hyperfan  
 

Justiça Jovem # 03

Por Josa Jr.

Fim do Prelúdio

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Justiça Jovem
::
Outros Títulos

"Então... nossa única esperança... é uma novata!"

Robin não entende como a situação chegou a esse ponto. Uma hora atrás, as únicas ameaças que ele e os heróis Superboy, Impulso e Mary Marvel enfrentavam eram um produtor de filmes pornôs e o vilão Mesmero. Não deveria ser algo muito perigoso para qualquer herói que se preze — o produtor Grossman não possuía nenhuma habilidade especial além de dirigir filmes e Mesmero nunca foi um vilão muito respeitado.

Talvez por isso, Robin achou que pudesse vencer seus oponentes facilmente. O que ele não previa era que o Capitão Marvel interferisse na batalha. E o que ele jamais poderia imaginar era que Mesmero tomasse o controle da mente do Mortal Mais Poderoso da Terra, transformando-o num inimigo praticamente invencível.

Agora todos os aliados de Robin foram derrubados e uma menina que ele nunca viu na vida está enfrentando o hipnotizado Capitão Marvel. Ela diz ser a Garota-Maravilha, mas em pouco lembra a heroína que usou esse nome. "Ela não parece nem um pouco a Moça-Maravilha" — pensa, enquanto corre em direção à menina, derrubada mais uma vez por Marvel.

— Garota-Maravilha! Você está bem?

— Ai... ele me pegou de jeito...

— Você caiu de uma altura muito grande depois do último ataque do Capitão. Acha que dá para continuar a luta?

— Ui... Claro, Jerry. Mas porque o George está girando lá no céu?

— Droga!

Notando que Mesmero percebeu que apenas ele está em condições de batalha, o Menino-Prodígio começa a correr pelas ruas de Gateway City, tentando escapar do Capitão Marvel. Ele sabe, porém, que é quase impossível fugir de alguém com a velocidade de Mercúrio e torce para que algum de seus aliados acorde.

— Volte aqui, Robin! Não pode escapar de alguém mais poderoso que você!

— Droga! — Um míssil vermelho se aproxima em velocidade sônica do parceiro de Batman, que apenas fecha os olhos e não vê Marvel sendo desviado pela Garota-Maravilha, de volta à ação.

— Achou que eu ia ficar daquele jeito muito tempo?

— Pra falar a verdade achei, mas ainda bem que você voltou! Será que consegue segurar o Capitão enquanto eu tento acordar os outros?

— Posso tentar! Mas não demore, por favor!

— OK! — Enquanto a Garota-Maravilha leva uma surra do Capitão Marvel, Robin parte em direção a Mary Marvel e tenta reanimá-la. — Mary, por favor, acorde... preciso de sua ajuda.

— Uh... quem é...? Não tenho... mais forças... Billy... é poderoso...

— Mary, pare com isso! Só você pode detê-lo. Olhe, se você não se levantar, o Superboy disse que vai olhar por baixo da sua saia!

Quê? Eu mato esse moleque!

— Ufa... olha, tenho um plano e vou precisar da sua ajuda.

— Tudo bem.

— Primeiro vamos acordar Superboy...

Costa Oeste

"Este antigo modelo de cargueiro é a única embarcação de que nossas empresas precisam." Estas foram as palavras de Carol Ferris na época em que o navio foi adquirido pelas empresas que levam seu nome. Há dez minutos, Carol se arrependeu de sua decisão — quando recebeu a notícia de que o barco, avariado, está em rota de colisão com um recife em pleno Oceano Pacífico — e tenta, sem sucesso, achar uma solução para o problema.

— Droga. Se Hal estivesse aqui...

— Dona Carol!

— O que foi, Amanda? O cargueiro...?

— Recebemos a notícia de que um herói está lá para ajudar nosso barco.

— Graças a Deus! Quem está lá?

— Um jovem herói, senhorita. Acho que é Capitão Marvel Júnior.

— Ah, já ouvi falar. É membro dos Titãs.

— Ainda existem Titãs?

Alguns momentos depois, em Gateway...

— Desista, franga-maravilha! Mesmero, meu mestre, é o vencedor dessa batalha!

— Arf... arf... a mamãe vai me matar por causa dessas manchas roxas... estou acabada...

— Fala isso não, gatinha! É cedo para desistir!

— Oh... Superboy! E... hã... Garota Marvel?

— Mary! Mary!

— Descanse agora, gata. Eu e a Mary vamos dar conta do Capitão!

— Uh... gata...?

Sorrindo abertamente, a nova heroína de Gateway se afasta da batalha. Só então ela nota que passou dos limites ao tentar deter o Capitão. A Garota-Maravilha sente sua cabeça girando mais uma vez e fecha os olhos, enquanto despenca do céu. Talvez ela sobrevivesse à queda mas, por via das dúvidas, Impulso já está no solo para segurá-la.

— Valeu, Bart. Agora é com Mary e Superboy.

— Oh-oh...

— Eu sei, mas vamos ter que confiar. Você está bem, Garota-Maravilha?

— Ui... ótima... melhor impossível...

Mesmo sem entender a reação da menina, Robin se sente confortado por ela estar bem e volta sua atenção para o plano que propôs. Ele aguarda o momento em que os dois heróis voadores irão afastar Capitão Marvel das ordens de Mesmero.

Alguns minutos se passam e a batalha nos céus se distancia. Apesar de não ter nenhum instrumento de medição, Robin sente que a hora chegou e pede que Impulso vá até o mutante hipnotizador e o nocauteie.

— Quando estiver perto dele, não olhe nos olhos.

— Isso é fácil! Tchau!

— Tc...

— Pronto, aqui está.

— ...hau! Er... ótimo, Bart! Não deixe que ele acorde.

No céu de Gateway, os ataques conjuntos de Mary Marvel e Superboy conseguem finalmente ter algum efeito contra o herói mesmerizado. A idéia de Robin era que os dois tentassem segurar o Capitão para então desferir o golpe definitivo. É impossível para Robin e Impulso saber o que acontece no céu. Mas nós podemos descobrir.

— SB, eu vou pela frente e você pega ele por trás!

— Epa!

— É sério, droga! Temos que aproveitar que ele está fraquejando!

— Tá bom, tá bom...

Ao agarrar o inimigo pelas costas, Superboy usa todo o seu poder. Ele não sabe quanto irá suportar, mas imagina que serão poucos segundos. Poucos segundos também são necessários para que todo o plano dê resultado. Ao menos é o que Mary acha. Ela também se aproxima de seu irmão e o segura.

— Urr... c-conseguimos... g-graças... a m-minha t-teleciné... argh!

— Você tem que prometer que não vai contar para ninguém tudo o que assistir agora.

— Ok, ok. M-mas vai logo...

— Tudo bem. — Mary fecha os olhos e se prepara para pronunciar a palavra que pode ser sua última esperança...

— Jesus!

— Hmpft... O que foi, Super?

— Quase que ele se solta! Esse cara é muito forte!

— É, eu sei... prepare-se... SHAZAM!

Invocado pelo nome do antigo Mago, um relâmpago místico desce dos céus.

Costa Oeste. Neste mesmo instante

— Tome cuidado para não empurrar demais o barco, Capitão Marvel Júnior.

— Pode deixar, capitão. Estou usando apenas uma pequena parcela da minha força para desviar sua embarcação do recife.

Gentilmente, a embarcação se afasta das formações rochosas. "Achei que ia ser fácil, mas é bem complicado manter o navio seguro", pensa. Júnior, tentando não usar força demais. Qualquer exagero pode virar a embarcação. "Hã? De repente, estou mais forte... Billy e Mary devem ter... Arghhhh!"

— Ei! Cuidado, moleq... Socorro! Socorro!

Que herói burro, caramba!

— Hã, gente... foi mal.

O relâmpago mágico atinge os três voadores. Mary Broomfield se vê despencando dos céus rapidamente. Superboy tenta se recuperar do estranho impacto que o atingiu e vê a menina em queda. Mesmo ainda tentando entender a situação, seu primeiro instinto é salvar a garota.

Billy Batson também cai, mas está fora do alcance de Superboy. Para ele, é bem mais difícil entender como foi parar ali. Sente-se como alguém que despertou de um pesadelo dos mais desagradáveis. Então ele se lembra de Mesmero e percebe que provavelmente foi hipnotizado. Foi uma boa idéia fazer o raio atingi-lo. O choque realmente causou o fim do controle mental.

A palavra mágica é dita novamente e o Capitão Marvel se alegra ao perceber que tem novamente o controle sobre seu corpo. No solo, ele vê Superboy e sua irmã Mary Broomfield.

— Quer dizer... que você é uma menina da nossa idade?

— Um pouco mais nova, Super. Mas, por favor, não conte para os outros. Só Robin sabe.

— E o Cap? Ele é menino também?

— Na verdade, ele...

— Mary! Superboy!

— Capitão!

— Oi, Superboy. Obrigado por me salvar. Onde está Mesmero?

— Deve estar com Robin. Vamos procurá-los e voltar para Fawcett City.

Shazam!

Um pouco mais tarde, em Fawcett...

— Diacho, acho que agora está tudo bem.

— Fizemos um bom trabalho de equipe. Talvez pudéssemos nos unir mais vezes.

— Eu acharia legal, Mary. E você, SB?

— Não sei, Robin. Mas falando em equipe...

A cidade de Fawcett sorri com a chegada de seis heróis vindos dos céus. Super-Homem. Batman. Mulher-Maravilha. Aquaman. Flash. Caçador de Marte. A imagem do encontro de gerações ficará guardada na memória de todos os moradores.

— Desculpem nossa ausência, pessoal. Estávamos ocupados, mas vejo que não precisamos nos preocupar tanto. Vocês estão de parabéns, garotos. Estou orgulhoso.

— Meu Deus! Super-Homem! Não acredito...*

— Diacho! A Garota-Maravilha desmaiou.

— Garota-Maravilha? Eu conheço essa menina... Grande Hera! É a Cassie!

Num canto mais escuro, Batman e Robin trocam algumas palavras. Enquanto os heróis confraternizavam, a dupla dinâmica se manteve longe dos demais. Então, o Morcego finalmente se aproxima da Liga e dos jovens heróis. Todos se calam quando Batman, silencioso e sério, entra na roda. Ele olha para o Super-Homem e faz um sinal de assentimento. Em seguida, o Homem de Aço fala:

— Capitão, um de nós deve contatar você esses dias*. Quanto a vocês, meninos... estamos muito satisfeitos com seu trabalho. E temos uma sugestão. Por favor, informem a Garota-Maravilha depois que ela acordar.

— Já acordei...

— Nós, membros da LJA, achamos que vocês deveriam formar uma equipe. Não precisa ser algo organizado como somos hoje. Pode ser um tipo de clube, para trocar idéias, experiências e aprender a trabalhar em equipe. A Liga estaria sempre ajudando vocês e, quem sabe, vocês possam colaborar conosco em alguns casos. Robin concordou. O que vocês acham?

— Isso... é... demais!!! Eu aceito! Com certeza! Vai ser dez!

— Hã... "Garota-Maravilha", depois precisamos conversar. Eu, você e sua mãe.

— Ah, Claro, Diana...

— E os outros? Impulso aceita, não é?

— Hmpft... tudo bem, Wally....

— Eu também estou nessa.

— Bom... se a Mary está dentro, estou com certeza!

— Dá um tempo, SB. Espero que você amadureça andando conosco.

— Ei, que nome damos para a equipe?

— Boa questão, Impulso. Vocês podem decidir em sua primeira reunião. A LJA concordará com o que vocês decidirem.

— Primeira reunião nada. Agora! Que tal... hã... Clube da Justiça?

— Eca, Bart. Horrível!

— Liga Júnior!

— Eca. Péssimo, Mary.

— Deixa ver... Somos jovens... pupilos da Liga da Justiça... jovem... liga... justiça... sei lá! Superboy, você só fica reclamando aí! Porque não sugere um?

— Peraí, Mary... hmmm... Jovem Liga!

— Hã... Posso dar uma sugestão?

— Claro, Super-Homem.

— Que tal Justiça Jovem?

Os jovens heróis se encaram e percebem uma certa aprovação do nome. Assim, a aliança entre eles é formada. Três rapazes e duas moças que irão dividir suas vidas e seus atos de heroísmo. Falta muito para serem uma equipe de verdade, mas eles tentarão chegar lá. Nada mais poderá impedi-los de começar uma vitoriosa carreira de heróis...

— Ei! Espera um pouco.

— O que foi, Superboy?

— Três caras e duas meninas!

— É. Três caras e duas meninas... você é um ótimo observador. E daí?

— Como assim "e daí", Robin? Tem que ter mais uma menina, pra ficar certinho! Uma pra cada! Vamos abrir vaga para mais uma! Avisem os jornais, anunciem no David Letterman, façam SPAM! A Justiça Jovem precisa de mais uma heroína!

— Ai... ai...

Na Pró
xima Edição: Quem será a terceira garota da Justiça Jovem?

:: Notas do Autor


* Saiba mais sobre isso em LJA #05!



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.