hyperfan  
 

Batman # 42

Por Leonardo Araújo

Realidades
Parte II

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Batman
:: Outros Títulos

Em algum futuro alternativo o Cavaleiro das Trevas se encontra no quarto de uma de suas coberturas em Gotham, ou melhor, numa versão bélica e futurista da cidade em que nasceu. Veículos de patrulha e alguns outros locais exibem uma versão escarlate, num tom escuro, do logotipo do morcego o qual Batman ostenta no peito.

— Alfred, você disse que é o computador? — pergunta Bruce à máquina a sua frente.

— Sim, mestre Bruce. Sou a central de comando da rede automática de defesa do planeta. Por favor, para confirmar a presença de Bruce Wayne nesta sala, queira aproximar sua vista do sensor ótico verde.

— Alfred, você disse que reconheceu meus padrões biorrítmicos. Por que outra necessidade de confirmação?

— Os dados captados por meus sensores e identificadores de presença reconhecem seu padrão, mas necessito de maiores confirmações: há inconsistência com as memórias disponíveis.

— Alguns dos padrões não são reconhecidos? — fala hesitando em cumprir o pedido.

— Todos os padrões biorrítmicos conferem. O choque ocorre em nível do histórico disponível.

— Como assim?

— Bruce Wayne está morto.

Um princípio de caos tenta se instalar na sua mente, mas a disciplina férrea e anos de treinamento fazem Batman resistir à sensação de que o mundo foi removido debaixo de seus pés.

— Explique melhor isso.

— Por favor, queira se submeter à verificação de retina.

A fim de verificar o que estava ocorrendo, Bruce se aproxima do equipamento e permite um rápido escaneamento de seu olho direito.

— Identidade confirmada. — afirma o computador. — Batman morreu devido a ferimentos múltiplos ao se infiltrar em Apokolips, há dez anos.

— E o que eu fui fazer, supostamente, em Apokolips? Trazer o Exterminador para ser preso na Terra?

— Negativo. Batman, Mulher-Maravilha, Fogo, Magneto, Grande Barda e Homem de Ferro foram destruir o Mundo Bélico que Darkseid estava para terminar. A Terra não suportaria um confronto com tal arma.

— Magneto? Mundo Bélico?

— Só a Mulher-Maravilha e Batman retornaram. Seu coma era irreversível: você foi dado como morto pela equipe médica dois minutos, vinte e cinco segundos após a amazona trazê-lo. Diana morreu uma semana depois, também vítima dos ferimentos nesta ação. Eram os últimos membros vivos da Liga da Justiça.

— Últimos? O que... — sua disciplina começava a perder terreno, frente ao caos que as informações que recebia gerava. Ele se recompõe. — Alfred, ponha-me a par do contexto que originou a minha morte. Melhor, do contexto que levou os membros da Liga da Justiça á morte.

— Buscando arquivos do histórico.

A tela a sua frente começa e exibir uma gravação de um noticiário. Neste, um reporte comenta:

— A Terra está sofrendo um ataque alienígena em larga escala. Um momento: — o reporte pressiona um comunicador localizado no seu ouvido. — um pronunciamento do Capitão América está sendo transmitido para as Nações Unidas.

A imagem muda, mostrando o alter ego de Steve Rogers.

— Senhores presidentes, primeiros ministros, reis e demais líderes nacionais. Há cerca de duas horas as principais cidades do mundo sofreram um intenso e devastador bombardeio. Estimamos que mais de cem milhões de pessoas tenham morrido neste ataque e mais de quinhentos milhões estejam feridos ou desabrigados. É evidente que nossas forças armadas não têm tecnologia para defender nossas cidades. Grupos como Vingadores, X-Men e Liga da Justiça envidam grandes esforços para minimizar a destruição, mas, mesmo assim, a escala de mortes é sem precedente na história da humanidade.

O velho soldado traz um nítido desgaste em sua face, perceptível mesmo por detrás da máscara.

— Uma hora atrás se iniciou a invasão no nosso planeta. A intenção de ocupação era evidente, devido ao desembarque de tropas. Junto com a Liga, os Vingadores levantaram o perfil dos invasores. Tropas de Darkseid lideram o ataque. Junto com eles há guerreiros da Cidadela e dos Skrulls. Uma coalizão alienígena foi formada, nas sombras, contra nosso povo. Estamos lutando pela sobrevivência da humanidade. Aqueles a quem chamam de super-heróis estão ombreando com as tropas de diversas nações. Muitos, como Capitão Marvel, Hércules e Capitão Átomo, morreram. Neste exato momento, aqueles que são os mais fortes entre nós, liderado por Super-Homem e Thor, tentam selar o portal que permite a chegada de tropas alienígenas à Terra. É um ataque suicida, — ele faz uma pausa — mas tem de ser feito, pois, na melhor das estimativas, a continuar o atual avanço das tropas alienígenas, estaremos todos mortos em menos de dois meses.

Novamente o herói para seu relato. É só um breve segundo, para retomar em seguida:

— Estamos pedindo auxílio aos planetas que sempre nos apoiaram, como Rann, Nova Gêneses, Oa e Tamaran. A união e cooperação de todos são indispensáveis para que sobrevivamos como espécie.

A comunicação é interrompida: o sinal que o Capitão América enviava caiu.

— Alfred, dê-me um resumo dos fatos que se seguiram.

— Em 27 de dezembro se 2009 a Terra foi atacada. Morreram 109.003.754 pessoas, dos quais 26 eram meta-humanos ou atuavam em grupos com eles. O patrão Dick morreu neste dia. Os números oficiais apontam para 438.905.023 pessoas desabrigadas em todo o mundo.

— Dick. — reflete Batman.

— O primeiro socorro da Terra veio do Reino de Argard. Odin, pessoalmente, comandou os deuses numa represaria a morte de Thor.

— Thor morreu no ataque ao portal citado por Rogers?

— Perfeito, senhor. Com ele, o Caçador Marciano, Geoforça, Poderosa, a Mulher Invisível, Tocha Humana e o Coisa.

— Prossiga. — solicita o Homem-Morcego.

— Após uma semana de confronto, com o planeta quase dominado e mais de 800.000.000 mortos, com as resistências mais atrozes concentradas na Ilha Paraíso e Olímpo, tropas de Nova Gêneses e Rann iniciaram uma ofensiva sobre os invasores. Conseguimos um equilíbrio de força e o domínio do planeta foi retomado. Mas o preço foi muito alto. Perdemos mais de dois terços dos meta-humanos na retomada. Superman foi um dos que morreu neste confronto. Os alienígenas mantiveram uma base no lado escuro da Lua.

— Kent. Isso é... — a voz falha — loucura.

— É a história. — corrige o computador.

— Prossiga.

— Nos meses subseqüentes, Tamaran e Oa forneceram avanços tecnológicos para podemos nos sustentar no conflito. Tamaran também entrou em guerra com a Cidadela, o que reduziu as tropas deles aqui na Terra. Dois anos depois, Metron veio até o comando das operações de defesa da Terra e alertou sobre o Mundo Bélico que Darkseid estava por terminar em Apokolips: a nova arma tinha cerca de dois terços do tamanho da Lua. As batalhas eram intensas e a contagem de mortos já chegava a um bilhão e meio. Pouquíssimos meta-humanos estavam, na ocasião, vivos. O senhor reuniu pouco mais da metade deles e partiu para Apokolips. Estas são as imagens do retorno.

O monitor da sala passa e exibir uma ruptura no espaço, dentro do que um dia foi a Batcaverna. Surge um portal negro, um tubo de explosão. A Mulher-Maravilha sai do tubo, banhada em sangue, trazendo o corpo de Batman inerte em seu colo. Alguns presentes, como Tim Drake, Cassandra Sandsmark e Coronel Rick Flag Jr vão em direção a amazona, tomam Batman dos seu braços e apoiando a Mulher Maravilha até um maca.

— Conseguimos, conseguimos... — Diana repetia sucessivas vezes.

Batman é posto numa cama ao lado. Esforços são feitos por toda a equipe médica para salvar o Cavaleiro das Trevas, mas nada o fazia reagir. Diana viu quando a equipe desistiu, viu Tim correr para a maca e massagear o peito de Bruce implorando por um milagre. Cassandra se dirigiu a Diana para lhe dar a notícia. Ela ouve, verte uma lágrima e perde os sentidos.

Bruce observa as imagens no monitor: seu corpo retalhado e imóvel sobre a cama; Tim sentado ao lado com as mãos sobre a cabeça; e Cassandra segurando a mão de Diana enquanto os médicos se movimentam freneticamente no local. Choques no peito de Diana são dados. Cyborg afasta Cassandra, que chora convulsivamente.

— Diana, a princesa das amazonas, entrou em coma profundo. — interfere Alfred — Faleceu uma semana depois. Ela estava na segunda semana de gestação. — Bruce dá um soco na mesa — A criança teve a paternidade confirma: era sua.

— Isso não pode ter acontecido! — ele encara a vídeo.

— Prosseguindo. O patrão Tim monta e assume rede automática de defesa da Aliança Terra cerca de seis anos após o evento de sua morte, em 7 de fevereiro de 2017. Ele também assume o codinome de Batman, embora sua identidade seja pública, e lidera o grupo Alfa: os últimos dentre os meta-humanos na Terra.

— Como está o atual status do confronto? — pergunta Bruce para se atualizar.

— A guerra está em equilíbrio de forças.

— Conseguimos atacar Apokolipss, os Skrulls ou a Cidadela?

— A ação liderada pelo o senhor foi nosso único ataque de sucesso a base de Darkseid.

— Onde está Tim?

— Aparentemente, no momento que o senhor surgiu aqui, ele desapareceu. Não há qualquer contato dele que possa ser registrado por meus sensores no planeta. Ele trabalhava...

— Que aviso em vermelho é este na tela: "Reunião em 20 minutos". Reunião com quem sobre o que?

— Mestre Tim tem uma reunião com a equipe Alfa em 19 minutos e 51 segundos.

— Quem assume a rede de segurança na ausência dele? — questiona Batman.

— O segundo no comando é eleito dentre os integrantes do Alfa. Todos têm acesso à rede.

— OK, vou comunicar ao grupo.

— Mas... — o computador interfere.

— O quê?

— Meus sistemas foram montados com base na rede da Batcaverna. Com sua chegada, os sistemas passam a responder ao senhor.

— Então todas as minhas senhas e arquivos estão mantidos.

— Perfeitamente, mestre Bruce.

Vinte minutos depois, um seleto grupo está reunido numa sala do subsolo da edificação, especificamente 35 metros abaixo da superfície.

— Tim está atrasado. Ele sempre chega antes de todos nós.

— Tem razão, Cyborg. Vou Checar.

— Não é necessário, por hora, Cassandra. Ele não virá.

Todos se voltam para a voz que adentra a sala.

— Porque retomou o antigo traje do Batman, Tim? — pergunta Lince Negra.

— Não ouviu? Ele não é o Tim? O que você fez com o Tim? — um ciborgue avança em direção a Batman — Quem e você?

— Eu o reconheço Arsenal, — diz Batman ao se esquivar do golpe — mesmo com partes cibernéticas.

— Quem... — Cassandra é interrompida.

Ele remove o capuz, puxando-o para a nuca.

— Sou Bruce Wayne, o Batman.




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.