a cabeça.

— Ela não está aqui. — Warren acaricia os cabelos de Agatha, que está segurando firme em seus braços.

— Kitty, você realmente tem certeza... — Antes que Kurt Wagner termine de falar ou Lince Negra o conteste, o Anjo interpõe.

— Ela estava aqui Kurt, eu vi. — a expressão de Warren torna-se serena, mas angustiada. — Kitty não estava enganada... — Anjo entrega Agatha para Kitty e caminha até a janela do quarto — Eu... não sei que horas vou voltar.

Baía Hammer

Erik Magnus veste um terno risca de giz de cortes retos e gravata púrpura, em pé, com as mãos para trás, vislumbra pela grande janela de seu escritório a nação de Genosha ser reerguida. Dezenas, centenas, milhares de mutantes, antes usados como meras máquinas do povo genoshano trabalham para restaurar a glória de Genhosha com justiça, igualdade, respeito e retidão ao povo mutante. Magneto oferece casa e comida, jornada de oito horas diárias, salário mínimo e um dia de lazer para os ex-mutóides continuarem prestando seus serviços à comunidade. Sua promessa é que o país em um ano atinja seu potencial e esses mutantes, que estão prestando serviço a nação sejam recompensados com moradia própria, salário digno e direitos iguais.

— Xavier chegou. — A mutante de pele azulada e cabelos ruivos adentra a sala sem ser anunciada.

— Eu sei, Mística. — Magneto vira o rosto para olha-la de esguelha. — Faz dois dias, seus informantes estão lentos.

— Hum — Raven Darkholme serve-se de um bourbon no cálice de cristal e senta-se na confortável poltrona, deixando suavemente a lasca do vestido mostrar suas pernas — se você tem informantes tão rápidos, porque me quis aqui?

— Poupe-me de seu jogo de sedução Mística, ele não funciona comigo.

— Não? — Mística transforma-se em Vampira e aproxima-se de Magneto — Você sempre me pareceu querer mãe e filha.

Magneto suspira, deixando que a mão da mutante percorra seu tórax. Lentamente vê a mão que vestia uma luva esverdeada transformar-se e ficar apenas na cor da pele.

— Ou você prefere que eu remexa em amores antigos?

Vadia! — Erik Magnus cria um capo magnético que a expele de perto de si e a joga contra a parede. O colar, brincos, pulseiras e anéis de Mística derretem e correm por sua pele, formando uma mão em seu pescoço, sufocando-a — Como se atreve a mimetizar Magda?

Mística sorri, leva as mãos até a grande mão feita de ouro e gargalha.

— Você acha que pode me prender? — Rápida ela se metamorfoseia em uma cobra, escorregando da mão e ao tocar o chão transforma-se novamente em Mística — Eu estou aqui por que quero, Magneto, e não porque você me obriga. Nós temos muito a ganhar um com o outro.

Magneto arqueia a sobrancelha e range os dentes, com um aceno a mão dourada que estrangulava Mística cai ao chão.

— Não abuse da minha boa vontade.

— Você pode abusar da minha quando quiser. — Mística sorri, apanha a mão de ouro e sai da sala.

— Ela parou de tentar jogos comigo quando descobriu que nós gostamos da mesma coisa. — Cortez sai das sombras do grande escritório, onde permaneceu escondido.

— Isso nunca foi empecilho para Mística — Magneto volta a olhar a Baía Hammer — Ela o acha repugnante.

— Humm, isso explica muita coisa. — Cortez aproxima-se de Magneto — Quando pretendia me falar de que Xavier está em Genosha?

— Breve.

— Você mesmo diz que faz dois dias. Xavier poderia tentar algo contra você.

— Charles nunca faria isso, Cortez. — Magneto senta-se em sua cadeira e enlaça os dedos sobre a mesa — Ele acredita em mim.

— Você é um tolo! — Cortez aproxima-se das costas de Magneto e segura firme na cadeira — Xavier vai querer destituí-lo agora! Você reergueu Genhosha! Conseguiu um grande feito em apenas seis meses ...e graças a mim!

— Eu confio em Charles, Cortez. — Magneto fala calmamente — Ele está aqui apenas para garantir que o que for correto irá se cumprir. Você só esteve vivo para um propósito, para que me energizasse para que eu reconstruísse em poucos dias todo o sistema elétrico, de esgoto e a malha viária. — O Mestre do Magnetismo se vira para Fabian Cortez e o olha com desprezo — Há meses você não me é mais útil e eu tenho sido... tolerante.

Cortez olha para Magneto, seus dentes rangem e seus punhos estão cerrados tão firmes que o sangue falta na ponta dos dedos.

— Na falta de uma palavra melhor, Cortez, eu tenho sido benevolente. Mostre o devido respeito e saia.

Fabian Cortez vira as costas e caminha com passos longos até a porta.

— Cortez? — Chama Magneto enquanto esboça um leve sorriso e obtém a atenção do Acólito — Não creio que você entendeu quando eu falei "devido respeito".

— Certamente — Cortez aproxima-se e ainda com os dentes e punhos cerrados ajoelha-se perante a grande mesa — Com sua licença, "milorde".

Nova Oa.

Jean Grey está flutuando no recinto escuro, somente as lanternas de seus uniformes emitem uma suave luz verde. Quatro lanternas estão ao seu redor: Hal Jordan, Furtiva, Cilyx Mirkel e Merayn.

— Essa é a última sessão, Jean. — Hal Jordan ergue o braço direito, seguido pelos demais, os anéis começam a brilhar em uníssono envolvendo Jean Grey.

— Jean Grey da Terra — diz Cilyx — feche os olhos e siga minha voz. — A fêmea de pele azulada e antenas insectóides para as mãos sobre as têmporas da garota ruiva e fecha os olhos — Sinta a energia esmeralda percorrer seu corpo e livrar-te das impurezas, visualize essa energia e canalize a sua energia telecinética acompanhando, transformando seu sangue.

— Isso funciona mesmo?

— Shhhh! Quieta Furtiva, Cilyx é uma renomada curandeira do planeta Duruvar K. — Merayn faz sinal de silêncio e demonstra impaciência com a colega.

— Se você ta dizendo... — balbucia Furtiva — meu anel não disse nada. — Hal Jordan olha para a mulher de pele alaranjada com severidade. — Cale-se.

— Eu... — murmura Jean — eu me sinto melhor. — Jean levanta-se e abraça Cilyx. Durante esses meses nossos encontros foram sozinhos, porque solicitou a presença dos outros?

— Hal Jordan é terráqueo, e nesse momento final, onde estávamos concluindo a limpeza de seu organismo eu queria que a energia dele passasse pelo seu corpo, criando uma familiaridade com o lar de nascença de vocês. A energia de Merayn Dethalis reordenou seus chakras com a energia cósmica que carrega com você.

— E minha energia?

— E a energia de Furtiva é para que seu ventre esteja preparado com a união do feminino com a energia cósmica.

— Obrigada. — Jean sorri e abraça Cilyx.

— Anel, faça uma varredura sobre o estado de saúde de Jean Grey. Procure vestígios de envenenamento.

((Compreendido. Iniciando varredura corporal da terráquea Jean Grey Summers, 30 ciclos, altura de 168 cm e peso de 75 kg terrestres))

Poucos segundos passam para as cinco pessoas presentes na sala escura. Jean Grey segura firme a mão de Cilyx que lhe transmite confiança.

((Hal Jordan da Terra, varredura terminada. Não encontra-se vestígios de envenenamento na terráquea Jean Grey Summers. Espécime saudável.))

Os cinco lanterna verdes vibram e se abraçam.

— Mesmo sendo uma professora terrível, ruiva, fico feliz por você.

— Obrigada, Furtiva. — Jean a abraça e olha para o Guardião da Tropa — Hal, posso?

— À vontade, Jean!

— No dia mais claro, na noite mais densa, o mal sucumbirá ante a minha presença. Todo aquele que venera o mal há de penar quando o poder do Lanterna Verde enfrentar!




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.