hyperfan  
 

Mulher-Maravilha # 21

Por JB Uchôa

Velhos Problemas

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Mulher-Maravilha
::
Outros Títulos

Steve Trevor está com o tronco perfurado por um dos tentáculos do Dr. Octopus, que, sorridente, ameaça a vida do velho amigo da Mulher-Maravilha.

— Já falei, princesa. Me deixe levar o bom doutor Bonner e soltarei o coronel. Caso contrário, as últimas imagens que verei de você serão pela televisão, no funeral de um herói americano. — Otto Octavius fecha a cara e ameaça em um tom sério — Me dê o maldito cientista!! Eu quero destruir a vida do aracnídeo!!!

— Dr. Octopus, solte Steve e vá embora. — sem que o vilão perceba, Diana rasga o vestido, criando uma fenda para que possa movimentar melhor as pernas caso seja necessário agir — Você não pode contra mim.

— Eu tenho um refém, esqueceu? — ele mexe o tentáculo que está preso a Steve na sua frente, fazendo com que o marido de Etta Candy grite em agonia — Eu só quero conversar com o dr. Bonner. — Diana olha para dentro da sala onde vê o dr. David Bonner aterrorizado embaixo de sua mesa e Etta pegando um extintor de incêndio. Etta acena com a cabeça e saca de dentro da bolsa uma Magnum .45.

Para quem foi treinada pelas amazonas e teve sua mãe, Hipólita, a rainha de Themyscira, como mentora, Diana sabe que pensamento e ação devem ser um só. Neste caso, sua ação, aliada ao plano que ela julga que Etta tem, a faz voar para cima do Dr. Octopus, a fim de quebrar seu tentáculo e salvar Steve. Seria uma operação delicada, se não pudesse contar com os anos de amizade com Etta e a confiança mútua que ambas possuem. Octopus prende os braços da Mulher-Maravilha com outros dois tentáculos. No outro está Steve, e ainda resta um tentáculo solto.

— Dr. Octopus consegue tudo o que quer, Mulher-Maravilha! — o arquiinimigo do Homem-Aranha gargalha e traz o corpo da princesa amazona pra junto de si — Não sei como você é membro da Liga da Justiça...

Gateway City, residência das Sandsmarks. Helena, Ártemis e Cassandra estão assistindo televisão na sala. Aliás, Cassandra está. Helena folheia uma revista, sentada confortavelmente em sua poltrona, e Ártemis desenha com afinco em um caderno.

— Cassandra. — diz Ártemis, em um tom sereno, embora imperativo, sem levantar o rosto — Já está na hora de ir dormir. Preciso que você acorde e esteja desperta para seu treinamento pela manhã... bem cedo!

O quê?? — Cassandra levanta-se em um sobressalto — Mas não são nem oito da noite!!

— Eu não costumo me repetir, jovem Cassandra. — Ártemis levanta a vista e pára de desenhar — Espero que entenda.

Manhê!! Ô, mãe!! — grita Cassie, olhando para Helena Sandsmark — Mãe, diz alguma coisa!

— Eu sou sua mãe, Cassandra, não sua... qual o nome da moda mesmo? — diz uma Helena pensativa, com um sorriso sarcástico no rosto — Personal Trainer!

— Ela não é minha personal trainer, mãe! Pára de bancar a engraçada! Ela é uma nazista amazona que quer me enlouquecer! — Cassie senta-se novamente no sofá e olha friamente para Ártemis — Olha aqui, sua ruivona, eu não vou perder Dawson's Creek! Aqui é o mundo real! R-e-a-l! Não uma ilha paradisíaca governada por mulheres ancestrais! — Cassie vira-se para a TV e finge que a discussão não aconteceu. Helena olha para Ártemis por cima dos óculos e a amazona sorri.

— Última chance, garota. C-a-m-a! — com o controle remoto nas mãos, a primeira-ministra de Themyscira desliga a TV e, com um olhar sério, encara a Garota-Maravilha — No mundo real ou você é esperta e mata, ou morre. — Cassie arregala os olhos e vislumbra assustada a face impávida de Ártemis. Levanta-se do sofá e caminha para o quarto, praguejando.

— Sabe, Ártemis... — diz Helena, levantando os óculos no alto da cabeça — Acho que estou aprendendo muito com você. Talvez tanto quanto Cassandra.

— Eu gosto da jovem, ela é imperiosa. — Ártemis solta o caderno e cruza as pernas — O que está lendo?

— Frivolidades! De cultura, já basta o que tenho o dia todo no museu! — Helena estica o braço e entrega a revista para a amazona — E você, o que desenha?

— Um novo aqueduto para minha cidade. Mesmo de longe, tenho que pensar no meu povo. — Ártemis folheia a revista até parar em uma foto de página inteira — Quem é ele? — pergunta a amazona, mostrando a revista.

— Ninguém interessante. — responde Helena Sandsmark — Bruce Wayne é mais frívolo do que os testes que tem nessa revista. Volte para o desenho do seu aqueduto, pois é mais do que esse homem faz da vida. — Helena liga a TV e verte um gole de café.

— Sabe, Helena, que tal assistirmos esse tal de... Dawson's Creek? — Ártemis sorri e Helena retribui.

No prédio da Fundação Mulher-Maravilha, na verdade um luxuoso santuário da deusa Hera reformado especialmente para sediar a entidadr, uma luta delicada se desenrola.

— Pare de me encarar, mulher, estou cansado! — quando o Dr. Octopus estica o outro tentáculo para perfurar o coração de Steve, Etta aparece no corredor.

— Ei, gordão! Esse é o meu marido! — Etta joga o extintor de incêndio em direção ao Dr. Octopus e com sua Magnum .45 atira, fazendo com que pó químico seja expelido numa pequena explosão pelo ambiente! Diana segura os tentáculos que a prendem e os crava no chão. Sendo guiada pelos seus instintos, ela soca o rosto do Dr. Octopus, que retrai o tentáculo que segurava Steve, que cai nos braços de Diana. A Mulher-Maravilha o coloca no chão e segura os dois tentáculos soltos, amarrando-os no corpo de Otto Octavius e, com um golpe, o joga na parede, prendendo sua garganta com a bota.

— Eu pedi delicadamente para soltar Steve, Dr. Octopus! — Diana aperta o salto contra a garganta do homem — Você pode soltar facilmente os tentáculos que cravei no chão, mas saiba que posso cravar fundo o salto de minha bota em seu pescoço.

Gateway City, por volta de 21:30. Cassandra abre delicadamente a janela de seu quarto e sai voando na noite.

"Maldita megera! Perua asquerosa! Ruiva fingida!" — pragueja, em pensamento — "Eu vou falar com Hipólita para da próxima vez mandar alguém mais legal... como Diana." — a Garota-Maravilha pousa no alto de um telhado e pensa saudosamente na amiga. — "Di, porque você foi embora?"

Abaixo de Cassie, duas pessoas aproveitam da escuridão para tentar abrir a porta de uma joalheria. Ela olha para baixo e percebe o movimento, mas com atenção também olha ao redor, verificando se existe mais alguém ou algo que pudesse dar apoio aos dois assaltantes.

"Sabe que até que essa tal de Ártemis não é tão ruim? Antes eu teria voado pra cima dos dois!" — Cassie pensa e sorri, olha ao lado e vê um longo cabo de TV por assinatura — "Acho que está na hora de eu ter meu próprio laço mágico!"

Com um salto, a Garota-Maravilha pousa atrás dos ladrões e com dois golpes os nocauteia. Com o cabo que acabara de encontrar no topo do prédio, os amarra forte e pendura-os em um poste. De um orelhão próximo, liga para a polícia e sai voando de volta pra casa. Ao longe, um vulto feminino observa a garota e salta, seguindo o caminho da heroína.

Fundação Mulher-Maravilha. Etta Trevor pega o marido e desce as escadas enquanto Diana prende o Dr. Octopus.

— Leve Steve para o hospital, Etta! — diz Diana, sem tirar os olhos do seu novo inimigo — Rogo a Asclépio que Steve fique bem.

— Eu desisto, mulher. Me solte. — quando Diana afrouxa o golpe, os tentáculos que estavam cravados no chão movimentam-se por trás da Mulher-Maravilha, prontos para atacá-la e garantir ao Dr. Octopus uma fuga.

— Atacar por trás é muito feio, Oquinho! Você não aprende mesmo, não é? — com extrema agilidade, e como que surgindo do nada, o Homem-Aranha gruda os tentáculos do inimigo no chão com sua teia e aproxima-se da Mulher-Maravilha. Ele levanta parcialmente a máscara e beija sua mão — É uma honra, princesa.

— Obrigada, Homem-Aranha! — diz Diana, com ternura — Embora eu já tivesse sentido que os tentáculos não estavam mais tensionando o chão. Na verdade a honra é minha, por conhecer um herói tão nobre.

— Obrigado! — Peter Parker, o alter ego do herói, está ruborizado por debaixo da máscara, e sorri desconcertado — A Gruta já está aí fora pra levar o Oquinho. Se você for ficar por Nova York, espero encontrá-la por aí, a gente pode comer um cachorro-quente no Central Park e socar uns bandidos no meio da noite. — pela janela, ele lança uma teia e acena — A noite fica mais divertida com o amigão da vizinhança!

Diana acena de volta e sorri. Soldados fortemente armados e identificados com o símbolo da prisão conhecida como Gruta entram pelo corredor e algemam os tentáculos do Dr. Octopus. A Mulher-Maravilha acompanha a prisão e do celular liga para Etta, que informa que Steve está em cirurgia, mas que o médico garantiu que ele ficará bem.

— Mulher-Maravilha, é uma honra tê-la na cidade. — um agente da Gruta aperta a mão da princesa amazona.

— Obrigada. Desculpe, mas tenho que ir ver um amigo. — a Mulher-Maravilha alça vôo pelos céus de nova York.

Residência das Sandsmarks, mais precisamente no quarto da Garota-Maravilha. 5:00 da manhã.

— Levante-se, Cassandra. — diz Ártemis, amarrando a alforja nas costas.

— Você tá brincando, não tá? — diz Cassie, esfregando o rosto com as mãos — Não deu tempo nem de criar uma remelinha nos olhos!!

— Eu falei para dormir cedo, não para bancar a vigilante. — Ártemis sai do quarto e esbarra com Helena no corredor — Já de pé, professora?

— Deus ajuda quem cedo madruga, Ártemis. — diz Helena, ajeitando o roupão — Tenho que chegar cedo no museu, vou receber uma jóia antiga.

Mãe! — grita Cassandra, do quarto — Pede pra mandona me deixar dormir mais dez minutos!!



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.