hyperfan  
 

Flash # 10

Por Délio Freire

Não Fale dos Mortos a Não Ser Para Dizer o Bem (*)

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Flash
::
Outros Títulos

"Segundo alguns, é na fase da putrefação (morte) que se libertam os dois agentes primordiais da obra: o enxofre (quente, seco e masculino) e o mercúrio (frio, úmido e feminino)."

— Umberto Eco


Zero grau. Essa é a temperatura ideal para Leonard Snart, o Capitão Frio, e que permite que levante bem disposto de sua cama em um hotel barato de Central City. Ele olha para o espelho embaçado, penteia o cabelo e escova os dentes. Sorri. Hoje é dia de festa na cidade, mas, se tudo der certo, não será o aniversariante que terá o seu presente.

Em seguida, como faz todas as manhãs, toma o seu desjejum caracterizado como o vilão que tanto se orgulha ser. Em sua mesa, saboreia um café da manhã mais do que apropriado à sua personalidade: um chá frio, sorvete light e uma fatia de pão integral. Começa a refletir com mais tranqüilidade sobre a proximidade das homenagens em memória de Barry Allen, o segundo Flash.

Levanta-se. Coloca a arma congelante em seu cinto. Liga para seu aliado, o Onda Térmica.

O despertador toca. Seu corpo está moído. Se pudesse escolher, manteria-se em sua cama quente. Rory Calhoun, o Onda Térmica, desperta no horário combinado na esperança de que seus planos de vingança dêem certo.

Com um pijama que o aquece dos pés a cabeça e um gorro que o protege do frio, Calhoun sai calmamente de sua cama para preparar o café. Enquanto põe a chaleira de água no fogo, pega uma frigideira e a coloca no fogão, derramando o óleo sobre ela e aguardando o seu aquecimento. Em seguida, bacon, salsichas e ovos estalam e chiam, seu calor subindo para o rosto de Calhoun e fazendo-o sentir-se melhor.

Com a comida pronta, coloca-a no prato imediatamente, queimando o interior de sua boca ao sentir o calor que tanto o agrada. À noite, para desgastar a comida, terá que exercitar-se, aquecendo novamente o seu corpo.

Satisfeito, se retira da mesa para vestir seu uniforme em poucos instantes e tornar-se o Onda Térmica. Coloca a sua arma de calor no cinto. O telefone toca. É o Capitão Frio.

"Ver a cidade em festa em homenagem ao meu tio Barry Allen é algo que ainda me emociona. Crianças nos ombros dos pais, casais de namorados, velhos, anônimos a quem ele salvou a vida, policiais com dívidas de gratidão. São inúmeras as pessoas em Central City que devem algo para aquele que por tantos anos usou este uniforme vermelho."

"A cidade está colorida, cheia de decorações, e muitos habitantes usam uma camisa de Flash como se estivessem usando a do seu time preferido. Tudo preparado para celebrar a memória de um homem. O prefeito faz um breve discurso emocionado, cita meu nome e puxa aplausos."

— Que as festividades comecem! — diz o prefeito em seguida, erguendo as duas mãos.

"Saio de perto dele e esbarro em Simpson Smith, chefe da UCE (**) local e atualmente o meu maior rival, pelo menos no que se refere ao coração de minha ex-namorada, Linda Park. Com presença de espírito, Smith percebe os fotógrafos se aproximando e deixamos nossas diferenças para outro momento."

— Não é a hora! — "Smith diz, entre dentes, enquanto aperta minha mão."

— Pressentindo o perigo, arremedo de Wesley Snipes?

— Nada com que eu não conviva diariamente, imitação barata de Matt Damon...

"Nos despedimos, nossos sorrisos amarelos. Ao menos em memória do velho Allen, devemos deixar a resolução de nossas rixas pessoais para um melhor momento."

"Sinto um braço me segurar, interrompendo o meu caminho. Com curiosidade, me viro para saber quem é e não me surpreendo tanto com o que vejo."

— Hermes...

— Que desapontamento! Pensou que fosse quem? Linda?

"Não o havia notado entre os presentes. Hermes a cada dia que passa prima em ser discreto tanto em suas roupas, como em seus gestos; gostaria que ele fosse assim com suas palavras..."

— Emocionante não é mesmo? — o deus grego aponta a multidão com um movimento do rosto — Sabe, Wally, as coisas não mudaram muito desde que vim à Terra. A esperança de um povo, o desejo de que alguém, um ser mágico, nos proteja, sempre acompanhou a humanidade, e não mudará de uma hora para outra. Não sente o peso da história sobre suas costas? O peso em se usar uma vestimenta que seres tão valorosos quanto você já usaram e usarão? É uma verdadeira honra fazer parte dessa dinastia e dar esperança a um povo.

— Tá bom, Hermes. Essa é a parte em que eu choro e peço pra me tornar um semideus do panteão grego?

"Hermes sorri e aponta para o símbolo em meu peito."

— Gosto disso. Um raio transpassando um círculo é algo bem sugestivo. Diziam os antigos que o conhecimento vem do céu sob a forma de um raio de luz intenso que trespassa nosso coração, desde que o preparemos adequadamente para que, na hora certa, ele se abra como uma flor. É necessário que o raio penetre o círculo para se fazer conhecimento.

— Por que não é direto mais vezes? O que quer dizer exatamente?

— Apenas quero que não se esqueça que seus pensamentos são tão valiosos quanto a prata, mas o seu coração vale o seu peso em ouro.

"Hermes se despede com um aceno e vai para o meio da multidão. Sinceramente, gostaria de conhecer alguma divindade que não precisasse sair de cena sempre com frases de efeito que ficam me perturbando por minutos. Uma dor de cabeça vem surgindo."

"Enquanto observo as comemorações acontecerem, me recordo com grande nitidez daquele que representa um ideal a ser seguido e respeitado. Barry Allen, para mim, serve de referência, especialmente quando não sei o que fazer; deixo minha imaginação correr solta e coloco-me em seu lugar. O que ele teria feito? Muitas vezes encontro as respostas para minhas dúvidas assim. Talvez por isso sua presença encontre-se sempre forte. Mantenho um diálogo constante com ele, mesmo após sua morte."

— Por quê?! É isso que me pergunto. — a voz da mulher é firme e alta, nítida apesar da barulheira da música e comemorações; parece indignada — Por que se comemorar essa data? Por que celebrar o nascimento de dos maiores assassinos e traidores que Central City já teve?

A música pára. O burburinho é geral. Vozes agressivas e magoadas levantam-se contra os feitos de Barry Allen. Assassino. Traidor. Ladrão.

— Dezenas de pessoas assassinadas por Barry Allen! — lembra-se um dos homens do povo — Dezenas em um só gesto!

— E o seqüestro do prefeito de Nova York? — lembra-se outra.

— Roubos a bancos! — e mais a outra.

— Traições... — vozes diferentes trocam desabafos.

— Ele envergonhou nossa cidade.

— E desgraçou a dinastia heróica que Joel Ciclone construiu...

— Descarado! Ele morreu me devendo uma fortuna no jogo!

— Ele roubou minha mulher!

— A minha também!

— Humilhou nosso povo!

— Por que estamos festejando em memória de Barry Allen?

— Se não fosse Wally West limpar o bom nome da dinastia Flash...

— Um trabalho difícil para esse garoto...

— Coitado! Não teve culpa de ser um sobrinho daquele crápula...

"Vejo a mulher fazer um sinal para que o povo se acalme. Ela volta a falar."

— Sim! Estamos aqui para celebrar a dinastia Flash, que apesar de seu segundo fruto podre, não perdeu seu valor com o passar dos anos! Celebremos Joel Ciclone! Celebremos Wally West! Mas não esqueçamos de dois dos maiores heróis que ajudaram a essa cidade a dar um fim aos crimes de Barry Allen: Capitão Frio e Onda Térmica!

"Ambos surgem, ovacionados pela multidão presente. Num gesto desnecessário de escárnio, disparam suas armas contra a mais recente estátua erguida em homenagem a Barry Allen."

"Não deixo de reconhecer a importância do Capitão Frio e Onda Térmica em deter o segundo Flash; mas isso é passado, Central City não precisa perpetuamente sujar a imagem de Allen, por pior que ele tenha sido. Estranho. Enquanto aplaudo as brincadeiras e a festa em torno de nossos velhos aliados, sinto um desconforto enorme; o sentimento ao me lembrar dos crimes de Allen é amargo. Me sinto culpado, sem saber exatamente o porque. Minha dor de cabeça aumenta."

"O Museu do Flash. Enquanto o visito, em trajes civis, diversas lembranças, entre boas e más, surgem em minha mente; não sei exatamente o que me trouxe até aqui, mas reconheço que as coisas não estão se encaixando. Há algumas referências a Allen em velhos jornais e revistas como sendo um herói; quem teria se predisposto a armar um esquema intricado de mentiras? Mesmo no Museu, existem artefatos que denotam um certo louvor à imagem do segundo Flash, mas que agora são retirados graças ao clamor popular. Todos sentem um repúdio à idéia de enxerga-lo como herói. Eu, de contraparte, apesar de apenas me lembrar dele como vilão, não estou muito à vontade com meus pensamentos."

— Com licença. — "peço passagem para olhar algumas caixas que estão sendo retiradas."

"Interessante. São objetos de que nem me lembrava mais. Confesso que um, dentre todos, me chamou mais a atenção. O observo com curiosidade e o pego com cuidado. Numa pequena base de metal, um antigo aparelho interdimensional que me permitia na adolescência me comunicar com Ryla. Era, de certa forma, a nossa internet intergalática."

"Há tempos não me lembrava de Ryla. Natural do planeta Korydon, da sexta dimensão, recordo-me que a conheci graças aos meus tempos de Kid Flash. Tento me lembrar da exata participação de Barry Allen, mas não consigo. Minha dor de cabeça continua forte; mal posso me concentrar nesse período."

"Enquanto os carregadores retiram as peças do museu, aproveito para retirar o comunicador interdimensional de sua pequena base e, em supervelocidade, parto para um quarto isolado do prédio."

"Agora paramentado com o uniforme vermelho, fuço o aparelho ao máximo em um outro cômodo do museu. Há tempos não mexia nele; será que ainda funciona? Não me parece danificado e sua operação não me parece ser difícil. Lembra vagamente o design de um radioamador. Quando o danado estala e começa a chiar repetidas vezes, eu tenho um sobressalto."

Yes!

"Parece que está funcionando ainda."

— Terra chamando Korydon. Terra chamando Korydon.

"Não me olhem assim. Não me lembrei de nada melhor para dizer ao microfone."

"Fico nisso por quase meia hora, esperando resposta. Não sei o que me deu, acho que vou desistir."

— ...Korydon para Terra. Korydon para Terra. — "uma voz feminina responde" — Freqüência em desuso há várias décadas terrestres. Desculpe a demora; não me lembrava como destravar o tradutor simultâneo para seu idioma.

Ryla! Ryla, é você mesma?

— Quem? Essa voz... não é possível... Wally West?

— Sim. Sou eu.

— É bom ouví-lo, Wally. Como estão as coisas. E seu tio, o Flash, como vai?

"Conto a ela de sua morte."

— Lamento. Devemos muito aos feitos de seu tio.

— Bem... já que você tocou no assunto...

"Com dificuldade, tento puxar pela memória diversos pontos que nos lembramos da figura de Allen e, especialmente, como o povo reage à menção do seu nome."

— Você deve estar brincando. Barry Allen foi um herói. Sempre... há alguma coisa errada... só há uma explicação para isso.

"Em seguida, Ryla me fala de que duas das mais importantes armas de seu povo acabaram de ser roubadas: o super-raio esquadrinhador e o raio realizador de pensamentos (***)."

— Devem ter usado nossa tecnologia para embaralhar a mente da população da Terra, esquecendo todos do valor de Allen.

— Sim. Mas quem... arghhhhh...

"Grito de dor quando o aparelho queima em minhas mãos. Às minhas costas, uma porta aberta e Onda Térmica com sua arma ainda fumegante em mãos. Atrás deste, surge o Capitão Frio, jogando no chão o super-raio esquadrinhador que usara para me encontrar. Em segundos, uma terceira figura surge, feminina e alienígena, aparentemente familiar. Apesar de algumas mudanças no traço fisionômico e na cor da pele, posso reconhecê-la como a mulher que puxou o levante popular contra Allen."

— Não vamos desperdiçar a sorte que tivemos até aqui, Flash. — diz um Capitão Frio alterado — Essa mulher de outro planeta acertadamente nos procurou para engendrar uma vingança e, com muito custo, tivemos sucesso em manchar a imagem de Barry Allen.

— Resta agora apenas o golpe final! — complementa o Onda Térmica, acionando o seu raio — A sua morte!

"Em instantes, consigo me desviar do disparo. Enquanto vejo a parede chamuscada, percebo os movimentos lentos — em relação a mim — de Onda Térmica se virando para novamente tentar me atingir. Saio do cômodo em que estava, correndo até ele, inclino-me o suficiente para lhe aplicar uma rápida rasteira que faz seu corpanzil, especialmente a cabeça, ir ao chão violentamente e, como resultado do impacto, Onda Térmica entra em um profundo desmaio. Sua arma desprende-se de suas mãos e, num salto, a pego e me desvio do raio congelante do Capitão Frio num movimento semi-espiralado em pleno ar que me deixa a poucos metros de distância de ambos."

"Meu ombro dói quando caio de lado. Mas, de baixo para cima, aponto a arma do Onda Térmica para o Capitão Frio."

— Não me obrigue a fazer isso, Snart. Seria eu ou você.

"Um grito feminino me surpreende, mas não retiro minha atenção do Capitão Frio. Usando um cabo de aço que estava sendo usado pelos transportadores, todos já longe a essa altura do campeonato, prendo o Capitão Frio e Onda Térmica lado a lado. Vou em direção de onde veio o grito e me surpreendo."

"A guerreira alienígena estava prestes a fugir, assim que percebeu o rumo de nossa luta. Mas agora está morta. Por ironia do destino, sobre seu corpo está uma estátua em tamanho natural do segundo Flash, Barry Allen. A base da estátua foi atingida inadvertidamente pelos raios quentes e frios dos vilões e começou a ceder exatamente na hora da fuga da guerreira alien; seu peso a atingiu na cabeça, matando-a."

"Após usar o raio realizador de pensamentos para fazer com a memória de todo o povo volte ao normal, entrego as armas capturadas para Ryla que, após nossa conversa, fez o possível para vir à Terra. No que ela fez muito bem, está mais linda do que nunca; a sua visão praticamente afugenta minha dor de cabeça."

— Obrigada, Wally. — "ela repassa uma das armas para um dos patrulheiros de Korydon que a acompanha" — Fico feliz que essa Makryd (****) não tenha conseguido atingir seus objetivos e se vingado da derrota que sua casta sofreu nas mãos de Barry Allen e das suas.

— Eu é que agradeço, Ryla. Sem sua ajuda, continuaríamos com nossas mentes entorpecidas pela máquina.

"Sim, o que eu disse é verdade. Meus pensamentos foram distorcidos, enganados pela ações do Capitão Frio e o Onda Térmica. Porém, havia algo inquietante em mim, algo mais forte que meus pensamentos e que não permitiu que acreditasse por inteiro no que minha mente dizia."

"De certa forma, enquanto corro, ainda carrego comigo sua essência e os seus valores, tio; como um atleta de revezamento, cabe a mim esperar o melhor momento para abrir a mão e passar o que é meu e que um dia já pertenceu a outro tão valoroso quanto. E enquanto esse dia não chega, guardo o que é meu como o bem mais precioso que possuo."


No próximo número: Shows! Eventos! Desfiles de moda! Lançamentos de filmes! Campeonatos de xadrez! Música eletrônica! Cultura pop! É o início da Groddmania! Não perca!


:: Notas do Autor

(*) Novas músicas para a trilha sonora desta edição, que você pode baixar em seu programa de buscas preferido. Neste número:

"Chemical Beats" — Chemical Brothers
"God Moving Over The Face of the Waters" — Moby
"Double Flash" — Leftfield
voltar ao texto

(**) UCE: Unidade de Crimes Especiais, especializada em crimes envolvendo meta-humanos. voltar ao texto

(***) A aventura em que Wally West conheceu Ryla, nos tempos de sidekick de Allen, saiu pela Ebal na década de 60. Como curiosidade, vale lembrar que o primeiro uniforme de West era vermelho e foi com o raio realizador de pensamentos de Korydan que o uniforme vermelho de Kid Flash foi substituído pelo agora clássico e aposentado uniforme amarelo e vermelho. voltar ao texto

(****) Assim é chamado o povo guerreiro de Korydon. voltar ao texto



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.