hyperfan  
 

Mulher-Hulk # 06

Por Josa Jr.

O Casamento da Mulher-Hulk 2000
O Amor é Feito de Moléculas

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
::
Próxima Edição
:: Voltar a Mulher-Hulk
::
Outros Títulos

Nova Iorque 12h00

A cidade já acordou há muito tempo (se bem que dizem que ela nunca dorme, mas isso não vem ao caso). Com os ruídos do trânsito infernal do meio-dia, Jennifer Walters acorda. Um pouco tarde, hein, Jenny?

— Hmpft. Se você fosse impedido de trabalhar, faria o mesmo. Logo agora que eu ia chamar o Camatz pra estagiário...

[— Como eu gostaria que meus patrões me impedissem de trabalhar...]

O maior problema é que não foram os patrões da Mulher-Hulk que a impediram de trabalhar como advogada e sim, a própria Justiça Americana. Para piorar, a doutora Reyes ainda foi morar com Jennifer. E a doutora também está desempregada.

— Argh! Que tristeza!

— Hã? Vem da cozinha... O que foi, Cecília?

— Não tem chocolate para pôr no leite! Droga!

— Hmpft... Sem dinheiro, temos que cortar o supérfluo, doutora. — Depois de vestir o roupão, Jennifer vai até sua nova companheira de casa. Já nervosa com a falta do que fazer e com Wyatt (que não deixou nenhum recado antes de viajar pra sua tribo), ela sente vontade de esganar a ex-médica.

— Isso não é supérfluo!

— É sim! Dá pra parar de reclamar? Vocês, gecês, só vivem reclamando! Pelo amor de Deus, chega! Se quer o maldito chocolate, vai comprar com seu dinheiro!

— Que dinheiro? Eu não contratei uma advogada decente e não consegui quase nada além do dinheiro da rescisão!

— Ao menos você teve rescisão! Eu perdi o meu emprego por defender você!

— Você é vingadora! Pode ir lá na equipe e pedir pro Capitão América emprestar a grana do Tio Sam. Eu sou uma mutante que teve tudo destruído, não tenho para onde ir!

— Tem sim! Vai pros X-Men! Digo... Não estou acompanhando o título, senão fico sabendo de coisas que um herói não pode saber... seria muito incoerente e o Lopes não gostaria muito, sem contar o chato do Dud...

— Chega! Liga pro Capitão e pede uma grana, sua lerda!

— Dá um tempo, sua chorona! Eu... hã... Vou fazer isso mesmo.

Enquanto Jennifer procura seu cartão dos Vingadores perdido em seu quarto, Cecília liga a televisão para assistir ao Jornal das 8.

— Jornal das Oito... ao meio-dia?

[— Lá se vai minha bela propaganda...]

Assim que Cecília liga a televisão para assistir o Jornal das 12, é surpreendida por uma notícia que, para o mundo da imprensa, é a manchete do dia.

— E continuamos do Monte Rushmore onde um evento inexplicável aconteceu...

— Jennifer?

— Ei, Cecília, o Jarvis falou que os Vingadores estão em missão. Depois eu ligo para eles. Me dá um pouco de leite sem chocolate...

— ... todos os rostos de presidentes foram transformados em rostos da heroína Mulher-Hulk.

— Nem tá tão rui.. pffttt! O quê?

— Não se sabe quem é o responsável por isso, e os Vingadores e a LJA estão em missões diferentes...

— Essa não! Precisamos ir lá! Agora!

— Ewww... Não precisava cuspir em mim...

— Droga! Como vamos chegar lá? — De repente, como se surgidos do nada, pedaços de terra se unem, ganhando forma até se tornar uma pequena plataforma. Jennifer salta sobre ela e percebe que na verdade tem certa consistência sólida.

— Ok, Jenny, chega de mistério. Quem está por trás disso?

— Como quem? É óbvio: Owen Reece, o Homem-Molecular! Putz, preciso limpar melhor o chão...

Assim, Jennifer veste um de seus antigos uniformes e, entre as velhas roupas da Vespa, encontra algo adequado para a dra. Reyes. As duas heroínas terminam de se maquiar e sobem na plataforma voadora, que começa a se mexer e toma o rumo do Monte Rushmore. Jennifer estranha o Homem-Molecular procurá-la. Normalmente ele se envolve com o Quarteto Fantástico. Bom, ela já participou do Quarteto, mas nunca teve nenhuma rixa que a transformasse em alvo dos ataques do vilão.

A não ser que ela seja outro tipo de alvo. "Claro! Como não pensei nisso antes?", ela se pergunta. "É a trama mais batida e maior clichê das aventuras da Mulher-Hulk — o vilão apaixonado pela heroína! Que vexame, Josa"*.

— Acho que não vamos ter muitos problemas.

— Por quê?

— Da última vez que encontrei o Homem-Molecular, em Marvel'98 # 08, ele não me atacou por me achar muito parecida com Vulcana, a ex-namorada dele, que, acredito, ele nunca conseguiu esquecer.

— Então, ele deve estar apaixonado por você.

— Sim. E acho que as transformações de Wyatt eram coisa dele também... Normalmente aconteciam em momentos românticos. Engraçado, não me lembro de ele manipular matéria orgânica... Mas eu tô parecendo o Batman deduzindo o plano do vilão para a LJA...

— Se ele está por trás das transformações do seu namorado, provavelmente está por trás do sumiço dele também.

— Ei! É mesmo!

— Grande Batman...

Enquanto isso, em um lugar em que o Sol não bate... (argh! o que vocês estão pensando???)

— Hmmm... bem divertida essa Mulher-Hulk. Acho que é a hora dela me conhecer melhor.

— Meu Deus! Outro plot, Josa! Você fecha esse do Homem-Molecular nessa edição e abre 15 outros. Que confusão!

— Olha, Jen, estamos chegando!

— Ótimo! Você não vem comigo. Ligue para a Ise, avise que tem um vilão apaixonado por mim e ela sabe o que fazer. Ah, contate Vulcana.

— Sério?

— Acho que sim. Depois de tantas histórias idênticas, já temos mais ou menos um esquema de segurança para vilões apaixonados.

— Espero que sim...

— O Batman sempre tem um plano, esqueceu?

A ex-médica salta da plataforma voadora assim que acha um local seguro. Jenny continua sua estranha viagem até o topo de uma das suas cabeças esculpidas na montanha. Logo, ela vê Wyatt sentado e amordaçado em uma cadeira de pedra, provavelmente construída pelo Homem-Molecular. Assim que Jennifer está perto o bastante para conversar com seu pretendente, a plataforma de terra se desfaz.

— Olá, Jennifer.

— Oi, Molecularzinho... — A heroína sorri maliciosamente, surpreendendo o vilão, que até então mantinha feições cadavéricas. Com um simples gesto de sensualidade da Mulher, toda o poder do Homem é posto em xeque — e não é sempre assim?

— Er.. hã... bem... uh...

— E entãããão...? O que vamos fazer?

— Uh... uh...

— Posso sugerir uma coisa deliciosa... Mas só se você voltar os rostos dos presidentes... ;)

No mesmo instante, o Monte Rushmore volta à sua antiga forma. Jenny aproxima seus lábios da orelha do Homem-Molecular, fazendo o semideus suar mais que o normal. Sua paixão pela Mulher-Hulk nubla qualquer pensamento lógico e o deixa incapaz de notar a piscadela que a vingadora manda para Wyatt. Wingfoot tenta ouvir ou ler nos lábios o que Jen está dizendo para Owen, mas é impossível saber. Ele apenas fecha os olhos e confia em sua amada.

Los Angeles — 14h

A Fantasma Loira prepara o vestido de noiva, enquanto Morris Walters se arruma para este momento tão esperado. Hã... vocês estão pensando que perderam alguma coisa entre a edição anterior e essa?

— Calma, gente! Não é meu casamento! Faz parte do plano da Jenny.

— Eles devem estar chegando daqui a pouco. Ainda bem que a doutora Cecília telefonou. Qual é a parte dela nessa missão?

— A doutora vai tentar falar com a Vulcana, a "ex" do Homem-Molecular. Espero que isso dê certo, ou Jen estará condenando todo o planeta caso ela não aceite participar do plano.

Nossos dois heróis entram no carro da polícia de Morris Walters e se dirigem à Igreja Getsêmane de L.A., a mais próxima da casa do sr. Walters. Lá, tudo já está preparado para a cerimônia do século: O Casamento da Mulher-Hulk! (Tá, a do Super-Homem já foi a do século. Eu me conformo com a cerimônia do mês...).

— Olha! Os noivos já estão chegando, Ise! Preparem-se! — Assim que o nariz de George Washington pousa ao lado da igreja, Louise recebe Jen, Owen e Wyatt.

— É um prazer recebê-los aqui. Eu serei a dama de honra, sr. Reece. — O Homem-Molecular abre um sorriso imenso. É um dos momentos mais felizes de sua vida. Ele finalmente terá uma relação quase eterna com a mulher que sempre sonhou. Na verdade, uma mulher bem parecida com a que ele sempre sonhou. Ele tenta ignorar esse pequeno detalhe e prefere se concentrar no terno que cria com apenas alguns movimentos da mão direita.

— Já que Wyatt aceitou que nos casássemos, vou libertá-lo. Ele será uma das testemunhas.

— Que bom, Owen! E não fique transformando ele em coisas estranhas, viu?

— Tudo bem, Jen. Mas eu não estava transformando... apenas recobria ele com camadas de materiais diferentes (**). É muito arriscado manipular material orgânico... E você ficaria com ódio de mim. Como vê, calculei tudo para que você se apaixonasse por mim.

— Er... Claro, claro. Agora vou me trocar. Você não deve ver a noiva, tá?

— Tudo bem, minha amada.

Enquanto isso, em outro ponto dos EUA, próximo ao monte Rushmore...

— Por favor, Marsha! Precisamos de sua ajuda!

— Não! Eu não vou me envolver com Owen de novo! Nós já tivemos discussões terríveis! Da última vez ele colocou a minha cara no Monte Rushmore! Aquilo foi o cúmulo! Vou morrer solteira. Ponto.

— Grrr... Por que fui me meter nessa? Eu era uma médica feliz, até descobrirem que sou mutante e perder tudo. Tenho que reconstruir minha vida ao lado da Mulher-Hulk e quando acho que tenho uma chance de salvar o mundo de um doido com poder de Deus, tenho que agüentar uma ingrata!

— Escutaqui, queridinha! O-Owie-não-é-doido! E por que está me chamando de ingrata?

Por quê? Eu te digo! Você tem a chance de ter uma vida perfeita com o cara que te ama e fica nessa babaquice, se lamentando e reclamando! Você será a esposa de um cara que é quase onipotente e fica reclamando! Você não tem nada do que se lamentar! Acredite, Marsha: eu tenho do que me lamentar. Eu sou a mutante aqui! Eu tive a vida destruída e virei coadjuvante de um fanfic de segunda por um autor de terceira!

[— Ei!]

— Fazendo isso, você está dando motivos para o Homem-Molecular ser infeliz! Você está se tornando infeliz! Ainda ama esse cara e vai casar com ele! Agora pára de frescura e vem comigo pra Los Angeles! Anda!

— ... Eu não sei o que dizer... É terrível admitir, mas você está certa. Pobre Owen... Deve estar sofrendo... Acho que juntos podemos lapidar os problemas com o tempo. Como vamos para LA?

— Ônibus?

— Los Angeles fica a dois dias daqui!

— Argh!

Mais tarde, na igreja...

— Porque a Jen tá demorando tanto? Ela está se trocando há três horas!

— Você sabe como são as noivas, Owen... eu conheço minha filha. Deve estar se maquiando sem parar.

Já no quarto da noiva...

— O quê? Porque não me ligou antes, Reyes?

— Que foi, Jenny?

— Ise, pede para o Molecular criar alguma coisa pra trazer a Cecília aqui. Ou então vou ter que me casar de verdade com ele!

— Vou ver o que posso fazer, mas já te aviso que o sujeito está ficando impaciente.

Ise sai do quarto e Jenny continua a se vestir. O vestido é apertado mas ela já se acostumou com isso. Ela se pergunta quando vai usar algo parecido a sério. A heroína decide finalmente ir ao altar. Ela sabe que o casamento será uma farsa (se tudo correr bem), mas quer ao menos saber qual é a sensação de estar lá na frente. Louise reaparece na porta e faz sinal de que Owen trará Cecília. "Espero que ele não note que Vulcana está vindo junto... Ele não é onisciente, apesar de estar me espionando esse tempo todo. Mais uma vez preciso contar com a sorte...", pensa. Jennifer se levanta e avisa aos presentes que já podem iniciar a cerimônia.

Owen entra com a Louise Mason e, em seguida, a noiva aparece, ao lado de Wingfoot. O Homem-Molecular faz uma cara feia, mas um sorriso de Jenny a desfaz rapidamente.

"Droga, Cecília tem que chegar logo ou vai ser difícil enrolar o Owen. Imagine esse cara nervoso... Ele pode destruir o mundo! Quando eu e Ise bolamos esse plano de enrolar o vilão apaixonado até aprisioná-lo, não prevíamos um ser tão poderoso logo de cara. Ao menos, esse tem uma amada e tudo deve dar certo. Acho. Oops... já chegamos. Nem pude ver qual era a sensação da noiva... Pena. Espero que Wyatt não tenha gostado muito, senão vou ter que andar de aliança... E perderia metade dos fãs."

Por amor aos nossos queridos leitores (e à minha bendita paciência), não descreverei todos os movimentos e ritos da cerimônia de casamento, mas saibam que foi algo bem tradicional, fora o curtíssimo vestido da noiva e a ausência total de convidados. Cheguemos logo ao ponto que interessa:

— Jennifer Walters, aceita Owen Reece como seu legítimo esposo?

— S... — "Droga, cadê a Cecília?" -...I...— "Por favor, Reyes, não me faça casar"-...M!

— Oh-oh, Morris... O pastor não vai saber enrolar a cerimônia.

— Hmm... er... Owen Reece, aceita Jennifer Walters como sua legítima esposa?

— Parem o casamento!

— Hã?

— Hã?

— Hã?

[— Hã?]

Cecília Reyes chega na orelha de Thomas Jefferson e entra na igreja correndo, mas a pessoa que surpreendeu a todos não foi ela e sim, Marsha Rosenberg: a ex-vilã Vulcana e antigo par romântico do Homem-Molecular.

— Josa, você tá escrevendo, não se surpreende com o que acontece!

[— Piada... piada...]

— Owen, que história é essa de se casar com uma Vingadora?

— Marsha?

— Você tem que se casar comigo! Vamos parar com essa enrolação típica de novela e dar um jeito no nosso romance.

— Oh, Marsha... Eu estou tão confuso. Jen?

— Foi ela quem te deu uma razão de viver além de enfrentar o Quarteto e ser manipulado pelo Dr. Destino. Eu seria apenas uma substituta. Vai fundo, Molécula!

— V-você está certa. Marsha?

— Sim, eu aceito.

— Ahã... Então, para evitar que eu tenha de pregar tudo de novo: Owen, aceita Marsha...

— Rosenberg.

— ... Marsha Rosenberg como sua legítima esposa?

— Sim.

— Então eu os declaro marido e mulher até que a morte os separe. O que Deus uniu o homem não separa. Nem mesmo um homem com um poder parecido com o d'Ele. Deus os abençoe. Pode beijar a noiva.

Assim, os dois vilões regenerados se beijam, enquanto todo o nosso elenco se emociona e até mesmo Jenny chora com o belíssimo momento que a vida lhes traz. Cafona, é verdade... mas ainda assim belo.

À noite, uma pequena festa informal na casa de Morris Walters aproxima mais os personagens. Estão reunidos o anfitrião, Jennifer, Wyatt, Louise, Cecília, Owen e Marsha Reece. Descontraídos, não imaginam o que o destino lhes reserva.

— ...daí eu peguei o Metalóide e abri as pernas dele...

— ...apesar de tudo, eu agradeço o Doom por me dar esses poderes...

— ...maldita vida de mutante! Sou a única sem par romântico na série...

— ...sério! Manipulando urânio e cobre, consigo criar Big Macs!

Owen Reece vai ao banheiro e não volta por 10 minutos.

— Ei, cadê o Owie?

Jenny vai à cozinha trazer mais refrigerantes. Todos estão felizes (com exceção da Reyes, lógico!) e nem imaginam que neste momento alguém está manipulando a realidade. Alterando tudo o que conhecemos. Desfazendo a matéria e a fazendo nova. Nada será como antes.

— Ei, Pai. Que lâmpada forte essa que você pôs na gelad...*

Na próxima edição: A nova fase da Mulher-Hulk! E quem fez isso? Owen Reece? Dan Jurgens? Marv Wolfman? Pra falar a verdade, eu já sei quem foi, mas vocês precisam ler para saber, diabos!

:: Notas do Autor

* Vocês não achavam que eu ia deixar de fazer uma história assim, né?
** Ver edição # 03.



 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.