hyperfan  
 

Titãs # 11

Por JB Uchôa

Águas Turbulentas

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Titãs
::
Outros Títulos

Nas movimentadas ruas de Times Square, onde o sol parece brilhar menos do que os sinais em neon nas lojas, Namorita caminha despreocupada. Usa óculos de aros grossos e os cabelos soltos, e está acompanhada do mutante Sam Guthrie, mais conhecido como Míssil, da equipe fora-da-lei X-Force.

— Não sabia que você usava... — diz Sam, timidamente, girando o dedo indicador ao redor dos olhos. — Como você faz embaixo d'água?

— Que eu usava o quê? Óculos? — Namorita pergunta de sobressalto, como se tivesse ficado espantada com a pergunta do mutante.

— É, os óculos. Desde hoje de manhã fiquei pensando nisso, quando você quis saber se eu gostaria de te acompanhar. É uma pergunta boba, eu sei, mas achei melhor do que ficar calado.

— Hahaha! Eu não uso óculos... bem, não óculos de verdade! É um disfarce! Eles escondem minhas sobrancelhas atlantes. Também solto os cabelos para disfarçar as orelhas. — a prima do príncipe submarino abaixa levemente a armação, deixando suas sobrancelhas à mostra, e dá uma piscadinha. — Eu pensei que vocês, X-Men, usassem máscaras. Você não tem medo de ser reconhecido?

— Já usei máscara, mas não gosto, aperta minhas orelhas. — enquanto Sam fala, Namorita faz um sinal para que parem em frente a uma loja, coloca a mão no queixo e fita atentamente um vestido — Pra que é a roupa? Alguma ocasião especial?

— Minha formatura. Kay Cera (*) é uma estilista renomada e a Mulher Invisível, uma cliente famosa. Se eu quisesse um vestido exclusivo teria que pagar muito caro e esperar meses na fila... mas, como tenho amigos influentes...

— Isso é bom! Sou formado em física pelo Instituto Xavier, e você tá terminando o quê?

— Biologia, mas pretendo me especializar em biologia marinha. — Namorita olha pela vitrine e vê fotos de Mulher Invisível, Feiticeira Escarlate, Vespa, Viúva-Negra, Supermoça e Mulher-Hulk com alguns dos modelos feitos pela estilista. — Olha, cowboy, tem fotos das clientes famosas! Susan está linda nesse vestido!

— Eu conheci o sr. e a sra. Richards certa vez. São ótimas pessoas!

— E ela ainda tem um irmão que é um gato! Vem, loirinho, tenho que fazer a prova da roupa e depois te levar pra treinar com o abacate!

Namorita puxa rapidamente Míssil para dentro do ateliê, onde são recepcionados pela estilista em pessoa. Nita retira os óculos e a cumprimenta.

— Nita! Como você é maravilhosa! Melhor do que nas fotos! Susie falou muito bem de você. Ela e Wanda estiveram aqui ontem fazendo umas comprinhas! Alice, querida, traga a fita para tirarmos as medidas dessa jovem! E você, quem é?

— Meu nome é Samuel Guthrie, senhorita Cera. — Míssil estende a mão timidamente, olhando para a bela morena que usa uma calça lilás e uma blusa azul-clara com um corte incomum que intriga o mutante.

— Me chame de Kay, querido! — responde ela, ignorando a mão do rapaz pronta para o cumprimento, e dando um beijo em seu rosto. — Nita, tomei a liberdade de fazer uns croquis! — enquanto uma de suas ajudantes tira as medidas de Namorita e anota tudo em um papel, outra serve um refresco para Sam, convidando-o para sentar-se. — São só estudos! Susie me disse que você vai se formar em biologia e achei que seria apropriado fazer um vestido que lembrasse sua herança atlante. — Namorita olha os croquis com atenção e fica encantada com os vestidos.

— Susan só tem elogios para você. Confio no seu taco, Kay! — Alice entrega o papel com as medidas da guerreira submarina.

— UAU! São medidas invejáveis! Acho que agora sei por que você usa aquele maiô verde como uniforme.

— Por falar nisso... seria muito abuso pedir que você me ajudasse a criar um uniforme novo?

— Querida, será um prazer! — Kay Cera fita o corpo da jovem com um sorriso e um brilho nos olhos.

Namorita passa horas com Míssil dentro do ateliê de Kay Cera. Enquanto a atlante parece estar se divertindo, Sam se questiona mil vezes por que não perguntou onde ela pretendia ir antes de aceitar seu convite. Compras, mulheres, horas na espera! Na Torre Titã, Mutano está impaciente com o sumiço do recente aliado.

— Caramba!! Onde será que ele foi? O Asa disse que ele ia ficar por aqui e treinar comigo algumas técnicas para explorar fraquezas da tal Irmandade! — Garfield Logan troca os canais da televisão rapidamente, imerso em pensamentos e não concentrando sua atenção em nenhum deles. Passa despercebida, então, a reportagem de que uma mina foi encontrada perto da Estátua da Liberdade. Quando Mutano coloca o canal na MTV e aumenta o som para ouvir Clint Eastwood, do grupo virtual Gorillaz, não escuta o som do grito abafado que vem do quarto de Ravena e ignora o cheiro de enxofre que surge no ambiente. No quarto da empata, pequenos demônios a prendem em correntes encantadas, e por meio de encantos a transportam por uma fenda luminosa, rumo ao desconhecido.

— Olá! — diz Míssil, chegando na sala de televisão. — Desculpa o atraso, mas Namorita me prendeu em uma loja!

— Sem problemas, cara! Vocês curtem um fetiche, hein? E então, vamos treinar? — pergunta o titã esmeralda, desligando a TV, e não deixando Sam responder a piada que ele acaba de fazer.

— Hããã... Quero treinar com você logo, assim mais tarde posso colocar o pé na estrada. — Sam leva a mão ao nariz e faz cara de nojo — Que cheiro esquisito é esse?

— Não sei... deve ser conseqüência dos burritos com chili que o Arsenal jantou ontem! — Mutano e Míssil descem para os andares inferiores. O mutante tenta se lembrar onde sentiu esse cheiro antes, mas se perde em seus pensamentos quando começa a treinar com Mutano.

Eles treinam durante horas. Míssil repassa com Mutano alguns ataques que poderiam ser desferidos contra Blob, Mímico e Empata. Pede cautela num ataque a Magma e conta a história de Amara Aquilla, de como ela deixou de ser membro dos Novos Mutantes para ingressar nos Satânicos. Por ter prolongado a conversa, tem que explicar que a Rainha Branca está do lado dos X-Men agora, e que é de confiança... bem, ao menos para alguns. Mas que ao menos Escalpo, sua irmã, gosta dela.

Nesse meio-tempo, Namorita Prentiss faz provas em alguns vestidos e conversa animadamente com Kay Cera. Para sua surpresa, a estilista adaptou uma de suas peças para servir como um novo uniforme.

— Gosta? Só temos que mudar o tecido, usar as tais moléculas instáveis de Reed, ou então vai rasgar na primeira luta. Nós poderíamos fazê-lo nessa cor ou em branco. Claro que, caso seja branco, os detalhes seriam pretos ou prata. Poderíamos forrar as sapatilhas com kevlar para deixarmos seus chutes mais potentes...

— É lindo! — Nita entra na cabine para poder se olhar novamente no espelho. As sapatilhas especiais para banhistas protegem seus pés e deixam de fora as asas que surgem de seus tornozelos, com liberdade suficiente para movimentarem-se. O tecido preto, quase emborrachado (seria couro?) valoriza suas formas e cobre uma extensão muito maior de seu corpo, dando um aspecto de escamas. O decote em V, quase uma fenda, contorna seus seios e deixa o umbigo à mostra. Um pequeno cinto dourado prende uma pequena bolsa em sua perna esquerda, onde ela poderá guardar o comunicador titã e algum apetrecho caso não possa contar com seus poderes, e que ainda é pequena o suficiente para permanecer discreta. O novo uniforme a deixa mais mulher, e ela imagina que se usasse os cabelos presos em um rabo-de-cavalo, ficaria parecida com Barbara Eden, do seriado "Jeannie é um Gênio", um de seus favoritos. De repente, o comunicador toca e, para sua surpresa, o chamado não vem da Torre Titã!

— Namorita, precisamos de você! — diz a voz com timbre levemente metálico.

— E você, quem é? — pergunta Nita, curiosa.

— Uma amiga. Asa Noturna me indicou você.

— Hummmmmm, você é a tal de Oráculo, não é? A tal que a Kory tem ciúmes. — Barbara Gordon não responde, o que só confirma sua identidade. — Em que posso ajudá-la?

— Recebi informes de uma tentativa de ataques terroristas em Nova York. Localizei doze minas aquáticas nas proximidades da Ilha da Liberdade, uma foi avistada por um grupo de turistas japoneses. Temo que não sejam minas comuns, mas com uma tecnologia avançada, já que elas parecem movimentar-se de forma imprecisa, desobedecendo a correnteza. Talvez explodam ao menor toque, e possam estar programadas para atingir barcos. A guarda costeira está a caminho, mas suas habilidades poderiam ser de maior valia. Posso contar com você?

— Claro! — a jovem titã parte voando do ateliê de Kay Cera, ajeitando um comunicador na orelha, sem despedir-se.

— Pra onde ela vai com tanta pressa? — pergunta Alice, notando que Namorita foi vestida com a roupa que estava usando.

— Super-heróis... sempre salvando o mundo! Às vezes não pagam a conta, mas sempre nos garantem publicidade! — A estilista sorri e acena para a porta, onde Namorita já sumiu de vista. — Boa sorte, querida! Beijos e paz!

Ilha da Liberdade. A suntuosa estátua presenteada pela França e idealizada pelo escultor Frédéric-Auguste Bartholdi permanece com sua tocha reluzente dando boas-vindas a quem chega a Nova York. Um símbolo da cidade, e de liberdade para o mundo. Em sua base existe gravado o poema de Emma Lazarus, "Lady Liberty": "Venham a mim os exaustos, os pobres, as massas confusas ansiando por respirar liberdade." Turistas percorrem as escadarias e o interior do monumento. Namorita chega a pensar que as minas podem desestruturar a base da ilha, fazendo com que o símbolo da América pereça nas águas do rio Hudson.

Seu vôo é rápido. Quando chega perto da estátua ela mergulha e contorna a ilha, encontrando cinco minas. Olha ao redor procurando por outras. "Oráculo disse que elas podem explodir ao menor toque." — ela pensa, e mesmo assim aproxima-se perto o bastante para ver se pode encontrar alguma pista. Tenta colocar a mão próxima de uma das grandes esferas e fecha os olhos. Faz uma prece ao poderoso deus Posêidon e toca a superfície metálica levemente. Ela sente a água vibrar e se afasta, esperando pela explosão, os braços cruzados na frente do rosto e as pernas encolhidas, os joelhos encostando nos cotovelos. Assim, ficam menos expostas partes vitais como cabeça e tronco. Mas nada acontece. Quando abre os olhos, Namorita vê a esfera emitindo um brilho azulado, que seria imperceptível se seus olhos não fossem acostumados a penumbras oceânicas. O brilho se estende pelas outras quatro esferas e pode-se perceber claramente que forma um pentagrama. Todas as esferas mudam seu brilho azulado para vermelho e parecem pulsar tão forte que emitem vibrações na água.

— Glorioso Posêidon!!! As minas vão explodir!!

— Namorita, aqui é Oráculo! Chute uma das esferas, agora! — como ordenado pela voz em seu comunicador, Namorita chuta a mina com força para fora d'água. O explosivo é detonado vários metros acima na superfície, mas Oráculo avisa que ninguém foi ferido e que não houve dano algum. As demais esferas perdem o brilho, ficando com aparência opaca, e parecem implodir. — Gostaria que você fosse me relatando o que vê, para eu poder fazer um gráfico no computador e ajudá-la.

— As esferas restantes pareceram implodir, não deixaram vestígios, como se virassem pó. As sete restantes estão se aproximando, me cercando, como se a destruição das outras tivesse acionado algo nelas. — acompanhando o relato de Namorita, Barbara Gordon faz um gráfico em 3D, traçando a localização das minas e de sua aliada, esperando que quando animado o esquema possa chegar próximo da realidade.

— Não as deixe chegar perto de você! Jogue uma contra a outra! — obedecendo com rapidez, a atlante utiliza de toda sua força para fazer as esferas se chocarem. Novamente elas implodem, deixando as heroínas cada vez mais intrigadas. Como se tivessem consciência própria, as minas restantes avançam e tentam nocautear Namorita, que toma uma atitude defensiva, se esquivando.

— Namorita, a guarda costeira está tentando retirar os barcos do local e evacuar a estátua! Tente não destruir as bombas, verei se consigo contatar a Canário Negro e Poderosa para retirarem alguma delas.

— Não sei se posso aguentar muito mais, Oráculo! Elas estão cada vez mais rápidas, e tenho medo de que comecem a explodir. — mal Nita termina a frase, uma esfera a atinge nas costas e começa a ficar vermelha. Como que por instinto, seus poderosos punhos acostumados à pressão dos oceanos esmurram fortemente a mina, que passa a emitir um zumbido. Namorita nada para longe da esfera, mas o impacto da explosão a atinge, deixando-a à deriva, desacordada.

— Namorita? Namorita?!? Deus... só recebo estática! Espero que ela esteja bem, pois não poderá contar comigo! — uma preocupada Oráculo tenta fazer contato com outros heróis.

Em seus sonhos, Namorita Prentiss gostaria de voltar à infância, de rever sua mãe adotiva, de se divertir em brincadeiras na piscina e assistir televisão. É como se sua mente ficasse à deriva no mar, a bordo de um transatlântico. O vento batendo no rosto, o sol brilhando tímido em águas cristalinas, aquecendo sua pele. Nesse mundo de fantasia, ela abraça um homem de peito desnudo, ombros largos e fortes, de sorriso jovial, quase adolescente. Os cabelos negros, cova no queixo, dentes brancos. Sua pele nua toca a dela, o mesmo tom de pele, como se ambos pudessem formar um só. Ele a beija longamente. Ela leva a mão ao olhos tentando bloquear o sol e poder ver o rosto de seu amado. A imagem fica turva, o ar ao seu redor fica gélido... e de repente ela acorda, submersa em águas frias, e lembra que tem uma tarefa a cumprir, pessoas a salvar e um nome a honrar: Titãs!

— Deus... as esferas!! — batendo fortemente as pernas, Namorita nada rapidamente, circulando as esferas, fazendo com que se choquem e acabem implodindo. Resta apenas uma, que mesmo sem ter sido tocada por ela, emite um brilho vermelho, anunciando a explosão — Talvez Oráculo tenha conseguido falar com a Poderosa, Canário ou a Mulher-Maravilha! Qualquer um! Só espero que seja invulnerável ou que tenha algo capaz de conter esse troço!

Seus pedidos são em vão. A esfera dispara rumo a superfície, explodindo no casco de um barco de turistas e causando um enorme estrago. A Titã nada em direção ao barco, colocando o enorme peso da embarcação em seus ombros, tentando elevá-la para que não afunde e venha causar mortes. Infelizmente, ela sabe que seus esforços não serão suficientes, e caso não receba ajuda não poderá salvar as pessoas ou a si mesma.

Na Torre Titã, Mutano está treinando com Cyborg o que aprendeu com Míssil.

— O cara é legal, lata velha! Maneiro mesmo! — Mutano conversa com Victor Stone na forma de um grande condor verde, fazendo manobras com suas gigantescas asas, imitando o Mímico.

— Eu acredito, os X-Men são legais! O povo é que deturpa a imagem deles por serem mutantes. Ei Gar, se transforma num elefante pra eu tentar ver como é esse Blob!

— O cara disse que ele é irremovível! Somente ataques telepáticos podem nocauteá-lo. Claro que podemos mover o chão abaixo dele... e o que mais... ah, sim, utilizar algum tipo de gás! Mas só! Porrada ele não sente!

— Cê viu a Ravena hoje? Ela anda estranha.

— Não vi. Aliás, nem sei se ela voltou a ser uma titã! Ela vem e vai! Não cria raízes...

— Vamos com calma, Gar! A mina passou por maus bocados e ainda tem o lance com o pai dela... será que... esquece! — Cyborg transmuta o omegadromo para sua skin humana e avisa que o treino acabou.

— Fala aí, compadre! — na forma de um papagaio, Mutano pousa no ombro do companheiro — Não quer mais se abrir com o bom e velho Gar Logan? O primeiro e único...

— ...Abacate falante? — Victor sorri — Não é nada, só tenho medo de topar com o Trigon de novo. O cara me dá arrepios!

— Desencana! Ei, quer ver eu imitar de novo o Scooby?

— Você quer ver eu chutar sua bunda pro outro lado da cidade? — Os dois sorriem. Mutano volta à forma humana e acompanha o amigo pelos corredores. Nisso, o comunicador dos Titãs toca.

Nas proximidades da Ilha da Liberdade, Namorita chega ao seu limite sustentando a embarcação. A cada minuto que passou, ela parece ter ficado mais pesada. De repente, uma mulher loira, de roupa dourada e branca, começa a erguer a embarcação.

— Olá. Eu sou a Poderosa, Namorita. Oráculo me mandou. Estamos aqui para ajudá-la! — Poderosa ergue o barco para fora da água.

— Estamos? — Namorita pergunta, intrigada, pois somente vê a própria Poderosa.

— Sim! Oráculo, eu e os Titãs! Estelar, Cyborg, Mutano e Jesse Quick estão levando as pessoas para uma balsa, e os feridos para o hospital mais próximo. Oráculo está em contato com os hospitais para saber qual estaria mais apto a atender as pessoas. Asa Noturna e Arsenal estão com as autoridades competentes e a guarda costeira. Tróia está pegando destroços do barco e limpando a área. Tempest está vasculhando o rio à procura de alguma pista. Trabalhamos bem em equipe, hein? — quando o barco é evacuado, Poderosa e Cyborg o levam até o cais para receber os reparos necessários.

— Parabéns, Nita! — Asa Noturna estende a mão para a colega, que agradece — Você fez um belo trabalho sozinha!

— Estamos orgulhosos! — Completa Tróia.

— E deslumbrados! — na forma de um lobo, Mutano uiva e coloca a língua para fora — Adorei o uniforme!

— Meus Deus! Esqueci de trocar, estou com a roupa de Kay Cera!

— Um uniforme de Kay Cera? U-A-U! — exclama Estelar — Fiz um desfile para ela, e suas roupas são M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A-S! Como conseguiu?

— Tenho amigos influentes! — responde Namorita, com um sorriso — E então, vamos para casa?

Na torre do relógio de Gotham, Oráculo está satisfeita com o trabalho realizado. O atacante, quem quer que seja, pode ter escapado impune, mas ela sabe que ele dará as caras novamente. É só armar o bote.

:: Notas do autor

(*) Mais conhecida como a heroína Cuco, do Clã Destino.voltar ao texto



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.