hyperfan  
 

Liga da Justiça # 04

Por Fernando Lopes

Reconstrução

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Liga da Justiça
::
Outros Títulos

— Alô, Lucius?

— Bruce? Ligando para a companhia antes das duas? Ora, a que devo a honra?

O sarcasmo de Lucius Fox, CEO da Wayne Enterprises, é merecido, mas Batman sente-se ligeiramente incomodado. Desde que escolheu Fox para comandar suas empresas, a fim de dedicar o máximo de tempo possível à sua guerra ao crime, Bruce Wayne tem se esquecido um pouco de sua vida particular. Por um segundo, ele se pergunta se tomou a decisão correta. Tão rápido quanto surgiu, porém, a dúvida se dissipa. A imagem de playboy descerebrado é fundamental para o Batman, e isso é tudo o que importa. Ele retoma o diálogo, com o tom de voz afetado característico de Bruce Wayne.

— Já ouviu falar de um certo... como é mesmo o nome... Ah, John Henry... hã, Imans?

— Irons. John Henry Irons. Sim, ouvi. É um dos mais brilhantes engenheiros do país. Especialista em robótica e desenvolvimento de sistemas defensivos. Trabalhou para a AmerTek há uns...

— Lucius, Lucius, pelo amor de Deus, não precisa me dar a ficha completa do homem! Só queria saber se ele é bom!

— Um dos melhores. Por quê?

— Lembro-me de você ter mencionado qualquer coisa a respeito de um projeto da WayneTech sobre armaduras...

— Sim, — responde Fox, contrariado com a aparente falta de memória de Bruce — estamos participando de uma concorrência para o desenvolvimento de armaduras para a Unidade de Crimes Especiais de Dallas. O problema é que a Stark está muito à nossa frente nesse campo.

— E Irons poderia ajudar?

— É evidente que sim.

— Pois então contrate-o, Lucius. Quero irritar um pouco o Stark da próxima vez que encontrá-lo no Country...

— Claro! — responde Fox, satisfeito com a notícia, ainda que desapontado com os motivos de Bruce — Farei isso imediatamente.

— Você parece uma criança com brinquedo novo, Lucius. Bem, vou desligar. Tem alguém me esperando.

— Posso imaginar... Adeus, Bruce.

"Não, Lucius, meu velho, você realmente não pode imaginar", pensa Batman consigo mesmo. Sem tirar os olhos da central de comunicações da Torre de Vigilância, o Homem-Morcego cumprimenta o homem que o observa em silêncio há dois minutos.

— Como vai, Clark?

— Algum dia ainda descubro como você faz isso sem ter supersentidos...

— Treinamento. Além do mais, você não é tão silencioso quanto pensa.

— Você devia ganhar um Oscar...

— Alfred já tem coisas demais para limpar.

— Foi um belo gesto esse. Mas não acho que Aço goste de caridade.

— Não se trata de caridade. John é um homem brilhante e uma aquisição valiosa para a WayneTech. Além disso, ele vai precisar de algum tempo para reconstruir a armadura de Aço.*

A conversa é interrompida pela entrada de uma bela moça de olhos azuis e cabelos negros, amarrados num coque.

— Tudo certo, Batman. — diz a recém-chegada, deixando uma pilha de livros sobre a mesa.

— Caçadora? — o Homem de Aço surpreende-se com a aparição repentina.

— Não exatamente — responde o Caçador de Marte, reassumindo sua forma habitual. — Batman me pediu para dar cobertura à identidade secreta da Caçadora durante o período em que ela estiver no hospital. Estive na escola onde ela trabalha e pedi uma licença de dois meses para tratar de "assuntos de família".

— Pensei que você a quisesse fora das ruas. — questiona o Super-Homem, voltando-se para o Homem-Morcego.

— E quero. Mas não assim. Ela quase morreu em combate ao lado da Liga. E fui eu quem a trouxe para o grupo. É o mínimo que posso fazer por ela. — o tom de voz de Batman mantém a frieza habitual, sem denunciar qualquer emoção — Além disso, Helena Bertinelli é a última sobrevivente de um clã de mafiosos. Se souberem que ela é a Caçadora, sua vida não valerá um níquel.

— Tem razão. Os outros já chegaram?

— Sim. — responde o Caçador de Marte — Estão na sala de reuniões.

— Então, vamos. -Batman toma a dianteira — Tenho assuntos a resolver em Gotham.

Um minuto depois, os três homens entram na sala de reuniões. Sentados em volta da grande mesa redonda com o símbolo da Liga, Aquaman e Mulher-Maravilha aguardam. O Super-Homem toma a palavra.

— Estamos desfalcados. — sua voz soa mais grave do que de costume — Num curto espaço de tempo, perdemos o Lanterna Verde, Órion e Barda. A Caçadora está internada e dificilmente voltará à ativa tão logo. Aço também pediu licença. Perdemos muito poder de fogo.

— Precisamos de reforços. — Batman parece mais soturno do que o habitual — E rápido.

— Cada um de nós indicou alguns nomes. — explica o Caçador de Marte — Vejamos com quem podemos contar.

— A saída de Órion e Barda privou o grupo de força bruta. — diz o Super-Homem, retomando a liderança da reunião — Existem poucos com tamanho poder à disposição. Thor é fundador e membro ativo dos Vingadores, o que o deixa automaticamente de fora. Que acham de Hércules?

— Muitos músculos e pouco cérebro. — responde Batman, azedo. — Sou contra.

— Héracles é muito explosivo — concorda a Mulher-Maravilha, chamando o olimpiano por seu nome grego — Também não acho uma boa escolha.

— Que tal o Capitão Marvel? — diz Aquaman, em sua primeira participação no debate — Ele já foi do grupo e tem poder mais do que suficiente.

— Era minha próxima indicação. — responde o Super-Homem — Ele deixou a Liga há pouco mais de três anos por achar-se inexperiente. Muita coisa ocorreu desde então. Creio que ele está pronto.

Todos concordam.

— Com Aço fora, precisamos de alguém que entenda de tecnologia. Não que Oráculo seja dispensável, — emenda o Super-Homem — mas precisamos de alguém para o trabalho de campo.

— O Homem de Ferro poderia suprir essa carência — raciocina o Caçador de Marte — mas seu comprometimento com os Vingadores é idêntico ao de Thor. O mesmo ocorre com o Visão. O Besouro Azul poderia ser uma escolha, se ele não fosse tão... imaturo. Sugiro Eléktron.

— Ray Palmer é fundamental para o grupo. — enfatiza Batman — A Liga precisa dele.

— Concordo. Resta saber se ele vai aceitar... — destaca o Super-Homem.

— Nós o convenceremos. — rebate Batman, com sua habitual sutileza — Ele virá.

— Assim espero. — diz o Super-Homem, ligeiramente desconfortável — Como ficou evidente em nossa última missão, estamos vulneráveis a ameaças místicas. Zauriel tem poder, mas ainda está se acostumando com o plano mortal. Zatanna não quer envolvimento em tempo integral e não conseguimos entrar em contato com o Senhor Destino ou o Vingador Fantasma. Alguma sugestão?

— Doutor Estranho. — Batman retoma a palavra mais uma vez — Sem a ajuda dele, não teríamos derrotado os N'Garai. Alguma objeção?

Ninguém se manifesta.

— Certo, contataremos Estranho, então. Precisamos também de alguém para suprir as eventuais ausências de Batman — lembra o Super-Homem, novamente constrangido — Alguém mais... disponível, com conhecimentos de rastreamento e boa desenvoltura em ambientes urbanos.

— Que tal o Arqueiro Verde? — Batman aparentemente não se deixa afetar pela crítica velada do Homem de Aço.

— Ollie? Ele é tão cabeça quente quanto Hércules. — lembra Aquaman — Além disso, ele ficou abalado com tudo que aconteceu com Hal.

— Mais um bom motivo para chamá-lo. — explica Batman — Ollie é corajoso e habilidoso, mas está desorientado e se excedendo. Ele sempre foi leal à Liga. É hora de retribuirmos.

O argumento do Homem-Morcego convence os demais. O Super-Homem volta a falar.

— Que seja o Arqueiro, então. Ainda não pensamos em ninguém para o lugar de Barda.

— Poder nem sempre significa força bruta. — lembra o Caçador de Marte — Capitão Átomo, Nuclear, Ray ou Quasar poderiam ser muito úteis.

— O Capitão Átomo pode ser um dos homens mais poderosos da Terra, mas não sabe trabalhar em conjunto. — diz a Mulher-Maravilha, visivelmente contrariada. — Tive muitos problemas com ele quando trabalhamos juntos.

— Diana tem razão. — concorda Batman — As ações de Átomo e sua "Justiça Extrema" contribuíram para que a ONU dissolvesse a Liga.**

— Quasar permanece tempo demais no espaço, — completa o Super-Homem — Nuclear não é mais o mesmo desde que Ronnie Raymond passou a controlar sozinho sua transformação. O rapaz é muito inexperiente. O mesmo vale para Ray.

— Que tal Fóton? Ela fez parte dos Vingadores e, pelo que sei, é extremamente poderosa e capaz, além de experiente.

— Boa escolha, Arthur — responde o Super-Homem, chamando o rei dos mares por seu nome terrestre. — Alguém contra?

O silêncio demonstra aprovação.

— Então, senhores, é hora de partirmos. Temos pessoas a encontrar.

:: Notas do Autor

* Destruída durante a batalha contra os N'Garai, conforme mostrado na última edição.
** Justiça Extrema era o nome da equipe dissidente da Liga criada pelo Capitão Átomo.



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.