hyperfan  
 

Mulher-Maravilha # 28

Por JB Uchôa

No Coração da Selva — Parte I
The Animal Song

:: Sobre o Autor

:: Edição Anterior
:: Próxima Edição
:: Voltar a Mulher-Maravilha
:: Outros Títulos

O avião invisível ultrapassa a barreira do som. A Mulher-Maravilha segura firme no manche, ensinando a Cassandra como pilotar o jato.

— Será que eu posso deixar você guiar, Cassie? — pergunta a amazona, com um sorriso.

— Poder, pode. Só peço que você pouse ao invés dela. — Kon-El está escorado entre os bancos dos pilotos, no caso Diana e Cassandra.

— Ei! — retruca a Garota-Maravilha — Já começo a achar que foi má idéia você vir com a gente.

— Calma, Cassie. Superboy está brincando. Eu nunca deixaria você pousar o jato... em suas primeiras vinte aulas. — Diana mostra aos dois o controle de velocidade e de pressão atmosférica.

— O jato consegue chegar ao espaço? — pergunta Superboy, com certo entusiamo.

— Sim, embora ele não renda no espaço por conta da velocidade. Só consigo quebrar a barreira do som no planeta, no espaço é mais complicado. Demoraríamos dias para chegar à torre da Liga.

— É, assim não tem muita serventia no espaço. — conclui o jovem com o símbolo de "S" estilizado no peito.

— Kon!!! — esbraveja Cassie, virando-se para trás e relaxando no controle da aeronave.

Cassandra, olhe para a frente! — a desatenção da jovem faz com que a nave perca altura. Diana retém o comando do manche novamente e faz com que o jato continue em queda livre por alguns instantes até estabilizá-lo para depois ganhar altitude novamente.

— Di... me desculpa! — Cassie segura a mão do Superboy com força em busca de apoio. Os dois jovens heróis, apesar do poder que possuem, ficaram assustados com a possibilidade de destruírem o jato.

— Não precisa ficar assustada, Cassie, estou aqui pra isso. Ártemis lhe deu o controle do seu corpo e explorou suas necessidades como guerreira. Eu vou concluir esse processo de aprendizado. — a Mulher-Maravilha começa a ganhar altitude novamente no jato — Nós lidamos com muita tecnologia, e não somos experts em todas elas. É de importância que você saiba pilotar alguma aeronove, alguns comandos usados na força aérea e conhecer alguns lugares do planeta como esse que estamos indo. — sobrevoando o espaço aéreo da Terra Selvagem, uma planície com clima tropical no meio do Ártico, a Mulher-Maravilha faz um rasante para se esquivar de quatro pterodáctilos.

Caraca!! — exclama o Superboy — Aquilo é um pterodáctilo?

— Segurem-se, terei que fazer um pouso forçado. — os grandes dinossauros alados acompanham o trajeto do avião invisível.

— Mulher-Maravilha, eu posso sair e derrubá-los!

— Não, Superboy. Não menospreze a Terra Selvagem, as coisas não são tão simples aqui, nem mesmo pra nós. E esses animais pertencem a um ecossistema, os intrusos aqui somos nós. — Diana desliga o jato e faz uma prece.

O avião invisível desce destruindo algumas árvores. Os estragos são minimizados pois Diana procurou uma planície, próxima de um grande rio. Os tripulantes estão bem amarrados às poltronas pelos cintos e os animais parecem ter voltado aos céus. A Mulher-Maravilha explica a Cassie e ao Superboy o uso do avião, mostrando onde se verifica os controles de combustível.

— Sem maiores danos. — Diana abre a escotilha e desce, aguardando o jovem casal que vem logo atrás de si.

— Nossa... — exclama Cassie, com entusiasmo — Eu não fazia idéia de que pudesse existir um lugar assim no mundo!

Diana leva as mãos à cintura e sorri. Abre o compartimento de carga e retira três mochilas e equipamentos. Veste uma calça jeans por cima do seu uniforme e um grosso casaco. Entrega um casaco para Kon e Cassie e suas mochilas.

— Eu não acredito que vi a Mulher-Maravilha trocando de roupa...

— O que você disse? — murmura Cassandra, olhando friamente para o rapaz de aço.

— Eu falei que não acredito que vi a Mulher-Maravilha... hã... pousar esse avião!

— E só agora você diz isso? Dez minutos depois?

— Só agora me dei conta do risco que corremos! — Superboy esboça o sorriso mais amarelo que já fez na vida, sabendo que Cassandra não vai acreditar na resposta, mas esperando que ela encerre o assunto.

— Você é invulnerável! — Cassie chega bem perto dele, segura em sua mão com força — Vamos logo!

O garoto de aço suspira aliviado. Diana está mais à frente, coloca os óculos escuros.

— Vamos nos manter juntos, OK? Coloquem os óculos escuros por conta da claridade. Lembrem-se que esse lugar é cercado de neve, e aqui a claridade é maior. Nas mochilas tem duas garrafas de isotônicos, (*) para recuperar os sais minerais que vamos perder na caminhada, e é importante manter-nos hidratados. E o mais importante, não usem o flash da máquina digital, vamos evitar ter que correr dos animais.

— Eu acho que ela tá pegando pesado... — cochicha Superboy com a Garota-Maravilha, enquanto caminham — A gente pode derrotar qualquer um desses brontossauros e t-rex que aparecer pela frente.

— Eu acho que ela não quer que a gente use os poderes. Diana às vezes tem isso, gosta de levar uma vida normal. Ainda bem que minha mãe não veio, senão ela fazia aquele negócio que odeio de me deixar sem poderes! — os dois sentam-se em uma grande pedra enquanto a Mulher-Maravilha caminha um pouco mais à frente.

— Que beleza! — exclama a Mulher-Maravilha, retirando os óculos escuros e colocando as mãos na cintura — Uma mãe triceratops com seu filhote! Cassie! Kon! Tragam a máquina...

Subitamente, Diana começa a sentir uma tontura e leva as mãos à cabeça. Seus sentidos parecem desnorteados e fechar os olhos piora a situação. Ela se ajoelha e toca as pontas dos dedos no chão para sentir firmeza na base. Quando abre os olhos, vê Cassandra caída ao chão e mal tem tempo de levantar os braceletes para impedir que Superboy a esmurre.

Embaixada de Themyscira, Nova York

— Precisando de algo, professora Sandsmark? — Sílvia pára próxima às pesadas portas do saguão que abrigará a mostra de artefatos themyscirianos e olha para as caixas ao redor da nova curadora.

— Me chame de Helena, Sílvia. — a professora não olha para a secretária, permanece imóvel com a mão no queixo olhando para a tapeçaria na parede — Sabe, essa tapeçaria é estranha para ser uma amazona de Themyscira.

— Por quê? — Sílvia chega próximo da professora e observa a tapeçaria — É uma bonita peça.

— Oh, sim. Não disse o contrário. — Helena aponta para os cabelos da mulher de túnicas claras e olhar sereno — Eu nunca vi nenhuma obra de Themyscira com alguma amazona com os cabelos dessa cor.

— Ela é ruiva, definitivamente.

— Não como Ártemis. Ela não é ruiva natural. — Helena olha ao redor, procurando uma foto de Ártemis — Ela é loira!

— Como pode deduzir isso? — Sílvia sorri e vira o rosto para a professora.

— Essa peça não é recente. — Helena faz alguns trejeitos com a boca e volta a olhar pra peça — Nas peças datadas dessa época, as mulheres que possuem os cabelos vermelhos não possuem esse tom alaranjado, que puxa mais pro loiro do que pro ruivo. Tem também esse broche em formato de águia, eu não lembro em ver nada grego que remeta ao uso de águias.

— Essa mulher se chama Diana Trevor. — a voz masculina ecoa pelo salão, fazendo com que as duas mulheres se virem para trás para fitar quem chega.

— Como pode ter tanta certeza disso, senhor? — pergunta Helena, com uma das mãos na cintura e a outra com seus óculos de grau.

— Simplesmente porque ela é minha mãe. — Steve Trevor sorri e aproxima-se junto com Etta.

— Steve! — Sílvia o cumprimenta com um aperto de mão — Helena, esse é o coronel Steve Trevor e sua esposa Etta Candy.

— Já o conhecia de nome, coronel. — cumprimenta Helena com um sorriso — Soube que esteve... doente. (**)

— Na verdade, quase morto — brinca Etta — Steve foi atacado pelo Dr. Octopus. Mas graças a Deus está bem.

— Só me rendeu alguns dias na cama, muita fisioterapia e mais uma cicatriz de guerra. Mas viemos aqui nos despedir de Diana, estamos de volta a Washington amanhã.

— Oh, Steve, sinto muito! — exclama Sílvia, segurando em seu braço — Diana viajou com a Garota-Maravilha, filha de Helena. Mas deve voltar amanhã.

— Que pena, nosso vôo sai às cinco da manhã! — Etta olha para Steve — Nós só queríamos nos despedir de Diana, ela foi muito amável nesse período, como sempre!

— Garanto que não vão faltar motivos para se reencontrarem. — diz Sílvia, alegremente — Vim aqui buscar a professora Sandsmark para um almoço, já que ela parece se perder aqui e esquecer do tempo. Garanto que Ferdinand ficará contente em ver que tem mais um casal para apreciar seus dotes culinários.

— É verdade. — diz Helena — E tem sobremesas saborosíssimas! — o quarteto sai pela porta e Helena olha uma vez mais para a tapeçaria — Eu sabia que essa mulher não era amazona! — exclama, exultante.

Terra Selvagem

— Grande Hera! — Diana grita, tentando se esquivar, em vão, dos ataques do Superboy — Cassie, acorde! — Cassandra está deitada, ainda desacordada, quando a Mulher-Maravilha sente a proximidade de animais. Valendo-se de um dos dons que recebeu dos deuses gregos, Diana solicita ao animal que acorde a Garota-Maravilha, mas percebe que o lobo permanece imóvel, não respondendo a nenhum comando seu. O mundo ainda gira ao seu redor e continua levantado os punhos a esmo tentando parar os ataques do garoto de aço.

— Por que ela não cai, Imago? — Vertigo tem se concentrado em direcionar seus poderes diretamente à Mulher-Maravilha, impedindo que ela veja seus atacantes e possa revidar à altura.

— Continue, Vertigo, uma hora ela vai ter que ceder! — o líder dos Metamorfos da Terra Selvagem aperta suas mãos uma na outra e depois segura nos ombros da bela mulher de cabelos esverdeados — O garoto tenta resistir, mas já está completamente sob o meu domínio.

Ainda tentando se esquivar dos golpes do Superboy, a Mulher-Maravilha é esmurrada com força, sendo jogada alguns metros adiante, fora do raio dos poderes de Vertigo. Enquanto Diana lentamente abre os olhos e percebe o que acontece à sua volta, Superboy voa em sua direção, mas ela o esmurra com um cruzado de direita, tendo tempo de perceber onde estão seus atacantes. Ela consegue visualizar Lupo e seus lobos à direita e Imago e Vertigo ao centro. Com um salto, ela ganha impulso e voa em direção a Imago e Vertigo, acreditando poder ser rápida o suficiente para derrubá-la antes que distorça sua percepção.

Entretanto, Superboy a intercepta no ar, fazendo-os cair mais adiante, próximos à Garota-Maravilha. Diana prende a cabeça do Superboy com as coxas e o esmurra seguidas vezes, tentando fazê-lo perder a consicência. Enquanto isso, Cassie acorda e se espanta de vê-la espancando o namorado. Antes que possa se aproximar, Gaza a golpeia pelas costas e Lupo comanda os lobos para que avancem na jovem.

Bárbarus esmurra as costas de Diana, seu corpo se joga para frente e Superboy a golpeia, fazendo com que a Mulher-Maravilha caia desacordada.

Gaza, Lupo e Anfíbius abrem o cerco e mostram Cassandra, também desacordada. Superboy a coloca nos braços e a fita por breves instantes. Com a mão direita, ele limpa o sangue no rosto da jovem e permanece imóvel.

— Bárbarus! — ordena Imago — Prenda a Mulher-Maravilha com as correntes de vibranium. Assim que eu dominar as mulheres, poderemos matar Ka-Zar e Cirel. Finalmente os Metamorfos dominarão a Terra Selvagem!


Continua...


:: Notas do Autor

E então, pessoal, estão satisfeitos com o andamento do título?
É muito bacana poder fundir os universos Marvel e DC e fazer esse troca-troca com os personagens (no bom sentido, claro!), buscando enfoques nunca dados!
O tão alardeado romance com Batman (calma, vem mais coisa por aí) que a própria DC tratou com desdém, vamos poder aproveitar todo o potencial sem nos preocupar com o puritanismo das editoras americanas em mudar o status quo dos seus carros-chefe.
Enfim, estamos às ordens! Sentimos um imenso prazer em escrever, mesmo que não tivéssemos nenhum acesso no final do mês, mas gostaríamos de saber a sua opnião, que é o que formenta a chama de poder trilhar caminhos cada vez mais inusitados.
Boa leitura!
Que a Glória de Gaia os proteja!
— JB

(*) Produtos como o Gatorade. voltar ao texto

(**) Veja o que aconteceu com Steve Trevor em Mulher-Maravilha # 20 e # 21. voltar ao texto




 
[ topo ]
 
Todos os nomes, conceitos e personagens são © e ® de seus proprietários. Todo o resto é propriedade hyperfan.