hyperfan  
 

Liga da Justiça # 33

Por Robson Costa

Guerra Atlântida x Poseidônis — Parte VII
O Julgamento

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Liga da Justiça
:: Outros Títulos

— Muito bem, Capitão Átomo. — fala o Super-Homem — Apesar de denominar de julgamento esta reunião, não quero que ela se transforme em um. As suas atitudes durante a guerra entre Atlântida e Poseidônis foram muito questionadas por vários colegas nossos. Esta é uma chance de você se defender e expor seus motivos.

Nathaniel Adam presta atenção nas palavras do líder da Liga da Justiça, ao mesmo tempo em que percorre com os olhos a mesa onde estão sentados os justiceiros. Todos o observam atentamente. Alguns com olhares de reprovação. Ele lembra que, alguns meses atrás, participou também de uma comissão que avaliou cada um dos membros da Liga da Justiça. Será que agora seria a desforra?

— Capitão, você está com a palavra agora.

— Obrigado, Super-Homem. Em primeiro lugar, gostaria de colocar a minha posição: antes de ser um super-herói, um justiceiro, eu fui um militar, e dediquei boa parte da minha vida na defesa do meu país. Cumpri as missões que haviam me ordenado. E mesmo agora, fazendo parte da Liga, continuo com relações no Pentágono.

— Mesmo depois de tudo que lhe fizeram? — pergunta Mulher-Maravilha.

— Limpei o meu nome, princesa. A punição que me impuseram deu-me os poderes que agora uso.

— Mas, Capitão, nós havíamos concordado em não tomar parte da guerra e também de nenhum dos dois lados... — fala Flash.

— Eu não concordei com a decisão da Liga. Eu achava que Namor deveria ser punido. Ele atacou o meu país de maneira covarde, como fez com Poseidônis também. Por este motivo, concordei com o meu superior no exército e fiz parte daquela missão secreta. Pelo bem do meu país.

— E por causa disto, você não atende aos chamados da Liga? — fala Eléktron — Por que não pediu afastamento do grupo?

— A minha convocação foi de última hora. Já havia todo um esquema montado com o apoio da LexCorp. Achei que a missão seria rápida e bem sucedida. Traríamos Namor preso, para que fosse julgado pela justiça americana. Mas a guerra explodiu antes.

— Uma missão onde você tinha como aliados Lex Luthor e o Tubarão-Tigre? — pergunta Aço — Você achava que teria sucesso?

— Sim.

— Muito bem, Capitão. — fala o Super-Homem — Peço que se retire da sala para que avaliemos tudo o que foi dito.

Nathaniel Adam retira-se. No momento em que a porta se fecha às costas do herói, Super-Homem inicia o debate:

— Muito bem, amigos. O que vocês acham? Batman?

— O Capitão nos abandonou e nem nos deu satisfação. Mas acho que não devemos puní-lo com muita severidade.

— Como não, morcego? — fala Flash — Ele nos deu as costas. Se a prioridade dele é a sua carreira militar, como podemos contar com ele em outras missões, principalmente se isso nos levar a um conflito com o governo americano?

— Flash, — fala Mulher-Maravilha — nós, em algum momento, teremos outras prioridades do que a Liga da Justiça.

— Desculpe, Diana, — fala Fóton — mas concordo com Wally.

— Mais devagar. — fala o Arqueiro Verde — Não somos máquinas. Somos humanos. O Capitão já pisou na bola com a gente, mas ele mesmo viu a canoa furada que era e nos ajudou. Talvez se a guerra não tivesse começado, a missão dele teria sucesso.

— Não sei, Queen. — fala Aço — Os aliados dele. A característica de segredo da missão...

— Colegas, — fala Super-Homem — acho que já colocamos todos os pontos de vista. Todos nós concordamos que o Capitão Átomo deverá sofrer uma punição pelo que fez. Pelos nossos estatutos, nós podemos suspendê-lo ou expulsá-lo do grupo. Vamos passar para a votação: suspensão ou expulsão. Batman?

— Suspensão.

— Diana?

— Suspensão.

— Flash?

— Expulsão.

— Kyle?

— Expulsão.

— Fóton?

— Expulsão

— Arqueiro?

— Suspensão.

— Aço?

— Expulsão.

— Eléktron?

— Suspensão.

— Capitão Marvel?

— Suspensão.

— Eu voto também pela suspensão. Assim, são 6 votos para suspender o Capitão Átomo e 4 para expulsá-lo. Capitão, — fala o Super-Homem, pelo interfone — pode retornar.

Capitão Átomo retorna a sala.

— Qual foi o veredicto, Super-Homem?

— Como eu falei anteriormente, Capitão, não quero que você considere esta reunião como um julgamento. As suas atitudes foram questionadas por seus colegas de equipe e este foi o motivo da reunião.

— Mas vocês concordaram que eu deveria ser punido por isso?

— Sim, pois há vários elementos que nos levaram a tomar esta decisão. A maioria resolveu suspendê-lo por algum tempo.

— Muito bem, então. — Nathaniel Adam joga sobre a mesa o seu comunicador — A partir deste momento, eu comunico o meu afastamento em definitivo da Liga da Justiça.

— Capitão, — fala a Mulher-Maravilha — reconsidere a sua decisão. Você é um membro de grande valor para a equipe.

— Obrigado pela consideração, princesa. Mas, desde o início, eu já tinha esta decisão tomada. Não quero ficar em uma balança escolhendo de que lado devo estar: Liga da Justiça ou minha carreira militar. Enquanto eu não tiver isto solucionado no meu íntimo, serei sempre um elo frágil na Liga da Justiça. Agradeço a consideração de todos, mas devo partir.

Os heróis observam em silêncio o ex-integrante deixar a sala. Alguns segundos depois, o monitor informa que um teletransporte foi efetuado para Washington.

— Não gostaria que esta reunião terminasse desta maneira. — fala Clark Kent.

— Super-Homem, — fala Capitão Marvel — eu também gostaria de comunicar o meu desligamento da equipe. Infelizmente, não está sendo possível coordenar a minha identidade secreta com os meus afazeres com a Liga e como Capitão Marvel. Tenham a certeza que a sabedoria de Salomão me ajudou bastante nesta decisão.

— Pena, Marvel, — fala o Arqueiro Verde — mas foi muito bom lutar ao seu lado.

— Obrigado, Arqueiro.

— A Liga sempre estará de portas abertas para você, Capitão Marvel. — fala o Super-Homem — Então, eu devo comunicar também que o Eléktron havia me procurado anteriormente e também solicitou o seu afastamento.

— Dr. Palmer! — fala Fóton — Mas por quê?

— Eu sou um cientista e professor e estas minhas carreiras estavam muito abandonadas.

— É, — fala Kyle Rayner — uma nova era começa para a Liga da Justiça.

Gotham City

Batman observa atentamente um prédio perto do cais do porto com o seu binóculo. Uma tocaia que é fruto de muita investigação.

— Como você está, Clark?

— Olá, Bruce. — responde Super-Homem, surpreso — Tentei chegar imperceptível para não atrapalhar sua tocaia.

— Não se preocupe. Mas o que você deseja?

— Conversar. Sobre a Liga.

— Eu achava que teríamos esta conversa, depois de tudo o que aconteceu após a guerra.

— Aquaman, Capitão Átomo, Eléktron e Marvel saíram da equipe.

— Billy e Ray retornam mais tarde. Pediram apenas um tempo. O Capitão Átomo é uma peça muito importante para a equipe, mas de qualquer forma, ele precisa avaliar as suas prioridades. Quando ele tiver isto resolvido, ele volta também.

— Mas e Arthur?

Batman abaixa o binóculo e olha para o seu colega.

— Quanto a ele, eu não sei. Acho que ficou magoado com a Liga porque não o apoiamos. Para ele, resolvemos ficar em cima do muro.

— Não foi bem assim, Bruce. Nós decidimos isso e...

— Não estou questionando a decisão da equipe. Apenas tentei expressar o que acho que Arthur esteja sentindo. E por falar nele, alguma notícia de Namor?

— Não, nada. Parece que evaporou. Há grupos da Atlântida, Poseidônis e de outros países procurando por ele e até agora nada.

— Namor conhece os oceanos como a palma de sua mão. Ficará escondido o tempo que quiser.

— É verdade. Às vezes, eu vasculho os oceanos com a minha visão de raios-x e telescópica, também sem resultados.

— Bom, mas isso não é mais assunto da Liga. E quanto aos nossos novos integrantes?

— Já apresentei os nomes a ONU e foram aprovados. Agora eu posso acompanhá-la melhor.

— Você fala como se ela fosse seu parente. Uma irmã ou uma prima.

— Eu sei que ela não é, Bruce. Mas acho que é o mais perto de Krypton que terei do meu lado.

— Como queira, como queira.

— E quanto a ele?

— Ele precisa vencer o trauma que levou à sua saída do grupo. Acho que ele está melhor.

O símbolo do morcego surge entre as nuvens de Gotham City.

— Bom, estão me convocando. Bom trabalho, Clark.

— Obrigado, Bruce.

Os dois colegas se despedem. Batman dispara o seu arpão para um outro prédio e parte em direção à delegacia de Gotham. Super-Homem sai voando e atravessa as nuvens. Depois, toma a direção de Metrópolis.

Base da Liga, lua

— Muito bem, — fala Super-Homem — as suas candidaturas foram aceitas pela ONU e pelos membros da Liga. Sejam bem-vindos, Supermoça e Homem-Borracha!




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.