hyperfan  
 

Liga da Justiça # 03

Por Fernando Lopes

A Dança dos Demônios

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Liga da Justiça
::
Outros Títulos

"Meu nome é Wally West e eu sou o homem mais rápido do mundo. Em meus braços, a Caçadora agoniza, com um rasgo imenso na barriga. Tento não olhar e me concentro na estrada que liga Old Pines a Little Rock, capital do Arkansas. Minha aura a protege da fricção enquanto aumento a velocidade. Sinto seu sangue em meu uniforme e acelero ainda mais. Chego ao hospital em 2min27seg. Leva quase metade desse tempo apenas para que a estúpida atendente compreenda a gravidade da situação e quase o dobro para que a equipe de emergência comece a trabalhar. Preencho fichas o mais depressa que a caneta suporta sem derreter e deixo instruções explícitas para que a máscara da Caçadora não seja removida a menos que seja absolutamente imprescindível, conforme a determinação presidencial que autoriza a atuação da Liga nos EUA. Não sei como tive cabeça para me lembrar disso, mas não importa. Cerca de oito minutos depois de chegar a Little Rock, disparo de volta a Old Pines, sem saber ao certo o que vou encontrar. Meu nome é Wally West e eu sou o homem mais rápido do mundo. Espero que isso seja o bastante."

Caído de bruços no chão do hall da Prefeitura de Old Pines, o Super-Homem experimenta uma sensação à qual não está acostumado: dor. Suas costas ardem como se o próprio satã dançasse sobre elas. Algo que, no fim das contas, se aproxima da realidade. Sua cabeça gira enquanto tenta levantar-se. O N'Garai salta sobre ele e o joga no chão novamente, preparando-se para arrancar sua cabeça com um golpe fatal. No comunicador em seu ouvido, uma voz distante grita coisas sem sentido.

(scriiiiiiiiic) — Super-Homem, Mulher-Maravilha, alguém está me ouvindo? Repito: as criaturas não são alienígenas, são demônios! Ataquem com força extrema, repito, força extrema! Câmbio! (scriiiiiiiiic)

Demônios! Isso explica porque ele se encontra às portas da morte. Não ajuda em nada, mas explica. Ele sempre foi vulnerável à magia, embora pudesse resistir a praticamente qualquer outra coisa. Subitamente, um sibilo agudo corta o ar acima dele e a criatura é arrancada de suas costas por um enorme martelo metálico energizado, que esmaga a cabeça do N'Garai contra a parede antes de voltar às mãos de seu dono.

— Obrigado... Aço.

— Não há de que, Super-Homem. Agora, que tal chutarmos essas coisas de volta para o...

Antes que John Henry Irons possa concluir a frase, três N'Garai saltam sobre ele, atacando com selvageria mortal. Em segundos, pedaços da sofisticada armadura de Aço começam a voar pela sala.

— São muitos! A armadura não vai agüentar! Alguém me ajude!

O socorro vem na forma de duas rajadas de visão de calor, disparadas simultaneamente pelo Super-Homem e pelo Caçador de Marte. No canto oposto da sala, a Mulher-Maravilha esmaga a cabeça do terceiro demônio, arrancado de cima de Aço à força pelo laço da princesa amazona.

Rechaçados em seu primeiro ataque, os demônios recuam momentaneamente, dando aos membros da Liga a chance de se agrupar no centro da sala.

À bordo de seu avião, Batman aproxima-se rapidamente de Old Pines. Pelo rádio, tenta acompanhar os rumos da batalha e orientar os companheiros.

— Tragam a luta para campo aberto! Fechados aí dentro vocês são um alvo fácil!

Voltando-se para o homem de sobretudo preto atrás dele, Batman tenta descobrir uma forma mais efetiva de mudar os rumos da batalha.

— Pois bem, Vingador Fantasma, de onde vem essas... coisas? Como podemos derrotá-las?

— Os N'Garai vêm de uma dimensão demoníaca comandada por Kierrok, uma entidade que há séculos planeja dominar este plano. Suas investidas se tornaram possíveis graças ao fortalecimento das forças místicas no decorrer do último século. Os últimos a derrotar seus planos foram os X-Men.

— E como podemos detê-los?

— A presença dos N'Garai no plano físico só é possível graças a um monolito místico, que serve como ponto focal. A destruição do monolito automaticamente os mandará de volta à sua dimensão.

— Homem-Borracha, conseguiu contatar Zauriel?

(scriiiiiiiiic) — Consegui, Morcego. Ele chegou pouco depois que você saíram e está à caminho, mas ainda deve levar no mínimo umas duas horas para chegar até aí. (scriiiiiiiiic)

— Não temos todo esse tempo. Vingador, onde... — O banco de trás do Batplano estava vazio. — Maldição! Oráculo?

(scriiiiiiiiic) — Sim, Batman? (scriiiiiiiiic)

— Contate Stephen Strange, em Nova Iorque.

— Vocês ouviram, vamos para fora!

Avançando sobre as paredes como se elas não estivessem lá, Super-Homem, Caçador de Marte, Mulher-Maravilha e Aço derrubam o prédio sobre os N'Garai e alcançam a rua.

— John, é melhor você ficar fora da batalha. Você está ferido e sua armadura, praticamente destruída.

— Sem chance. Não vou deixá-los sozinhos contra essas coisas.

— Lamento, mas não há tempo para discutir. — diz o Caçador de Marte, entrando na mente de John Irons e deixando-o inconsciente — Não podemos nos arriscar a perder mais um.

Nesse momento, o Flash reúne-se ao grupo.

— Wally, leve-o a um lugar seguro e volte o mais rápido que puder. Precisaremos de toda a ajuda possível.

(scriiiiiiiiic) — Alguém na escuta? (scriiiiiiiiic)

— Prossiga, Batman.

(scriiiiiiiiic) — Detenham as criaturas o máximo que puderem. Descobri uma forma de neutralizá-las. (scriiiiiiiiic)

— Afirmativo. Elas não sairão daqui. Câmbio.

O som de garras abrindo caminho entre os escombros do prédio demonstra que o desabamento não fora suficiente para destruir os demônios.

— Como está o braço, J'onn?

— Bem, Super-Homem. Fiquei surpreso em ser atingido em minha forma intangível, mas a dormência já passou.

— Ótimo. Precisarei de sua ajuda. Diana, Wally, preciso que façam o seguinte...

"Segundo as informações do Doutor Estranho, o monolito dos N'Garai se materializa em locais desabitados. As criaturas começaram a atacar a partir da área norte da cidade, o que me dá uma direção", pensou Batman. "Mas ele pode estar em qualquer lugar. Hora de descer."

O Batplano pousou verticalmente numa clareira. O restos do que um dia foi um ser humano e seu acampamento destruído demonstram que suas deduções estão corretas. Em pouco tempo, o Homem-Morcego encontra o rastro das criaturas seguindo em direção à cidade e toma o sentido oposto. Poucos metros à frente, a clareira dá lugar a uma mata densa. "Preciso tomar o dobro de cuidado". Como que confirmando seus pensamentos, dois N'Garai saltam sobre ele.

— Pois bem, lá vem eles. Já sabem o que fazer.

Arremessando os escombros à distância, os demônios emergem do que um dia fora a prefeitura de Old Pine. Cerca de 100 metros adiante, Super-Homem e Caçador de Marte esperam, imóveis, flutuando cerca de meio metro acima do chão. Mais de 30 criaturas avançam imediatamente em sua direção, em grande velocidade. Ambos permanecem impassíveis.

Quando o último dos demônios cruza a esquina, o Flash surge por trás da horda assassina e passa a girar os braços em alta velocidade, criando ventos poderosos o suficiente para impulsionar os N'Garai. Simultaneamente, os dois heróis alienígenas abrem os braços e, com os punhos fechados, começam a girar sincronicamente, como as hélices de uma lancha. Lançados contra o redemoinho mortal, os demônios começam a ser destruídos como grãos de café num liquidificador. Os poucos que resistem ao vendaval criado pelo Flash tentam fugir pela única rua paralela, apenas para encontrar a Mulher-Maravilha esperando por eles. Em menos de cinco minutos, nenhum demônio caminha mais pelas ruas de Old Pine.

O som das garras cortando o ar lhe diz para continuar a se mover. Instintivamente, ele salta para trás enquanto o golpe que arrancaria sua cabeça passa no vazio. Batman sabe que não poderá se esquivar para sempre dos golpes dos demônios que o perseguem. "É hora de sair da defensiva", pensa o Cavaleiro das Trevas, arrancando algo do cinto enquanto seus pés tocam o solo. Uma das criaturas avança em sua direção, a bocarra escancarada exalando o hálito pútrido. Após um momento de imobilidade, ele corre na direção do demônio, numa atitude que poderia ser encarada como loucura.

A poucos metros de seu mortal adversário, Batman impulsiona o corpo no ar, jogando algo na boca da criatura enquanto voa sobre ela como um morcego gigante. O demônio explode no momento em que seus pés tocam o solo. Ininterruptos, os movimentos do Homem-Morcego assemelham-se a uma dança mortal quando o segundo N'Garai investe furiosamente. Disparando o arpéu no alto de uma árvore, ele sai do alcance do monstro e lança uma nova carga explosiva. Quando desce, Batman é o único a mover-se.

O monolito encontra-se a pouco mais de 20 metros do local, aparentemente desguardado. Batman avança cautelosamente, até ouvir ruídos abafados sobre sua cabeça. Do alto das árvores, dois N'Garai saltam sobre ele, como um prenúncio de morte. Nenhum dos dois, porém, chega a atingir o solo. Apenas suas cinzas caem sobre o Homem-Morcego enquanto, acima da copa das árvores, dois pares de olhos alienígenas incandescentes fitam a cena.

— Obrigado. Vocês demoraram.

— Estivemos ocupados.

— Não há tempo para conversa. Precisamos destruir o monolito antes que...

Batman é interrompido por uma torrente de energia mística que abate a todos. À sua frente, o demônio Kierrok materializa-se como uma visão do próprio inferno.

Tolos mortais! — sua voz parecia emergir de um fosso profundo. — Já releguei meu destino por tempo demais. aqui começa o reinado de Kierrok!

— Eu acho que não.

A entidade demoníaca tem tempo apenas de virar-se da direção de seu interlocutor. Voando acima dele, um anjo brande sua espada flamejante.

— Seu reinado terminará antes de começar, ser das trevas! — proclama Zauriel, mergulhando em direção ao monolito.

Não!

O golpe da espada confunde-se com o grito do demônio, enquanto sua essência é tragada de volta à dimensão de onde viera. Em segundos, está tudo acabado.

Epílogo

Helena Bertinelli, a Caçadora, descansa em seu quarto de hospital em Little Rock. Graças ao Flash e à cuidadosa ação dos médicos, ela permanece viva. Ficará internada por várias semanas, mas antes isso do que repousar para sempre numa sepultura. Dois policiais guardam a porta. Silenciosamente, um grande vulto negro entra pela janela aberta e caminha para perto da cama. Ele fita por alguns segundos a mulher deitada no leito e diz, em tom baixo e grave:

— Bom trabalho.

A enfermeira entra no quarto e fecha a janela. "Curioso, eu poderia jurar que tinha deixado fechada", pensa a mulher, enquanto vai até a cama e troca a bolsa de soro. Em seu leito, Helena Bertinelli sorri.

:: Notas do Autor



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.